Factors Associated with Access to Medications Used by Hypertensive Patients Treated in Primary Health Care

  • Indhyana Lopes Oliveira Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, BA, Brasil. http://orcid.org/0000-0002-2710-0795
  • Ingrid Novaes Leão Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia Hospitalar da Residência Multiprofissional em Saúde do Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, SE, Brasil. http://orcid.org/0000-0003-0538-4747
  • Brígida Dias Fernandes Programa de Pós-Graduação em Medicamentos e Assistência Farmacêutica, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil. http://orcid.org/0000-0002-0413-8790
  • Bruno Gonçalves de Oliveira Programa de Pós-Graduação em Saúde e Enfermagem da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Jequié, BA, Brasil. http://orcid.org/0000-0002-2884-9976
  • Gisele da Silveira Lemos 1 - Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Jequié, BA, Brasil. 2 - Programa de Pós-Graduação em Medicamentos e Assistência Farmacêutica, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil. http://orcid.org/0000-0001-8987-0245
  • Paulo Henrique Ribeiro Fernandes Almeida Programa de Pós-Graduação em Medicamento e Assistência Farmacêutica, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil. http://orcid.org/0000-0002-9369-0690
  • Cláudio Henrique Meira Mascarenhas Programa de Pós-Graduação em Saúde e Enfermagem da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Jequié, BA, Brasil. http://orcid.org/0000-0001-6806-5394

Resumo

Abstract

The provision of access to medicines and the promotion of their rational use has become a challenge for universalized health systems, especially in the care of individuals with chronic diseases, such as hypertension. Thus, the objective was to analyze the factors associated with the availability of drugs used by hypertensive individuals. A cross-sectional study was conducted using a structured questionnaire whose information was collected in the homes of hypertensive patients enrolled in Primary Health Care. The data collected referred to the use and form of medication acquisition, sociodemographic, clinical and anthropometric data. Of the 235 hypertensive individuals participating, the majority belonged to the female sex, were over 60 years old and had more than one comorbidity. The mean drug was 3.69 (SD ± 2.01) per user. Most users obtained the drugs through the pharmacy linked to the Family Health Strategy unit (ESF) (56.2%). The prevalence of access to medicines through public sources was 83%. In the case of the non-availability of drugs in the ESF pharmacy, 49.8% of the users purchased them in private pharmacy. The sources of obtaining medication were associated with blood pressure, obesity and income (p <0.05), and individuals with poorer health conditions and lower income, obtained their drugs more often in pharmacy linked to the ESF. The results demonstrate the important role of the Unified Health System (Sistema Único de Saúde) in providing access to medicines, indicating the need for improvement in public pharmaceutical care in order to ensure the rational use of these products.

Keywords: Hypertension. Health Services Accessibility. Pharmacoepidemiology.

Resumo

A provisão de acesso a medicamentos e a promoção do seu uso racional têm se tornado um desafio para os sistemas de saúde universalizados, principalmente no cuidado de indivíduos que apresentam doenças crônicas, como a hipertensão. Assim, objetivou-se analisar os fatores associados a disponibilidade de medicamentos utilizados por indivíduos hipertensos. Foi realizado um estudo transversal com a utilização de um questionário estruturado cujas informações foram coletadas nos domicílios dos pacientes hipertensos cadastrados na Atenção Primária à Saúde. Os dados coletados referiam-se a uso e forma de aquisição de medicamentos, dados sociodemográficos, clínicos e antropométricos. Dos 235 indivíduos hipertensos participantes, a maioria pertencia ao sexo feminino, tinha mais de 60 anos e apresentava mais de uma comorbidade. A média de medicamento foi 3,69 (DP± 2,01) por usuário. A maioria dos participantes obtinha os medicamentos através da farmácia vinculada a unidade da Estratégia Saúde da Família (ESF) (56,2%). A prevalência de acesso a medicamentos por meio de fontes públicas foi de 83%. No caso da indisponibilidade de medicamentos na farmácia da ESF, 49,8% dos usuários os adquiriam em farmácia privada. As fontes de obtenção de medicamento estiveram associadas a pressão arterial, obesidade e renda (p<0,05), sendo que indivíduos com piores condições de saúde e com menor renda, obtiveram seus medicamentos mais frequentemente na farmácia vinculada à ESF. Os resultados demonstram o papel importante do Sistema Único de Saúde na provisão de acesso à medicamentos, indicando a necessidade de melhoria na assistência farmacêutica pública, a fim de garantir o uso racional desses produtos.

Palavras-chave: Hipertensão. Acesso aos Serviços de Saúde. Farmacoepidemiologia.

Biografia do Autor

Indhyana Lopes Oliveira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, BA, Brasil.
Departamento de Ciências e Tecnologias
Ingrid Novaes Leão, Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia Hospitalar da Residência Multiprofissional em Saúde do Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, SE, Brasil.
Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares
Brígida Dias Fernandes, Programa de Pós-Graduação em Medicamentos e Assistência Farmacêutica, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.
Departamento de Farmácia Social
Bruno Gonçalves de Oliveira, Programa de Pós-Graduação em Saúde e Enfermagem da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Jequié, BA, Brasil.
Departamento de Saúde II
Gisele da Silveira Lemos, 1 - Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Jequié, BA, Brasil. 2 - Programa de Pós-Graduação em Medicamentos e Assistência Farmacêutica, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.
Departamento de Ciências e Tecnologias
Paulo Henrique Ribeiro Fernandes Almeida, Programa de Pós-Graduação em Medicamento e Assistência Farmacêutica, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.
Departamento de Farmácia Social
Cláudio Henrique Meira Mascarenhas, Programa de Pós-Graduação em Saúde e Enfermagem da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Jequié, BA, Brasil.
Departamento de Saúde I

Referências

Malachias MVB, Souza WKSB, Plavnik FL, Rodrigues CIS, Brandão AA, Neves MF. 7a Diretriz Brasileira De Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol. 2016;107(3):1–83. PMID: 24217493.

World Health Organization. A global brief on Hypertension - World Health Day 2013. World Heal Organ. 2013;1–40. PMID: 19316202.

Costa JMB da S, Silva MRF da, Carvalho EF de. Avaliação da implantação da atenção à hipertensão arterial pelas equipes de Saúde da Família do município do Recife (PE, Brasil). Cien Saude Colet. 2011;16(2):623–633.

Álvares J, Araújo VE, Izidoro JB, Dias CZ, Costa KS, Costa EA, Leite SN, Soeiro OM, Karnikowski MG de O, Guibu IA, Guerra Júnior AA. Estamos de fato medindo acesso? Revisão sistemática das medidas de acesso a medicamentos no Brasil. Rev Bras Pes. 2015;17(4):138–155.

Brasil. Política Nacional de Atençao Básica [Internet]. Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. Available from: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf

Luiza VL, Chaves LA, Campos MR, Bertoldi AD, Silva RM, Bigdeli M, Ross-Degnan D, Emmerick ICM. Applying a health system perspective to the evolving Farmácia Popular medicines access programme in Brazil. BMJ Glob Heal. 2018;2(Suppl 3):e000547.

Garcia MM, Guerra Júnior AA, Acúrcio F de A. Avaliação econômica dos Programas Rede Farmácia de Minas do SUS versus Farmácia Popular do Brasil. Cien Saude Colet. 2017;22(1):221–233.

Comissão Intergestores Bipartite da Bahia. Resolução CIB no34/2008. Aprova a criação do Programa Medicamento em Casa na esfera Estadual.

Silva RM da, Caetano R. Programa “Farmácia Popular do Brasil”: caracterização e evolução entre 2004-2012. Cien Saude Colet. 2015;20(10):2943–2956.

Penchansky R, Thomas JW. The concept of access: definition and relationship to consumer satisfaction. Med Care. 1981;19(2):127–140.

Travassos C, Martins M. Uma revisão sobre os conceitos de acesso e utilização de serviços de saúde. Cad Saude Publica. 2004;190–198.

Ministério da Súde. Hipertensão arterial sistêmica [Internet]. Sistema de Informação em Atenção Básica. Brasília; 2014 [cited 2016 Mar 20]. Available from: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?siab/cnv/SIABSBA.def.

Melchiors AC, Correr CJ, Pontarolo R, Santos FDODS, Souza RADPE. Qualidade de vida em pacientes hipertensos e validade concorrente do Minichal-Brasil. Arq Bras Cardiol. 2010;94(3):357–364.

World Health Organization. Anatomical Therapeutic Chemical (ATC) classification index with Defined Daily Doses (DDD’s). Oslo: WHO Collaborating Centre for drug Statistics Metodhology; 2000.

World Health organization. Obesity: Preventing and Managing the Global Epidemic. WHO Technical Report Series. Geneva: World Health organization; 2000.

Gontijo M de F, Ribeiro AQ, Klein CH, Rozenfeld S, Acurcio F de A. Uso de anti-hipertensivos e antidiabéticos por idosos: inquérito em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad Saude Publica. 2012;28(7):1337–1346.

Aiolfi CR, Alvarenga MRM, Moura C de S, Renovato RD. Adesão ao uso de medicamentos entre idosos hipertensos. Rev Bras Geriatr e Gerontol. 2015;18(2):397–404.

Pereira VO de M, Acurcio F de A, Guerra Júnior AA, Silva GD da, Cherchiglia ML. Perfil de utilização de medicamentos por indivíduos com hipertensão arterial e diabetes mellitus em municípios da Rede Farmácia de Minas. Cad Saude Publica. 2012;28(8):1546–1558.

Costa CMFN, Silveira MR, Acurcio F de A, Guerra Junior AA, Guibu IA, Costa KS, Karnikowski MG de O, Soeiro OM, Leite SN, Costa EA, Nascimento RCR, Araújo VE de, Álvares J. Use of medicines by patients of the primary health care of the Brazilian Unified Health System. Rev Saude Publica. 2017 Sep 22;51(suppl.2):1–11.

Obreli-Neto PR, Nobili A, De Oliveira Baldoni A, Guidoni CM, De Lyra DP, Pilger D, Duzanski J, Tettamanti M, Cruciol-Souza JM, Gaeti WP, Cuman RKN. Adverse drug reactions caused by drug-drug interactions in elderly outpatients: A prospective cohort study. Eur J Clin Pharmacol. 2012;68(12):1667–1676. PMID: 22644345.

Patel PS, Rana DA, Suthar J V, Malhotra SD, Patel VJ. A study of potential adverse drug-drug interactions among prescribed drugs in medicine outpatient department of a tertiary care teaching hospital. J Basic Clin Pharm [Internet]. 2014;5(2):44. Available from: http://www.jbclinpharm.org/text.asp?2014/5/2/44/134983.

Mibielli P, Rozenfeld S, Matos GC de, Acurcio F de A. Interações medicamentosas potenciais entre idosos em uso dos anti-hipertensivos da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais do Ministério da Saúde do Brasil. Cad Saude Publica. 2014;30(9):1947–1956.

Antimisiaris D, Cutler T. Managing Polypharmacy in the 15-Minute Office Visit. Prim Care - Clin Off Pract. 2017;44(3):413–428. PMID: 28797369.

Mengue SS, Bertoldi AD, Ramos LR, Farias MR, Oliveira MA, Tavares NUL, Arrais PSD, Luiza VL, Pizzol T da SD. Access to and use of high blood pressure medications in Brazil. Rev Saude Publica. 2016;50(supl 2):1–9. PMID: 27982380.

Barreto MNS de C, Cesse EÂP, Lima RF, Marinho MG da S, Specht Y da S, Carvalho EMF de, Fontbonne A. Análise do acesso ao tratamento medicamentoso para hipertensão e diabetes na Estratégia de Saúde da Família no Estado de Pernambuco, Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2015;18(2):413–424. PMID: 26083512.

James PA, Oparil S, Carter BL, Cushman WC, Dennison-Himmelfarb C, Handler J, Lackland DT, LeFevre ML, MacKenzie TD, Ogedegbe O, Smith SC, Svetkey LP, Taler SJ, Townsend RR, Wright JT, Narva AS, Ortiz E. 2014 Evidence-Based Guideline for the Management of High Blood Pressure in Adults. JAMA. 2014 Feb 5;311(5):507.

Brasil. Ministério da Saúde. Plano de Reorganizaçao da atençao à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus. Ministério da Saúde; 2001. p. 25.

Nascimento R, Álvares J, Guerra Junior A, Gomes I, Costa E, Leite S, Al. E. Disponibilidade de medicamentos essenciais na atenção primária do Sistema Único de Saúde. Rev Saude Publica. 2017;51(Supl 2:10s):1–12.

Costa KS, Francisco PMSB, Barros MB de A. Utilização e fontes de obtenção de medicamentos: um estudo de base populacional no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad saúde pública. 2016;32(1):1–12. PMID: 26886184.

Costa KS, Francisco PMSB, Barros MB de A. Conhecimento e utilização do Programa Farmácia Popular do Brasil: estudo de base populacional no município de Campinas-SP. Epidemiol e Serviços Saúde. 2014;23(3):397–408.

Pinto CDBS, Miranda ES, Emmerick ICM, Costa NDR, Castro CGSO De. Preços e disponibilidade de medicamentos no Programa Farmácia Popular do Brasil. Rev Saude Publica. 2010;44(4):611–619.

Emmerick ICM, do Nascimento JM, Pereira MA, Luiza VL, Ross-Degnan D. Farmácia Popular Program: Changes in geographic accessibility of medicines during ten years of a medicine subsidy policy in Brazil. J Pharm Policy Pract. 2015;8(1):1–10. PMID: 25926990.

Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde. Nota Informativa no18/2017. Informa sobre o encerramento da Rede Própria do Programa Farmácia Popular do Brasil. [Internet]. Brasília; 2017. Available from: http://www.conasems.org.br/wp-content/uploads/2017/04/Nota-encerramento-Rede-Própria-FPB.pdf.

da Silva RM, Caetano R. Costs of public pharmaceutical services in Rio de Janeiro compared to Farmácia Popular Program. Rev Saude Publica. 2016;50:1–11. PMID: 28099664.

Correr CJ, Otuki MF, Soler O. Assistência farmacêutica integrada ao processo de cuidado em saúde: gestão clínica do medicamento. Rev Pan-Amazônica Saúde. 2011;2(3):41–49.

Publicado
2020-05-28
Seção
Artigos