Manifestation of Anxiety during Dental Treatment: Integrative Literature Review

  • Ana Carolina de Lima Cardoso Tiradentes University Center Unit. AL, Brazil.
  • Ana Karlla Rocha Tiradentes University Center Unit. AL, Brazil.
  • Bruna Rafaella Ramos Melo Tiradentes University Center Unit. AL, Brazil.
  • Lyzandra Cardoso Calixto Tiradentes University Center Unit. AL, Brazil.
  • Marilia Mattar de Amoêdo Campos Velo University of São Paulo, Stricto Sensu Graduate Program in Applied Dentistry Sciences. SP, Brazil.
  • Dayse Andrade Romão Federal University of Alagoas. AL, Brazil.

Resumo

Abstract

Even with the technical-scientific advance in Dentistry, it is still seen as a profession that causes anxiety in children and adults. Therefore, in addition to the technical knowledge, the dental surgeon must have different strategies in the management and conduct of this situation once anxiety if aggravated can become pathological and interfere in the patient's oral health and  his or her  quality of life. Thus, the present study was conducted in order to realize the main aspects of dental anxiety, aiming to improve patient-dentist relationship, avoiding the onset of phobic disorders. This is an integrative review of the literature, using the Lilacs and SciELO databases with the descriptors anxiety, phobia and dentist verified individually and later they were crossed with AND operator with search period from 2000 to 2019, articles in Portuguese and in fulltext. The exclusion criteria were: thesis, books, final paper and dissertations. 20 articles were identified which showed that anxiety directly interferes with the effectiveness of treatment in different age groups. Priority should be given to communication between the dental surgeon and his or her patient, to recognize possible causes of discomfort. In addition, it is necessary to carry out more studies because there are differences in the literature concerning the interference of social and economic factors and schooling  levels  in the anxiety development.

 

Keywords: Anxiety. Dentist. Phobia. 

 

Resumo

Mesmo com o avanço técnico-científico na Odontologia, esta ainda é vista como uma profissão que provoca ansiedade em crianças e adultos. Dessa forma, além do conhecimento técnico, o cirurgião-dentista deve possuir estratégias diferenciadas no manejo e na conduta perante esta situação, uma vez que, se agravada, a ansiedade pode torna-se patológica e interferir na saúde bucal do paciente, afetando diretamente sua qualidade de vida. Assim, o presente estudo foi conduzido com intuito de perceber os principais aspectos da ansiedade odontológica, visando aperfeiçoar as relações paciente-dentista, evitando o desencadeamento de transtornos fóbicos. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, utilizando as bases de dados Lilacs e Scielo com os descritores: medo, fobia e dentista, verificados individualamente e posteriormente feito cruzamenento com AND, com período de busca de 2000 a 2019, artigos em portugues e na íntegra. Os critérios de exclusão foram: teses, livros, trabalhos de conclusão de cursos e dissertações. Foram identificados 20 artigos que  evidenciaram que a ansiedade interfere diretamente na efetividade do tratamento em diferentes faixas etárias, devendo-se priorizar a comunicação entre o cirurgião-dentista e seu paciente, para reconhecer possíveis causas de desconforto. Porém, é necessário realizar mais estudos devido as divergências na literatura referente a interferência de fatores sociais, econômicos e níveis de escolaridade, no desenvolvimento da ansiedade.

 

Palavras-chave: Ansiedade. Dentista. Fobia.

Biografia do Autor

Marilia Mattar de Amoêdo Campos Velo, University of São Paulo, Stricto Sensu Graduate Program in Applied Dentistry Sciences. SP, Brazil.
Pós-doutoranda no Departamento de Dentística Operatória, Endodontia e Materiais Odontológicos da Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo (USP).

Referências

Carvalho RWF, Falcão PGCB, Campos G, Bastos AS, Pereira JC, Pereira MAS, et al. Ansiedade frente ao tratamento odontológico: prevalência e fatores predictores em brasileiros. Ciênc Saúde Coletiva 2012;17(7):6-12. doi: 10.1590/S1413-81232012000700031.

Pereira VZ, Barreto RC, Pereira GAS, Cavalcanti HRBB. Avaliação dos níveis de ansiedade em pacientes submetidos ao tratamento odontológico. Rev Bras Ciênc Saúde 2013;17(1):55-64. doi: 10.4034/RBCS.2013.17.01.07

Duarte D, Hubner MMC. Ansiedade, bruxismo e aprendizagem: uma análise comparativa em alunos da 7ª série do ensino fundamental. Psicol Teoria Prática 1999;1(2):43-52.

Hettema JM, Prescott CA, Myers JM, Neale MC, Kendler KS. The structure of genetic and environmental risk factors for anxiety disorders in men and women. Arch Gen Psychiatr 2005;62(2):182-9. doi: 10.1001 / archpsyc.62.2.182.

Firestein SK. Patient anxiety and dental practice. J Am Dent Asso 1976;93(6):1180. doi: 10.14219/jada.archive.1976.0251.

Rayman S, Dincer E, Almas K. Managing dental fear and anxiety. N Y State Dent J 2013;79(6):25-9.

Queiroz MF, Verli FD, Marinho SA, Paiva PCP, Santos SMC, Soares JA. Dor, ansiedade e qualidade de vida relacionada à saúde bucal de pacientes atendidos no serviço de urgência odontológica. Ciênc Saúde Coletiva 2019;24(4):1277-1286. doi: 10.1590/1413-81232018244.33802016

Bottan ER, Oglio JD, Araujo SM. Ansiedade ao tratamento odontológico em estudantes do ensino fundamental. Pesq Bras Odontopediatr Clín Integr 2007;7(3):241-6. doi: 10.4034/1519.0501.2007.0073.0008.

Nathan J E. Behavioral management strategies for young pediatric dental patients with disabilities. J Dent Children 2001;68(2):89-101. doi: 10.1097/00001577-199700920-00015.

Moraes ABA, Pessotti I. Psicologia aplicada à odontologia. São Paulo: Sarvier; 1985.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Integrative literature review: a research method to incorporate evidence in health care and nursing. Texto Contexto Enferm 2008;17(4):758-64. doi: 10.1590/S0104-07072008000400018.

Ferreira HACM, Oliveira AMG. Ansiedade entre crianças e seus responsáveis perante o atendimento odontológico. Rev Odontol Univ Cid São Paulo 2017;29(1):6-17. doi: 10.26843/ro_unicid.v29i1.191.

Hass MGM, Oliveira LJC, Azevedo MS. Influência da vestimenta do cirurgião-dentista e do ambiente do consultório odontológico na ansiedade de crianças pré-escolares durante consulta odontológica: resultados de um estudo piloto. RFO 2016;21(2):201-207.

Moreira KMS, Imparato JCP, Teixeira KB, Reis JB, Navarro RS, Drugowick R M. Ansiedade do responsável em relação ao atendimento odontopediátrico. Rev Assoc Paul Cir Dent 2015;69(2):135-41.

Costa AMDD,Terra JO, Souza SMP, Terra FS, Freire GER. Ansiedade ao tratamento odontológico em escolares do ensino médio no município de Alfenas-MG. Braz J Periodontol 2014;24(2):13-8.

Soares FC, Lima DSM, Barreto KA, Colares V. A ansiedade odontológica em crianças e os fatores associados: revisão de literatura. Psicol Saúde Doenças 2015;16(3):373-85.

Meneses IHC, Mesquita BS; Pessoa TRRF, Farias IAP. Prevalence of dental anxiety and its relationship to socioeconomic factors among pregnant women from João Pessoa. Rev Cubana Estomatol 2014;51(2):145-55.

Lisboa AH, Kindl C, Pilatti GL. Nível de ansiedade em pacientes submetidos a procedimentos cirúrgicos odontológicos. Full Dent Sci 2012;3(12):400-7.

Macedo FAFF, Corrêa FP, Mattos FF, Vasconcelos M, Abreu MHNG, Lucas SD. Ansiedade odontológica em um serviço de saúde bucal de atenção Primária. Pesq Bras Odontopediatr Clín Integr 2011;11(1):3879-87.

Bottan ER, Pelegrini FM, Stein JC, Farias MMAG, Araújo SM. Relação entre consulta odontológica e ansiedade ao tratamento odontológico: estudo com um grupo de adolescentes. RSBO 2008;5(3):27-32.

Gaudereto OM, Costa AMDD, Terra FS, Costa RD, Costa MD. Controle da ansiedade em Odontologia: enfoques atuais. Rev Bras Odontol 2008;65(1):118-21. doi: 10.18363/rbo.v65n1.p.118.

Possobon RF, Carrascoza KC, Moraes ABA, Costa Junior AL. O tratamento odontológico como gerador de ansiedade. Psicol Estud 2007;12(3):609-16. doi: 10.1590/s1413-73722007000300018.

Tomita LM, Junior ALC, Moraes ABA. Ansiedade materna manifestada durante o tratamento odontológico de seus filhos. Psico-USF 2007;12(2):249-56. doi: 10.1590/s1413-82712007000200013.

Cardoso CL, Loureiro SR. Problemas comportamentais e stress em crianças com ansiedade frente ao tratamento odontológico. Estud Psicol 2005;22(1):5-12. doi: 10.1590/S0103-166X2005000100002.

Colares V, Caraciolo GM, Miranda AM, Araújo GVB, Guerra P. Medo e/ou ansiedade com fator inibitório para a visita ao dentista. Arq Odontol 2004;40(1):59-72.

Kanegane K, Penha SS, Borsatti MA, Rocha RG. Ansiedade ao tratamento odontológico em atendimento de urgência. Rev Saúde Pública 2003;37(6):786-92. doi: 10.1590/s0034-89102003000600015.

Tambellini MM, Gorayeb R. Escalas de medo odontológico em crianças e adolescentes: uma revisão de literatura. Paidéia 2003;13(26):157-61. doi:10.1590/S0103-863X2003000300004.

Maniglia-Ferreira C, Gurgel-Filho, Bönecker-Valverde G, Moura EH, Deus G, Coutinho-Filho T. Ansiedade odontológica: nível, prevalência e comportamento. RBPS 2004;17:51-5. doi: 10.5020/18061230.2004.p51.

Publicado
2019-12-20