Factors Involved in the Choice of Oral Hygiene Products by Students in the Health Area

  • Deison Alencar Lucietto Departamento de Saúde e Sociedade, Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal Fluminense http://orcid.org/0000-0001-7002-7952
  • Sidimar Meira Sagaz Mestrando em Administração, Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil.
  • Caroline Muneron Reque Atuação em consultório privado, Chapecó, SC, Brasil.
  • Ediane Casani Atuação em consultório privado, Cruz Alta, RS, Brasil.
  • Mayla Prass Mathias Distrito Sanitário Especial Indígena Interior Sul- SESAI/MS, São José, SC, Brasil.
  • Gabrielly Vargas Atuação em consultório privado, São Miguel das Missões, RS, Brasil.

Resumo

Abstract

This study aimed to describe factors related to the oral hygiene products consumption and preference by health care providers students. It was a cross-sectional study conducted through a self-administered questionnaire with 307 students of Dentistry, Biomedicine and Physical Education. It was found that 63.5% are used to looking at inserts, 49.8% preferred to shop for at the drugstore and 32.9% bought a toothbrush monthly. Regarding the factors involved in the purchase, the main ones were indicated by dental surgeon for toothbrush (43.6%), brand for dental floss (26.4%) and toothpaste (37.5%). Colgate® and Oral-B®, respectively, were the most preferred brands for toothbrush, dental floss and toothpaste. Regarding the consumption trend as a function of monthly family income, it was found that the most important factor for the dental brush purchase was the indication of the dental surgeon, whereas the brand was the main one involved in the purchase of dental floss and toothpaste. The results suggest that both the professional indication and the brand and price perception are important factors involved in the oral hygiene products consumption by the students evaluated.

 

Keywords: Personal Hygiene Products. Oral Hygiene. Marketing. Dentistry.

 

Resumo

Este estudo teve como objetivo descrever fatores relacionados ao consumo e à preferência de produtos de higiene bucal por universitários da área da saúde. Tratou-se de estudo transversal tipo survey realizado através de questionário autoaplicado com 307 estudantes de Odontologia, Biomedicina e Educação Física. Verificou-se que 63,5% costuma olhar encartes, 49,8% preferia realizar suas compras na farmácia e 32,9% comprava escova mensalmente. Quanto aos fatores envolvidos na compra, os principais foram a indicação do cirurgião-dentista para escova de dentes (43,6%) e marca para fio dental (26,4%) e para creme dental (37,5%). Colgate® e Oral-B®, respectivamente, foram as marcas mais preferidas para escova de dente, fio dental e creme dental. Em relação à tendência de consumo em função da renda familiar mensal, constatou-se que o fator decisivo mais importante para a compra da escova dental foi a indicação do

cirurgião-dentista, enquanto que a marca foi o principal envolvido na compra do fio dental e do creme dental. Os resultados sugerem que tanto a indicação profissional quanto a percepção da marca e preço são importantes fatores envolvidos no consumo de produtos de higiene bucal por parte dos estudantes pesquisados.

 

Palavras-chave: Produtos para Higiene Pessoal. Higiene bucal. Marketing. Odontologia

Biografia do Autor

Deison Alencar Lucietto, Departamento de Saúde e Sociedade, Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal Fluminense
Cirurgião-dentista (UFSM, 2002), Mestre em Saúde Pública, na subárea de Planejamento e Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde (ENSP/FIOCRUZ, 2005), Doutor em Ciências, na área de Saúde Pública (ENSP/FIOCRUZ, 2012).
Sidimar Meira Sagaz, Mestrando em Administração, Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Bacharel em Publicidade e Progaganda (UNOCHAPECÓ, 2014).

MBA em Marketing (IMED, 2017).

Caroline Muneron Reque, Atuação em consultório privado, Chapecó, SC, Brasil.
Cirurgiã-dentista (FASURGS, 2018)
Ediane Casani, Atuação em consultório privado, Cruz Alta, RS, Brasil.

Cirurgiã-dentista (FASURGS, 2016)

Especialização em Ortodontia (UNOCHAPECÓ, em andamento)

Mayla Prass Mathias, Distrito Sanitário Especial Indígena Interior Sul- SESAI/MS, São José, SC, Brasil.

Cirurgiã-dentista (FASURGS, 2016)

Especialização em Ortodontia (North Floripa, em andamento)

Gabrielly Vargas, Atuação em consultório privado, São Miguel das Missões, RS, Brasil.

Cirurgiã-dentista (FASURGS, 2018)

Especialização em Ortodontia (ELOSUL, em andamento).

Referências

Pedrazzi V, Souza S, Oliveira R, Cimões R, Gusmão E. Métodos mecânicos para o controle do biofilme dentário supragengival. Revista Periodontia. 2009;19(3):26–33.

Casais PMM, Moreira IS, Moreira LGP, Oliveira MLL, Ribeiro ÉDP, Rapp GE. Placa bacteriana dental como um biofilme. Rev Fac Odontol Univ Fed Bahia. 2013;43(1):61–6.

MS. Mantenha seu sorriso fazendo a higiene bucal corretamente. Brasília: Ministério da Saúde: Brasil Sorridente; 2009.

Jardim JJ, Alves LS, Maltz M. The history and global market of oral home-care products. Braz Oral Res. 2009;23(1):17–22. doi:10.1590/S1806-83242009000500004

EMBANEWS. Revista Especializada em Embalagem. v 294. setembro de 2014;62.

H&C R. Revista H&C. 2016;

KOTLER P. Marketing management: analysis, planning, implementation and control. New York: Prentice Hall; 1991.

Worlu R, Kehinde OJ, Borishade TT. Effective customer experience management in health-care sector of Nigeria: a conceptual model. IJPHM. 2017;10(4):449–66. doi:10.1108/IJPHM-12-2015-0059

WOOD L. Brands and brand equity: definition and management. Management Decision. 2000;38(9):662–9. doi:10.1108/00251740010379100

Blume M, Ledermann M. Gestão de produtos e marcas. Ijuí: Editora UNIJUÍ; 2009. 1–154 p.

Kay MJ. Healthcare marketing: what is salient? Intl J of Pharm & Health Mrkt. 11 de setembro de 2007;1(3):247–63. doi:10.1108/17506120710818256

Cobra M. Administração estratégica de mercado. São Paulo: Atlas; 1991. 156 p.

Kapferer JN. O que vai mudar as marcas. Porto Alegre: Bookman; 2004.

Santos APC dos, Carvalho KM de, Morato RB dos S. Percepção de marca: uma análise do varejo supermecadista tradicional de Aracajú após aquisições de empresas internacionais. Internext. 2009;4(1):130–50. doi:10.18568/1980-4865.41130-150

Mattar FN, Oliveira B, Queiroz MJ de, Motta SLS. Gestão de produtos, serviços, marcas e mercados: estratégias e ações para alcançar e manter-se “Top of Market”. São Paulo: Atlas; 2009. 442 p.

Ries A, Trout J. Posicionamento: a batalha por sua mente. São Paulo: Pearson Makron Books; 2002.

Urde M, Koch C. Market and brand-oriented schools of positioning. JPBM. 2014;23(7):478–90. doi:10.1108/JPBM-11-2013-0445

Basso K, Santos CPD, Kussler LS, Müller Neto HF. Preços mais baixos para novos clientes: consequências da percepção de injustiça de preço nos clientes atuais. RAUSP. 2011;46(4):407–422. doi:10.5700/rausp1020

Serralvo FA, Furrier MT. Reposicionamento de marcas: estudo de casos Brasileiros. RBGN. 2008;10(26):1–16.

Kapferer JN. As marcas, capital da empresa: criar e desenvolver marcas fortes. 3a. Porto Alegre: Bookman; 2003. 459 p.

Kotler P. Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. 5a. São Paulo: Atlas; 1998.

Rich MK. The direction of marketing relationships. JBIM. 2000;15(2):170–91. doi:10.1108/08858620010316877

Radons DL, Battistella LF, Grohmann MZ. Comportamento de compra pró-ambiental: percepção dos jovens consumidores. Desenvolvimento em Questão. 2016;14(36):378–408. doi:10.21527/2237-6453.2016.36.378-408

Solomon MR. O comportamento do consumidor: comprando, possuindo e sendo. 9a. Porto Alegre: Bookman; 2011. 680 p.

Churchill G, Peter JP. Marketing: criando valor para os clientes. 3a. São Paulo: Saraiva; 2013. 636 p.

Anderson EW, Mittal V. Strengthening the satisfaction-profit chain. JSR. 2000;3(2):107–120. doi:10.1177/109467050032001

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 4a. São Paulo: Editora Atlas; 2002. 175 p.

Zamberlan L, Rasia PC, Sousa JDS de, Grison AJ, Gragliardi A de O, Teixeira EB, et al. Pesquisa em ciências sociais aplicadas. Ijuí: Editora UNIJUÍ; 2014.

Mialhe FL, Silva RP, Hirata E, Santos LF. Disponibilidade e custo de produtos para higiene bucal comercializados em um município paranense. Rev Fac Odont Poa. 2008;29(2):18–21.

Limeira TMV. Comportamento do Consumidor Brasileiro. 2a. São Paulo: Saraiva; 2017. 464 p.

Matos IB, Toassi RFC, Oliveira MC de. Profissões e Ocupações de Saúde e o Processo de Feminização: Tendências e Implicações. Athenea Digital. 2013;13(2):239–44.

ABIHPEC, ABDI, SEBRAE. III Caderno de Tendências ABIHPEC 2014-2015. 2012. p. 193.

Barros O, Pernambuco R, Tomita N. Escovas Dentais. RevUNESP. 2001;4(1):32–7.

Opeodu OI, Gbadebo SO. Factors influencing choice of oral hygiene products by dental patients in a Nigerian teaching hospital. Ann Ib Postgrad Med. 2017;15(1):51–6.

Balasubramaniam A, Diwakar MKP, Brinda B. Factors influencing selection of manual toothbrush among an urban population in Chennai City, India: a cross-sectional study. Jour Ind Assoc Pub Health Dentistry. 2017;15(4):388.

Smaoui F, Abdellah Kilani F, Touzani M. Country-of-origin versus brand: consumers’ dilemma when choosing between generic and branded drugs in emerging countries. JPBM. 2016;25(2):148–59. doi:10.1108/JPBM-04-2014-0553

Filho EP da S. Comportamento de consumo e características do uso de produtos de higiene bucal: estudo exploratório com alunos de graduação de Maceió. Rev PMKT. 2015;16(1):86–102.

Kote S, Dadu M, A R S, Ds A, Arora D. Knowledge, Attitude and Behaviour for Choosing Oral Hygiene Aids among Students of Management Institutes, Ghaziabad, India. West Indian Med J. 2013;62(8):758–63.

Martins CC, Oliveira MJ, Pordeus IA, Cury JA, Paiva SM. Association between socioeconomic factors and the choice of dentifrice and fluoride intake by children. Int J Environ Res Public Health. 2011;8(11):4284–99. doi: 10.3390 / ijerph8114284

Scabar LF, Manfedini MA, Armonia PL, Narvai PC, Frazão P. Frequência de uso de creme dental segundo renda e escolaridade: uma revisão sistemática. J Health Sci Inst. 2014;32(3):318–25.

Publicado
2020-06-30
Seção
Artigos