Clinical and Epidemiological Profile of Visceral Leishmaniasis Patients Treated at a Reference Unit in Campo Grande, State of Mato do Grosso do Sul, Brazil

  • Edmundo Rondon Neto Santa Casa de Campo Grande - MS
  • Janaína Paes de Souza Universidade Anhanguera-Uniderp
  • Suéllem Luzia Costa Borges Universidade Anhanguera-Uniderp
  • Luciana Paes de Andrade Universidade Anhanguera-Uniderp

Resumo

Abstract

Visceral leishmaniasis is the most severe form of leishmaniasis. In Brazil, the importance of visceral leishmaniasis lies not only in its high incidence and wide distribution, but also in the possibility of assuming severe and lethal forms when associated with malnutrition and concomitant infections. There are still few studies carried out in the search to better deal with these cases, in order to avoid aggravations and deaths due to the disease. The objective of this study was to describe the clinical and epidemiological characteristics of patients undergoing treatment in the period between January 2010 and December 2013 for visceral leishmaniasis at a reference unit in the city of Campo Grande, MS. It consists of a retrospective and documentary study of biological, demographic, clinical and laboratory data. This is a descriptive and cross-sectional study with a quantitative approach. The study was conducted at the Day Hospital (Municipal Health Department) in Campo Grande, MS. All records of any age group and sex were analyzed, provided they were completed, referring to the period from January 2010 to December 2013. The variables age, gender, residence status, area, clinical manifestations, diagnosis, type treatment, hematological data, comorbidities and evolution of the condition were analyzed. The results obtained are expected to verify the clinical-epidemiological characteristics of the visceral leishmaniasis patients, contributing to an earlier and prognostic diagnosis with a greater chance of cure and improvement in the quality of life of these patients.

Keywords: Epidemiology. Leishmaniasis, Visceral. Endemic Diseases. 

 

Resumo

A leishmaniose visceral é a forma mais grave das leishmanioses. No Brasil, a importância da leishmaniose visceral reside não somente na sua alta incidência e ampla distribuição, mas também na possibilidade de assumir formas graves e letais quando associada ao quadro de má nutrição e infecções concomitantes. Ainda são poucos os estudos realizados na busca para melhor atender esses casos, a fim de evitar agravos e mortes pela doença. Foi objetivo deste estudo descrever as características clínico-epidemiológicas dos pacientes em tratamento no período entre janeiro de 2010 a dezembro de 2013, para leishmaniose visceral em uma unidade de referência na cidade de Campo Grande, MS. Consiste em um estudo retrospectivo e documental dos dados biológicos, demográficos, clínicos e laboratoriais. Trata-se de um estudo descritivo e transversal de abordagem quantitativa.  O estudo foi realizado no Hospital Dia (Secretaria Municipal de Saúde) em Campo Grande, MS. Foram analisados todos os prontuários de indivíduos de qualquer faixa etária e sexo, desde que se encontrassem devidamente preenchidos, referentes ao período de janeiro de 2010 a dezembro de 2013. Foram analisadas as variáveis idade, gênero, estado de residência, zona, manifestações clínicas, diagnóstico, tipo de entrada, tratamento, dados hematológicos, comorbidades e evolução do quadro. Por meio dos resultados obtidos espera-se verificar as características clínico- epidemiológicas dos portadores de leishmaniose visceral contribuindo para um diagnóstico mais precoce e prognostico com maiores chances de cura e melhora na qualidade de vida desses pacientes.

Palavras-chave: Epidemiologia. Leishmaniose Visceral. Doenças Endêmicas. 

Referências

FURLAN, MBG. Epidemia de leishmaniose no município de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil. Dissertação (Mestrado). Universidade federal da Bahia/Pós-Graduação em Saúde Coletiva, 2009.

GÓES MAO; JERALDO, VLS; OLIVEIRA, AS. Urbanização da leishmaniose visceral: aspectos clínicos e epidemiológicos em Aracaju, Sergipe, Brasil . Rev Bras Med Fam Comunidade. Rio de Janeiro, 2014 Abr-Jun; 9(31):119-126.

ALVAR, J; APARICIO, P; ASEFFA, A; BOER, MD; CANAVETE, C; DEDET; JP. The relationship between leishmaniasis and AIDS: the second 10 years. Clin Microbiol Rev. 2008;21(2):334-359. http://dx.doi.org/10.1128/CMR.00061-07

BOTELHO, ACA; NATAL, D. Primeira descrição epidemiológica da leishmaniose visceral em Campo Grande, Estado de Mato Grosso do Sul. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. vol.42 no.5, 2009.

FERNANDES, RG; COSTA, GO; COUTO, APCCR; STUCKL, GFG; CARDOSO, AIQ. Cuidados de Enfermagem ao Portador de Leishmaniose Visceral. 13° Congresso Brasileiro dos Conselhos de Enfermagem, 2009. Disponível em> http://189.75.118.67/CBCENF/sistemainscricoes/anais.php?evt=8&sec=44&niv=1.3&mod=2&con=3488&pdf=1>Acesso: 13/03/2019.

MARTY, P. Épidémiologie et diagnostic dês leishmanioses viscérales. Med Mal Infect. 35(2):S72-3, 2005.

WHO - World Health Organization. Leishmaniasis burden. 2008. Disponível em >http://www.who.int/leishmaniasis/burden/en> Acesso em:13/03/2019.

PALASSON, RR. Leishmaniose visceral e gestação: análise de casos e transmissão vertical no município de campo grande, ms, brasil. Dissertação (MESTRADO). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/ Pós-Graduação em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste, 2009.

GONTIJO, CMF; MELO, MN. Leishmaniose Visceral no Brasil: quadro atual, desafios e perspectivas. Rev. Bras. Epidemiol. Vol. 7, Nº 3, 2004.

OPAS/OMS. Leishmanioses. Informe Epidemiológico das Américas, 2018. Disponível em: . Acesso em: 13/03/2019.

BRASIL. Informe epidemiológico das leishmanioses nº 2/2018. Secretaria de estado de saúde. Coordenadoria Estadual De Vigilância Epidemiológica-Gerência Estadual De Zoonoses- Governo Do Estado De Mato Grosso Do Sul, 2018.

PASTORINO, AC.; JACOB, CMA; OSELKA, GW.; SAMPAIO, MMSC. Visceral leishmaniasis: clinical and laboratorial aspects. Jornal Pediatr (Rio J), v. 78, n. 2, p. 120-7, Mar-Apr. 2002.

ALMEIDA, ABPF; MENDONÇA, A J; SOUSA, VRF. Prevalência e epidemiologia da leishmaniose visceral em cães e humanos, na cidade de Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. Ciência Rural, Santa Maria, v.40, n.7, p.1610-1615, jul, 2010.

ALVARENGA, DG; ESCALDA, PMF; COSTA, ASV; MONREAL, MTF D. Leishmaniose visceral: estudo retrospectivo de fatores associados à letalidade. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. vol.43, n.2, pp. 194-197, 2010

BRASIL. Leishmaniose visceral: recomendações clínicas para redução da letalidade / Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

WERNECK, GL; BATISTA, MS; GOMES, JR; COSTA, DL; COSTA, CH. Prognostic factors for death from visceral leishmaniasis in Teresina, Brazil. Infection, v. 31, n. 3, p. 174-177, June 2003.

OLIVEIRA, JM; FERNADES, AC; DORVAL, MEC; ALVES, TP; FERNANDES, TD; OSHIRO, ET; OLIVEIRA, ALL. Mortalidade por leishmaniose visceral: aspectos clínicos e laboratoriais. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 43(2):188-193, 2010.

OLIVEIRA, ALL; PANIAGO, AMM; DORVAL, MEC; OSHIRO, ET; LEAL, CR; SANCHES, M; CUNHA, RV; BÓIA, MN. Foco emergente de leishmaniose visceral em Mato Grosso do Sul. Rev. Soc. Bras. Med. Trop, v. 39, n.5, p.446-450, set out , 2006.

COSTA, CHN; WERNECK, GL; COSTA, DL; HOLANDA, TA; AGUIAR, GB; CARVALHO, AS; CAVALCANTI, JC; SANTOS, LS. Is severe visceral leishmaniasis a systemic inflammatory response syndrome? – A case control study. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. vol.43 no.4 Uberaba July/Aug. 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822010000400010

BRASIL. Manual de vigilância e controle da Leishmaniose visceral. Ministério da Saúde/Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. 1.ed. Brasília –DF, 122p., 2014.

REY, LC, MARTINS, CV, RIBEIRO, HB, LIMA, AA. Leishmaniose visceral americana (calazar) em crianças hospitalizadas de área endêmica. J Pediatr (Rio J). 2005;81;73-8.

SOUZA, RG; SANTOS, JF; RODRIGUES, HG; AVERSI-FERREIRA, TA. Casos de leishmaniose visceral registrados no município de Montes Claros, Estado de Minas Gerais. Acta Sci Health Sci 2008; 30:155-159.

QUEIROZ, MJA; ALVES, JGB; CORREIA, JB. Leishmaniose visceral: características clínico-epidemiológicas em crianças de área endêmica. J. de Ped. (Rio J), v. 80, n.2, p.141-6,2004.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de Recomendações para Diagnóstico, Tratamento e Acompanhamento da Co-infecção Leismaniose-HIV. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2004.

SILVA EA; ANDREOTTI, R; HONER, MR. Comportamento de Lutzomyia longipalpis, vetor principal da leishmaniose visceral americana, em Campo Grande, Estado do Mato Grosso do Sul. Rev Soc Bras Med Trop 2007; 40:420-425.

CHAISSON, RE; GALLANT, JE; KERULY, JC; MOORE, RD. Impact of opportunistic disease on survival in patients with HIV infection. AIDS 1998; 12: 29-33.

BRASIL. Ministério da Saúde - Secretaria de Vigilância em Saúde. Leishmaniose visceral grave: normas e condutas. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2006.

Publicado
2020-05-28
Seção
Artigos