Legacies of the 2016 Olympic Games: Perception of Public Policies Researchers on Sport and Leisure

  • Nathalia Sara Patreze Universidade Metodista de Piracicaba, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano. SP, Brasil.
  • Cinthia Lopes da Silva Universidade Metodista de Piracicaba, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano. SP, Brasil. http://orcid.org/0000-0002-7979-0337
  • Tomeka Michelle Robinson Hofstra University

Resumo

Sports megaevents generate both positive and negative impacts to the host nation, and it is fundamental that the country have elements and research to have a base for the public policies construction of sports and leisure, aimed at broadening the positive impacts and reducing the negative ones which stem from such events. The objectives of this research were: to identify and analyze the meanings and positive and negative social impacts of Olympic Games Rio 2016 for public policies researchers of sports and leisure. Bibliographic and field research were used as methodological procedures and this is a qualitative study. The field research was carried out with 10 Brazilian public policies researchers of sports and leisure. The main positive social impact was the sport itself. The main negative impact mentioned was related to the absence of legacy for the sport. The interviewees also mentioned as positive and negative impact the infrastructure created in function of the sports megaevents. For researchers, the creation and / or improvement of the city structure and the host country can improve people's lives: access to means of transport and the right to sports and leisure. However, factors such as high costs and works over-billing, the removal of people, corruption and lack of actions that allow access to the spaces and equipment built are pointed out as negative by the researchers regarding the infrastructure.

 

Keywords: Sports. Public Policy. Leisure Activities. Culture.

 

Resumo

Os megaeventos esportivos geram impactos positivos e negativos para o país anfitrião, sendo fundamental que o país sede tenha elementos e pesquisas para ter uma base para a construção de políticas públicas de esporte e lazer, visando ampliar os impactos positivos e reduzir os impactos negativos que decorrem de tais eventos. Os objetivos desta pesquisa foram identificar e analisar os impactos sociais positivos e negativos dos Jogos Olímpicos 2016 para pesquisadores de políticas públicas de esporte e lazer. Pesquisa bibliográfica e de campo foram utilizadas como procedimentos metodológicos e trata-se de um estudo qualitativo. A pesquisa de campo foi realizada com 10 pesquisadores brasileiros de políticas públicas de esporte e lazer. O principal impacto social positivo foi o próprio esporte. O principal impacto negativo mencionado foi relacionado à ausência de legado para o esporte. Os entrevistados também mencionaram como impacto positivo e negativo a infraestrutura criada em função dos megaeventos esportivos. Para os pesquisadores, a criação e / ou melhoria da estrutura da cidade e do país hospedeiro pode melhorar a vida das pessoas: acesso a meios de transporte e direito ao esporte e lazer. No entanto, fatores como altos custos e excesso de faturamento das obras, afastamento de pessoas, corrupção e falta de ações que permitam o acesso aos espaços

e equipamentos construídos são apontados como negativos pelos pesquisadores em relação à infraestrutura.

Palavras-chave: Esportes. Política Pública. Atividades de Lazer. Cultura.

Referências

GETZ D. Event management and event tourism. New York: Cognisant Communication Corporation; 1997.

SWART K. A curriculum design for sport tourism studies in South Africa. [Doctoral thesis]. Normal: Illinois State University; 2001.

KASIMATI E. Economic aspects and the summer Olympics: a review of related research. Int. Journal of Tourism Res. 2003; 5: 433-444.

BOB U, SWART K. Social events and social legacies. Alternation, 17. 2010; 2: 72-95.

JUNOD T. Sports events as tools of public policies: Is it the right event for the right region? In: Torres, D, organizer. Major sports events as opportunity for development. Valencia: Valencia Summit Proceedings; 2006. p. 83-89.

DA COSTA L P, MIRAGAYA A. Estado da arte do conhecimento sobre legados de megaeventos esportivos no exterior e no Brasil. In: RODRIGUES R P et al. Legados de Megaeventos Esportivos. Eds: Da Costa L P, CORRÊA D, RIZZUTI E, VILLANO B e MIRAGAYA A. Brasília, DF: Ministério do Esporte; 2008. p. 33-46.

PREUSS H, GUTENBERG J, VILLANO B, MIRAGAYA A. Economia, Gestão E Definições Básicas. In: Legados de Megaeventos Esportivos. Eds: Da Costa L P, CORRÊA D, RIZZUTI E, VILLANO B e MIRAGAYA A. Brasília, DF: Ministério do Esporte; 2008. p.79-120.

MELO E O S de, GAFFNEY C. Megaeventos esportivos no Brasil: uma perspectiva sobre futuras transformações e conflitos urbanos. Available in: https://fase.org.br/wp-content/uploads/2014/08/Artigo-Megaeventos.doc. [2016 oct 07].

GRATTON C, SHIBLI S, COLEMAN R. The economic impact of major sports events: a review of ten events in the UK. In: HORNE J, MANZREITER W, organizer. Sports mega-events: social scientific analyses of a global phenomenon. Oxford: Blackwell Publishing; 2006. p. 41-58.

MALFAS M, THEODROAKI E, HOULIHAN B. Impacts of the Olympic Games as mega-events. Proceedings of the Institution of Civil Engineers: Municipal Engineer; 2004; 157, 3. p. 209-220.

MARCELLINO N C. Legados de Megaeventos Esportivos. Campinas, SP: Papirus; 2013.

MINAYO M C S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes; 1994.

SEVERINO A J. Metodologia do trabalho científico. 24. ed. São Paulo, SP: Cortez; 2016.

DUARTE R. Pesquisa qualitativa: reflexões sobre o trabalho de campo. Cadernos de pesquisa. 2002; 115: 139-154.

TRIVIÑOS A N S. Introdução a pesquisa qualitativa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo, SP: Atlas; 1987.

LINCOLN Y S, GUBA E G. Naturalistic inquiry. Beverly Hills, California: Sage Publications; 1985.

PORTO E T R, AZZINI E de P. Jogos Paraolímpicos de 2016: um mundo de possibilidades. In: MARCELLINO N C, organizer. Legados de Megaeventos Esportivos. Campinas, SP: Papirus. 2013; p. 241-256.

PREUSS H. Aspectos sociais dos Megaeventos Esportivos. In: RUBIO K, organizer. Megaeventos esportivos, legado e responsabilidade social. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo. 2007; p. 13-35.

TAMBUCCI P L. Jogos Olímpicos: uma marca de apelo turístico. In: RUBIO K, organizer. Megaeventos esportivos, legado e responsabilidade social. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo. 2007; p. 171-189.

BRASIL. Rio recebeu 1,2 milhão de visitantes durante Jogos Olímpicos. Available in: http://www.brasil.gov.br/turismo/2016/08/rio-recebeu-1-2-milhao-de-visitantes-durante-jogos-olimpicos [2016 oct 07].

BRASIL. Copa trouxe 886 mil turistas e movimentou R$ 4,4 bilhões. Available in: http://www.brasil.gov.br/turismo/2014/07/copa-trouxe-886-mil-turistas-e-movimentou-r-4-4-bilhoes. [2015 nov 04].

MIAGUSKO E. Antes da Copa, depois do Pan: o Rio de Janeiro na era dos megaeventos esportivos. Civitas. 2012; 12, 2: 395-408.

SILVA M R da, PIRES G De L. Do Pan RIO/2007 à Copa 2014 no Brasil, Que Brasil? E para qual Brasil?. Motrivivência. 2006; 27: 09-17.

Publicado
2020-06-30
Seção
Artigos