Intrafamily Violence and Public Health: professional responsibility to the faces of the representation of dentists

  • Clea Adas Saliba Garbin Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Odontologia, Araçatuba
  • Julia Arruda Batista Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Odontologia, Araçatuba
  • Bruno Wakayama Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Odontologia, Araçatuba
  • Artênio José Saliba Garbin Centro Universitário Católico Salesiano (UniSalesiano).
  • Artênio José Isper Garbin Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Odontologia, Araçatuba
  • Tânia Adas Saliba Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Odontologia, Araçatuba

Resumo

Abstract

Intrafamily violence is a social problem that has a great impact on public health because it is a contributing factor in the morbidity and mortality of the population. The objective of this study was to investigate the behavior of dentists in the detection/notification process and the professionals' fears of the violence. This is a cross-sectional and quantitative epidemiological study. A total of 65 dental surgeons from the basic care of 4 small and medium-sized municipalities in the state of São Paulo participated in the study, most of them female (61.6%). For the data collection, a semi-structured survey was used, exclusively for the study, and then, through descriptive statistics, the absolute and percentage frequencies were explained in tables and graph. As a result, 41% of the professionals did not have knowledge about the notification process, of which 60% mentioned that they had never suspected/diagnosed violence. Most dentists (72%) have never used the notification form, which can be explained by the fact that 61.6% do not feel responsible for the detection/notification process of violent acts. In addition, the main fear involved in the detection/notification, the "fear of the aggressor", was cited by 50.77%. It is concluded that a large proportion of dentists do not know the detection/notification process because they do not take responsibility for the intervention of this disease. Concerning the main conducts and fear, it was noted that professionals were not prepared from the perspective of the issue given the difficulty of identification/diagnosis of the cases, just as the "fear of the aggressor" influences the non-formalization of violent acts

 Keywords: Violence. Public Health. Liability, Legal.

Resumo

A violência intrafamiliar é um problema social de grande impacto para a saúde pública por se tratar de um fator coadjuvante na morbimortalidade da população. O objetivo do estudo foi investigar as condutas dos cirurgiões-dentistas no que tange ao processo detecção/notificação e receios dos profissionais às faces dos casos de violência. Trata-se de um estudo epidemiológico, transversal e quantitativo. Participaram do estudo 65 cirurgiões-dentistas da atenção básica de 4 municípios de pequeno e médio porte do estado de São Paulo, sendo a maioria do sexo feminino (61,6%). Para a coleta de dados, utilizou-se um inquérito semiestruturado, elaborado exclusivamente para o estudo, e em seguida, por meio da estatística descritiva, as frequências absolutas e percentuais foram explanadas em tabelas e gráfico. Como resultado, 41% dos profissionais não dispunham de conhecimento acerca do processo notificatório, e dentre esses, 60% mencionaram que nunca suspeitaram/diagnosticaram casos de violência. Grande parte dos cirurgiões-dentistas (72%) nunca fez uso da ficha de notificação, o que pode ser explicado pelo fato de que 61,6% não se sentirem responsáveis pelo processo detecção/notificação de atos violentos. Ademais, o principal receio interveniente na detecção/notificação, o “medo do agressor”, foi citado por 50,77%. Conclui-se que uma grande parcela dos cirurgiões-dentistas não conhece o processo detecção/notificação pelo fato de não se responsabilizarem na intervenção desse agravo. Em relação as principais condutas e receio, notou-se um despreparo dos profissionais sob a perspectiva da temática dada a dificuldade de identificação/diagnóstico dos casos, assim como o “medo do agressor” influi na não formalização dos atos violentos.

Palavras-chave: Violência. Saúde Pública. Responsabilidade Profissional.

Biografia do Autor

Clea Adas Saliba Garbin, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Odontologia, Araçatuba
Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Odontologia, Araçatuba, Professora Titular do Departamento de Odontologia Infantil e Social.
Artênio José Isper Garbin, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Odontologia, Araçatuba
Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Odontologia, Araçatuba, Professor Adjunto do Programa de Pós Graduação em Odontologia Infantil e Social.
Tânia Adas Saliba, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Odontologia, Araçatuba
Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Odontologia, Araçatuba, Professor Adjunto do Programa de Pós Graduação em Odontologia Infantil e Social.

Referências

Dam BA, Sanden WJ, Bruers JJ. Recognizing and reporting domesticviolence: attitudes, experiences and behavior of Dutch dentists. BMC Oral Health 2015 15(159). DOI: http://dx.doi.org/10.1186/s12903-015-0141-4.

Carlos DM, Pádua EMM, Ferriani MGC. Violence against children and adolescents: the perspective of Primary Health Care. Rev Bras Enferm 2017;70(3):511-8.DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0471

Tantawi M, Gaffar B, Arheiam A, AbdelAziz W, Al-Batayneh OB, Alhoti MF,Al-Maweri S, Dama MA, Zaghez M, Hassan KS, Al-Sane M, AbdelSalam M, Sabbah W,Owais AI, Abdelgawad F, Aldhelai TA, El Meligy OAES, AlHumaid J, Al-Harbi F. Dentists' intention to report suspected violence: a cross-sectional study in eight Arab countries. BMJ Open 2018;30;8(3):e019786. DOI:1136/bmjopen-2017-019786

Machado JC, Rodrigues VP, Vilela ABA, Simões AV, Morais RLG, Rocha EL. Violência intrafamiliar e as estratégias de atuação da equipe de Saúde da Família. Saude soc 2014; 23(3): 828-840. DOI:https://doi.org/10.1590/S0104-12902014000300008

Ministério da Saúde. Notificação de maus-tratos contra crianças e adolescentes pelos profissionais de saúde: um passo a mais na cidadania em saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Garbin CA, Rovida TA, Costa AA, Garbin AJ. [Perceptions and attitudes of public health service dentists in the face of family violence in 24 municipalities in the state of São Paulo, Brazil, 2013-2014. Epidemiol Serv Saude. 2016;25(1):179-186. DOI: 10.5123/S1679-49742016000100019.

AlAlyani WS, Alshouibi EN. Dentists awareness and action towards domestic violence patients. A cross-sectional study among dentists in Western Saudi Arabia. Saudi Med J 2017;38(1):82-88. DOI: 10.15537/smj.2017.1.16085.

Garbin CAS, Garbin AJI, Moimaz SAS, Saliba O, Costa ACO, de Guimarães APD. Notificação de violência contra criança: conhecimento e compor-tamento dos profissionais de saúde. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research. 2011;13(2):17-23.

COTA, Ana Lídia Soares. Dentist’s Behavior Regarding Children and Adolescents Maltreatment. Journal of Health Sciences 2019; 21(1). DOI: http://dx.doi.org/10.17921/2447-8938.2019v21n1p%25p

Bernardino IM, Barbosa KGN, Nóbrega LM, Cavalcante GMS, Ferreira EF, d’Ávila S. Interpersonal violence, circumstances of aggressions and patterns of maxillofacial injuries in the metropolitan area of Campina Grande, State of Paraíba, Brazil (2008-2011). Ciênc. saúde coletiva 2017; 22(9):3033-3044.DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017229.09852016

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Instrutivo para preenchimento da ficha de notificação de violência interpessoal/autoprovocada. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

Cezar, P. K., Arpini, D. M., & Goetz, E. R. (2017). Registros de notificação compulsória de violência envolvendo crianças e adolescentes. Psicologia: Ciência e Profissão 2017; 37(2): 432-445.DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1982-3703001942015

Garbin, CAS, Dias IA, Saliba TA, Garbin AIJ. Desafıos do profıssional de saúde na notifıcação da violência: obrigatoriedade, efetivação e encaminhamento. Ciência & Saúde Coletiva 2015;20(6):1879-1890.DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015206.13442014

Patel N, Bailey E, Mahdmina A, Lomax A, Coulthard P. Domestic violence education for UK and Ireland undergraduate dental students: a five-year perspective. J Dent Educ 2014 ;78(8):1162-6.

Garbin CAS, Teruel GP, Saliba, TA, Arcieri RM, Garbin AJI. Percepção e conduta dos acadêmicos de Odontologia frente à violência intrafamiliar. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION 2017;6(6): 1-4. DOI: http://dx.doi.org/10.21270/archi.v6i6.2079

Drigeard C, Nicolas E, Hansjacob A, Roger-Leroi V. Educational needs in the field of detection of domestic violence and neglect: the opinion of a population of French dentists. Eur J Dent Educ 2012;16(3):156-65. DOI:10.1111/j.1600-0579.2012.00739.

Fernandes TB, Rocha MP, da Silva Losso AR, Sonego FGF. Notificação de violência: conhecimento de cirurgiões-dentistas que atuam na Região Carbonífera, SC. Revista da ABENO 2018; 18(2):124-134. DOI: https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v18i2.482

Zorjan S, Smrke U, Šprah L. The Role of Attitudes to, and the Frequency of Domestic Violence Encounters in the Healthcare Professionals' Handling ofDomestic Violence Cases. Slovenian Journal of Public Heatlh 2017; 26;56(3):166-171. DOI:10.1515/sjph-2017-0022.

Mythri H, Kashinath KR, Raju AS, Suresh KV, Bharateesh JV. Enhancing theDental Professional's Responsiveness Towards Domestic Violence; A Cross-SectionalStudy. Journal of Clinical & Diagnostic Research 2015;9(6):ZC51-3. DOI: 10.7860/JCDR/2015/12258.6117.

Azevedo MS, Goettems ML, Brito A, Possebon AP, Domingues J, Demarco FF. Child maltreatment: a survey of dentists in southern Brazil. Braz. oral res 2012; 26( 1 ): 5-11.DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-83242012000100002

Silvino MCS, da Silva, LFF, Duartes SCF, Belentani L, de Oliveira ML F.Mulheres e violência: características e atendimentos recebidos em unidades de urgência. Journal of Health Sciences 2017; 18(4), 240-4. DOI: http://dx.doi.org/10.17921/2447-8938.2016v18n4p240-4

Kind L, Orsini MLP, Nepomuceno V, Gonçalves L, Souza GA, Ferreira MFF. Subnotificação e (in)visibilidade da violência contra mulheres na atenção primária à saúde. Cad Saude Publica 2013;29(9):1805-1815.DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00096312

Mascarenhas MDM, Andrade SSCA, Neves ACM, Pedrosa AAG, Silva MMA, Malta DC. Violência contra pessoa idosa: análise das notificações realizadas no setor de saúde. Cien Saude Colet 2012; 17(9):2331-2341.

Minayo MCS. Violência e Educação: impactos e tendências. Revista Pedagógica, Chapecó 2013;15(31):249-264. DOI:http://dx.doi.org/10.22196/rp.v15i31.2338.

Publicado
2020-05-28
Seção
Artigos