Correlation Between Status and Functional Mobility in Intensive Care Unit

  • José Vinicius de Souza Vaceli Hospital de Base de São José do Rio Preto.
  • Sarah Maria Ramos Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto
  • Juliana Rodrigues Correia Mello Hospital de Base de São José do Rio Preto
  • Odete Mauad Cavenaghi Hospital de Base de São José do Rio Preto
  • Murilo José Fernandes Hospital de Base de Rio Preto
  • Lucas Lima Ferreira Fundação Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FUNFARME) / Fisioterapeuta intensivista e supervisor dos programas de aprimoramento e aperfeiçoamento profissional em fisioterapia União das Faculdades dos Grandes Lagos (UNILAGO) / Docente do departamento de fisioterapia.

Resumo

Abstract

Generalized muscle weakness when related to the critical patient is an important and common complication in patients admitted to the intensive care unit (ICU). It is known that inactivity can lead to secondary dysfunctions and the main system is the osteomyelitis that may undergo muscle strength decrease by up to 30% in 7 days, and 20% in each additional week. The objective of the study was to correlate the functional status at admission with functional mobility at ICU discharge. It is an exploratory, longitudinal study developed in a school hospital. Patients underwent evaluation through functional independence measure (FIM) at admission. Afterwards, an early evolutionary mobilization protocol was applied, divided into three phases. At the time of discharge, the patients were reassessed by the functional mobility scale in the ICU (FMS). There was a significant (p=0.0001) correlation (r=0.5) between the admission FIM and the FMS at the time of ICU discharge from the critical patients included. There was a significant correlation (p<0.0001) positive (r=0.5) in the female patients and positive and weak (r=0.4) in the male patients. There was a correlation between the functional status at admission and the level of mobility at discharge in patients admitted to the ICU, i.e. , the higher the functionality before admission, the greater the functional mobility at discharge.

 

Keywords: Mobility Limitation. Intensive Care Units. Physical Therapy Specialty

 

Resumo

A fraqueza muscular generalizada quando relacionada ao doente crítico é uma complicação importante e comum em pacientes internados em unidade de terapia intensiva (UTI). Sabe-se que a inatividade pode acarretar disfunções secundarias e o principal sistema acometido é o osteomioarticular que pode sofrer diminuição da força muscular em até 30% em 7 dias, e 20% a cada semana adicional. O objetivo do estudo foi correlacionar o status funcional na admissão com a mobilidade funcional na alta de pacientes na UTI. Trata-se de um estudo do tipo exploratório, longitudinal, desenvolvido em um hospital-escola. Os pacientes foram submetidos a avaliação por meio da medida de independência funcional (MIF) na admissão. Após, foi aplicado um protocolo de mobilização precoce evolutivo dividido em três fases. No momento da alta, os pacientes foram submetidos a uma nova avaliação pela escala de mobilidade funcional em UTI (EMF). Verificou-se correlação significativa (p<0,0001) positiva (r=0,5) entre a MIF de admissão e a EMF no momento da alta da UTI dos pacientes críticos incluídos. Houve correlação significativa (p<0,0001) positiva (r=0,5) nas pacientes do sexo feminino e positiva e fraca (r=0,4) nos pacientes do sexo masculino. Houve correlação entre o statusfuncional na admissão com o nível de mobilidade na alta de pacientes internados em UTI, isto é quanto maior a funcionalidade antes da internação, maior a mobilidade funcional na alta.

Palavras-chave: Limitação de Mobilidade. Unidades de Terapia Intensiva. Fisioterapia

Biografia do Autor

Juliana Rodrigues Correia Mello, Hospital de Base de São José do Rio Preto

Especialização em Fisioterapia Cardiorrespiratória pela Faculdade de Medicina de Rio Preto (FAMERP).

Chefe do Serviço de Fisioterapia do Hospital de Base de São José do Rio Preto. 

Odete Mauad Cavenaghi, Hospital de Base de São José do Rio Preto

Mestrado em Ciências da Saúde pela Faculdade de Medicina de Rio Preto (FAMERP).

Supervisora do Programa de Aprimoramento/Aperfeiçoamento em Fisioterapia Respiratória em Terapia Intensiva Adulto no Hospital de Base de São José do Rio Preto.

Lucas Lima Ferreira, Fundação Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FUNFARME) / Fisioterapeuta intensivista e supervisor dos programas de aprimoramento e aperfeiçoamento profissional em fisioterapia União das Faculdades dos Grandes Lagos (UNILAGO) / Docente do departamento de fisioterapia.

Mestrado em Fisioterapia, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP); 

Especialização em Fisioterapia em Terapia Intensiva Adulto, Universidade Cândido Mendes (UCAM);

Aprimoramento em Fisioterapia Hospitalar, Faculdade de Medicina de Rio Preto (FAMERP).

Referências

Silva PPA, Maynard K, Cruz R. Efeitos da fisioterapia motora em pacientes críticos: revisão de literatura. Rev Bras Ter Intensiva. 2010;33(1);95-91. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-507X2010000100014

Silva TI, Oliveira AA. Efeitos da mobilização precoce em pacientes críticos internados na UTI. Rev Eletrônica de Fainor.2015;8(2):41-50.

De Sousa AMB, da Luz Filho CA, Coutinho EN, Filho FTP, Vieira GPR, Silva ITC, et al. A importância das técnicas fisioterapêuticas empregadas na mobilização precoce em pacientes mecanicamente ventilados: uma revisão integrativa. Electronic J Collect Health. 2017;8:591-96.

Conceição TMA, Gonzáles AI, Figueiredo FCXS, Vieira DSR, Bündchen DC. Safety criteria to start early mobilization in intensive care units. Systematic review. Rev Bras Ter Intensiva. 2017; 29(4):509-19. doi: http://dx.doi.org/10.5935/0103-507x.20170076

Azevedo P, Gomes B. Effects of early mobilisation in the functional rehabilitation of critically ill patients: a systematic review. Rev Enferm Referência. 2015;5(4):129–38. doi: http://dx.doi.org/10.12707/RIV14035

Silva VSP, Pacheco DF. A importância da mobilização precoce com o uso do cicloergômetro em pacientes críticos-Revisão sistemática. Rev Divulg Científica Sena Aires. 2017;6(2):144–51.

Silva GA, Dornelles SS, Lima GF, Figueiredo CZM, da Silva EMJP. Avaliação funcional de pessoas com lesão medular: utilização da escala de independência funcional – MIF. Texto Contexto Enferm. [online] 2012;21(4):929-36. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072012000400025

Kawaguchi YMF, Nawa RK, Figueiredo TB, Martins L, Pires-Neto RC. Perme intensive care unit mobility score and ICU mobility scale: translation into portuguese and cross-cultural adaptation for use in Brazil. J Bras Pneumol. 2016; 42(6): 429–34. doi: http://dx.doi.org/10.1590/s1806-37562015000000301

Martinez P.B, Bispo O.A, Duarte M.C.A, Neto G.S. Declínio funcional em uma unidade de terapia intensiva. Revista Inspirar. 2013;5(11):1-5.

Junqueira D.I.L, Maranhão A.A.C, Moreira S.A.A, Santiago P.C.M, Costa Y. Estado funcional do paciente pós-alta imediata da unidade de terapia intensiva. Revista Movimenta. 2017;10(11):114-20.

Garcia GN, Pereira MD, Silva KAB, Reis AF. Avaliação da independência funcional de pacientes pós-internados em unidade de terapia intensiva. Conscientiae Saúde 2012;11(2):296-304. doi: https://doi.org/10.5585/conssaude.v11n2.3004

Jesus SF, Paim MD, Brio OJ, Barros AI, Nogueira BT, Martinez PB, Pires QT. Declínio da mobilidade dos pacientes internados em unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2016;28(2):114-19. doi: http://dx.doi.org/10.5935/0103-507X.20160025

Curzel J, Junior FAL, Rieder MM. Avaliação da independência funcional após alta da unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2013;25(2):93-8. doi: http://dx.doi.org/10.5935/0103-507X.20130019

Publicado
2020-06-30
Seção
Artigos