O Adolescente em Conflito com a Lei e a Tendência Antissocial: Compreensão e Intervenção à Luz da Psicanálise Winnicottiana

  • Antonio Augusto Pinto Junior Universidade Federal Fluminense, Departamento de Psicologia do Instituto de Ciências Humanas e Sociais de Volta Redonda.
  • Samantha Machado da Silva Universidade Federal Fluminense, Departamento de Psicologia do Instituto de Ciências Humanas e Sociais de Volta Redonda.

Resumo

O envolvimento de adolescentes com a violência e a prática de atos infracionais é um grave problema da atualidade, considerando as estatísticas de jovens em medidas socioeducativas de privação de liberdade e outras modalidades de atendimento, principalmente, no Brasil. Para se compreender essa realidade se deve levar em conta os vários fatores psicológicos, sociais e culturais envolvidos, buscando-se a interlocução entre os diferentes saberes científicos para evitar uma leitura simplista e/ou unilateral do problema. Nessa perspectiva e visando contribuir para a ampliação da análise do adolescente em conflito com a lei, o presente trabalho apresenta a perspectiva teórica da psicanálise winnicottiana, que entende que o processo de desenvolvimento humano depende amplamente da provisão ambiental para que o sujeito se integre e possa se relacionar com o mundo de forma saudável. Em situações nas quais o ambiente é muito intrusivo, não respeitando ou contemplando as demandas mais emergentes da criança, pode-se desenvolver uma conduta, chamada por Winnicott de Tendência Antissocial. No texto são apresentadas as principais características desse tipo de conduta e sua relação com a prática de atos infracionais, destacando que tal prática pode sinalizar um pedido de ajuda e a busca no ambiente por algo que possa restaurar o que foi retirado e perdido. Além disso, são discutidas as orientações acerca das intervenções clínicas e institucionais para os adolescentes em conflito com a lei, tendo como âncora a psicanálise de orientação winnicottiana.

Palavras-chave: Adolescência. Ato Infracional. Tendência Antissocial. Winnicott.

Abstract

The involvement of adolescents with violence and the practice of infractions is a serious problem today, considering the statistics of young people in socio-educational measures of freedom of freedom and other modes of care, mainly in Brazil. In order to understand this reality, various psychological, social and cultural factors involved should be taken into account, seeking the interlocution among different scientific bodies of knowledge to avoid a simplistic and/or unilateral reading of the problem. In this perspective and aiming to contribute to the expansion of the adolescent analysis in conflict with the law, the present work presents the theoretical perspective of the winnicottian psychoanalysis, which understands that the human development process depends largely on the environmental provision so that the subject integrates and can relate to the world in a healthy way. In situations where the environment is very intrusive, not respecting or contemplating the most emergent demands of the child, could develop a behavior, called by Winnicott Antisocial Tendency. The main characteristics of this type of conduct and its relation with the practice of infractions are highlighted in the text, pointing that such conduct can signal a request for help and the search in the environment for something that can restore what was taken and lost. In addition, the guidelines on clinical and institutional interventions for adolescents in conflict with the law are discussed, with the anchor of the winnicottian orientation psychoanalysis.

Keywords: Adolescence. Infrational Act. Antisocial Tendency. Winnicott.

Referências

AIELLO-VAISBERG. T.M.J.; AMBRÓSIO, F.F. Sofrimentos sociais, psicologia concreta e estilo clínico “Ser e Fazer”. São Paulo: IP/USP, 2016, p. 21-35.

BRAMBILLA, B.B. Percepção de suporte familiar de adolescentes em conflito com a lei. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2012.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos (SDH). Atendimento sócio educativo ao adolescente em conflito com a lei. Levantamento Nacional 2011. Brasília: SDH, 2012.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos (SDH). Levantamento anual SINASE 2014. Brasília: SDH, 2017.

CAPELO, D.F.; TOLEDO, R. Psicologia e políticas públicas: uma leitura histórica sobre violências, invisibilidades e juventudes em conflito com a lei. Rev. Ibirapuera, n.10, p.49-56, 2015.

COELHO FILHO, J.G.; GATTI, A.L.; PASSA. A.C. Maioridade do ECA e a adolescência em situação de risco. Rev. Integração, v.15, n.57, p.191-195, 2009.

CORRÊA, M. A. et al. Perfil da criminalidade juvenil na cidade de Alfenas, Minas Gerais. Rev. Estatística UFOP, v.3, n.2, p.338-350, 2014.

DIAS, E.O. A teoria do amadurecimento de D.W. Winnicott. Rio de Janeiro: Imago, 2003.

DIAS, E.O.; LOPARIC, Z. O modelo winnicottiano de atendimento ao adolescente em conflito com a lei. Winnicott, v.3, n.1/2, 2008.

LEVISKY, D.L. Adolescência pelos caminhos da violência: a psicanálise na prática social. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998.

LOPES, C.M.B. As vicissitudes da constituição da função materna: um percurso teórico em Winnicott e Freud. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2012.

MULLER, F. et al. Perspectivas de adolescentes em conflito com a lei sobre o delito, a medida de internação e as expectativas futuras. Rev. Bras. Adolesc. Conflitualidade, v.1, n.1, p.70-87, 2009.

NASIO, J. Introdução às obras de Freud, Ferenczi, Grodeck, Klein, Winnicott, Douto e Lacan. Rio de Janeiro: Zahar, 1995.

PASSARINI, G.M.R. Mães adolescentes em instituições de acolhimento: psicodiagnóstico compreensivo e interventivo. São Paulo: USP, 2014.

PAULA, M.L.B.; ASSUMPCAO JUNIOR, F.B. Delinquência juvenil e família. Rev. Psicopedag., v.30, n.91, p.43-51, 2013.

PEDRO, J.C.; NEVES, A.S. A família e o adolescente em conflito com a lei: vínculos, estratégias e recursos afetivos. Horizonte Cient., v.9, n.1, p.1-27, 2015.

PEREIRA, T.C.S.; REIS, J.N.; COSTA, L.A. Autor e vítima: a vulnerabilidade social de jovens que cometeram atos infracionais em Belo Horizonte. Rev. Ter. Ocupac.USP, v.26, n.2, p.258-266, 2015.

PINTO JUNIOR, A.A. et al. Vitimização e violência: atendimentos clínicos a partir de enquadres diferenciados. In: TARDIVO, L.S.L.P.C.; GIL, C.A. (Org.). APOIAR Novas Propostas em psicologia clínica. São Paulo: Sarvier, 2008. p.513-522.

REIS L.; OLIVEIRA, A. Adolescente autor de ato infracional: a importância da família no processo de cumprimento de medidas socioeducativas. 2016. Disponível em: file:///C:/Users/selma.elwein/Desktop/Plano%20de%20Trabalho%20-%202017/Arquivos%2002-05-17/5163-13777-1-PB.pdf. Acesso 16 dez. 2016

SAES, D.S. Adolescentes infratores: um estudo compreensivo. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2003.

SILVA, C.Y.G.D.; MILANI, R.G. Adolescência e tendência antissocial: o rap como expressão de uma privação emocional. Psicol. Ciênc. Profissão, v.35, n.2, p.374-388, 2015.

SILVA, M.D.P. et al. Saúde mental e fatores de risco e proteção: focalizando adolescentes cumprindo medidas socioeducativas. Rev. Bras. Cresc. Desenvol. Humano, v.25, n.2, p.162-169, 2015.

SOUZA, L.O. et al. O envolvimento de adolescentes na prática de atos infracionais no município de Londrina-PR. Rev. Bras. Adolesc. Conflitualidade, n.11, p.152-161, 2014.

TIRONI, C.M.R. O jogo das relações intrafamiliares no estudo dos vínculos de crianças negligenciadas. São Paulo: USP, 2015.

WINNICOTT, D.W. Da pediatria à psicanálise: obras escolhidas. Rio de Janeiro: Imago, 2000.

WINNICOTT, D.W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

WINNICOTT, D.W. O ambiente e os processos de maturação: estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional. Porto Alegre: Artmed, 1983.

WINNICOTT, D.W. Privação e delinquência. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

WINNICOTT, D.W. Natureza humana. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

ZAMORA, M.H.R.N.; MAIA, M.V.M. Reflexões sobre jovens antissociais e seus atos destrutivos: algumas contribuições da teoria de Winnicott. Rev. Bras. Adolesc. Conflitualidade, v.1, n.1, p.140-156, 2009.

ZAPPE, J.G.; DIAS, A.C.G. Violência e fragilidades nas relações familiares: refletindo sobre a situação de adolescentes em conflito com a lei. Estudos Psicol., v.17, n.3, p.389-395, 2012.

Publicado
2018-08-09
Seção
Artigos