Fatores de Risco e Proteção para a Prática do Ato Infracional: Percepção do Adolescente e da Família

  • Michelly do Rocio Dellecave Universidade do Vale do Itajaí, Curso de Psicologia. SC, Brasil.
  • Camila Suellen Barboza Universidade do Vale do Itajaí, Curso de Psicologia. SC, Brasil.
  • Paula Almeida Calderon Universidade do Vale do Itajaí, Curso de Psicologia. SC, Brasil.

Resumo

A violência tem sido alvo de atenção por estar sendo vinculada com frequência às mídias, mas atualmente se vê um número cada vez mais preocupante de adolescentes envolvidos com a criminalidade. Essa pesquisa pretende investigar a percepção de adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa em meio aberto e suas famílias sobre os fatores de risco e proteção para a prática do ato infracional. A pesquisa foi realizada no Centro de Referência Especializado em Assistência Social – CREAS, no serviço de medidas socioeducativas em meio aberto de um município da região do Vale do Itajaí-SC. Participaram da pesquisa dez sujeitos, sendo cinco adolescentes, que cumprem medidas socioeducativas em meio aberto e cinco familiares destes adolescentes. Os dados foram coletados através de entrevista semiestruturada, sendo as entrevistas realizadas, individualmente, com os adolescentes e, posteriormente, com os familiares. Os dados foram gravados, transcritos e analisados por meio da análise de conteúdo. Os atos infracionais cometidos pelos adolescentes foram roubo, pichação de patrimônio público, posse de dinheiro falso e tráfico de drogas, e todos estavam cumprindo a medida socioeducativa de prestação de serviço a comunidade (PSC). Os resultados apontaram que os fatores de risco predominantes, na percepção dos entrevistados, são as amizades, conflitos familiares e questões relacionadas com a evasão e a baixa frequência escolar, enquanto os fatores de proteção são o diálogo e o relacionamento familiar e projeto de vida.

Palavras-chave: Ato Infracional. Fatores de Risco. Fatores de Proteção. Família. Adolescentes.

Abstract

Violence has been the focus of attention because it is often linked to the media, but today we see an increasing number of teenagers involved in crime. This research intends to investigate the teenagers’ perception in compliance with socio-educational measures in open environments and their families on the risk factors and protection for the infraction practice. The research was carried out in the “Centro de Referência Especializado em Assistência Social - CREAS,” in the service of socio-educational measures in the open environment of a municipality in the region of Vale do Itajaí-SC. Ten subjects participated in the study, five of which were adolescents who met socioeducative measures in the open environment and five family members of these adolescents. Data were collected through a semi-structured interview, with interviews conducted individually with the adolescents and later with the relatives. Data were recorded, transcribed and analyzed through content analysis. The infractions committed by adolescents were robbery, graffiti of public patrimony, possession of counterfeit money and drug trafficking, and all were complying with the socio-educational measures of community service. The results indicated that the predominant risk factors in the interviewees’ perception are the friendships, family conflicts and issues related to avoidance and low school attendance, while the protection factors are the dialogue and family relationship and life project.

Keywords: Infractional Act. Risk Factors. Protection Factors. Family. Teenagers.

Referências

ALVES, Z. M.M.B.; SILVA, M.H.G.F.D. Análise qualitativa de dados de entrevista: uma proposta. Paidéia, n.2, p.61-69, 1992.

AMPARO, D. M. et al. Adolescentes e jovens em situação de risco psicossocial: redes de apoio social e fatores pessoais de proteção. Estud. Psicol. v.13, n.2, p.165-174, 2008.

ASSIS, S.G.; CONSTANTINO, P. Perspectivas de prevenção da infração juvenil masculina. Ciênc. Saúde Coletiva, v.10, n.1, p.81-90, 2005.

ASSIS, S.G.; SOUZA, E.R. Criando Caim e Abel: pensando a prevenção da infração juvenil. Ciênc. Saúde Coletiva, v.4, n.1, p.131-144, 1999.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente. Lei Federal nº 8069, de 13 de julho, 1990.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Caderno de Orientações Técnicas: Serviço de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto. Secretaria Nacional de Assistência Social. Brasília (DF), 2016.

BRASIL. Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. Resolução do CNAS nº 109, de 11 de novembro de 2009, publicada no D.O.U. em 25 de novembro, 2009.

CAPELINHA. J.C.C. A qualidade das relações de amizade na adolescência e suas implicações ao nível do autoconceito e da auto-estima. Portugal: ISPA, 2013.

COUTINHO, R. X. et al. Prevalência de comportamentos de risco em adolescentes. Cad. Saúde Colet., v.21, n.4, p.441-449, 2013.

CRAIDY, C.M. Medidas socioeducativas, desafios pedagógicos. In: CRUZ, L.R.; GUARESCHI, N. O psicólogo e as políticas públicas de assistência social. Petrópolis: Vozes, 2014.

ESPÍNOLA, F.A.L. Fatores determinantes da evasão escolar no ensino médio. Guarabira: UEPB, 2010.

FREIRE. P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

GALLO, A.E.; WILLIAMS, L.C.A. Adolescentes em conflito com a lei: uma revisão dos fatores de risco para a conduta infracional. Psicol. Teoria Pratica, v.7, n.1, p.81-95, 2005.

MAIA, J.M.D.; WILLIAMS, L C.A. Fatores de risco e fatores de proteção ao desenvolvimento infantil: uma revisão da área. Temas Psicol., v.13, n.2, p.91-103, 2005.

MARUSCHI, M.C.; ESTEVAO, R.; BAZON, M.R. Conduta infracional na adolescência: fatores associados e risco de reincidência. Arq. Bras. Psicol., v.66, n.2, p.82-99, 2014.

NARDI, L.F. Adolescentes em conflito com a lei: percepções sobre família, ato infracional e medidas socioeducativas. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2010.

PADOVANI, A.S.; RISTUM, M. A escola como caminho socioeducativo para adolescentes. Educ. Pesqui., v.39, n.4, p.969-984, 2013.

POLETTO, M.; KOLLER, S. H. Contextos ecológicos: promotores de resiliência, fatores de risco e de proteção. Estud. Psicol., v.25, n.3, p.405-416, 2008.

SAPIENZA, G.; PEDROMÔNICO, M.R.M. Risco, proteção e resiliência no desenvolvimento da criança e do adolescente. Psicol. Estudo, v.10, n.2, p.209-216, 2005.

SOUZA, L.A.; COSTA, L.F.A significação das medidas socioeducativas para as famílias de adolescentes privados de liberdade. Psico-USF, v.18, n.2, p.277-287, 2013.

SPRINTHALL, N.A.; COLLINS, W.A. Psicologia do adolescente: uma abordagem desenvolvimentista. Lisboa: Fundação Calouste Gulenkian, 2003.

TOREZAN, S.A.B. Ser jovem em meio à violência: identidade x singularidade no confronto com a lei. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2005.

Publicado
2018-08-09
Seção
Artigos