A Prática da Integralidade no Cuidado Farmacêutico na Atenção Primária à Saúde

  • Sebastião Gonçalves de Barros Neto Universidade Presbiteriana Mackenzie, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Distúrbios do Desenvolvimento. SP, Brasil.
  • Luiz Henrique Borges Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória. ES, Brasil.

Resumo

A prática farmacêutica tem se transformado no Brasil e, em virtude das políticas públicas de saúde do país, vindica aprimoramentos para assegurar a integralidade das ações. A pesquisa teve o objetivo de analisar os discursos dos profissionais farmacêuticos sobre a prática clínico-farmacêutica nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) da Prefeitura Municipal de Vitória (PMV) consoante o princípio da integralidade. Para tanto, foram entrevistados individualmente doze participantes. A análise dos dados textuais, realizada de modo conjugado por meio do software Alceste e de procedimento de análise de conteúdo, originou quatro classes, agrupando os discursos sobre suas ações mediante o uso irracional de medicamentos, a inserção e a prática clínico-farmacêutica no Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), o recepcionamento e o direcionamento legal das atribuições clínicas na esfera municipal e, por fim, os obstáculos a serem superados para a integralidade no Cuidado Farmacêutico. Os resultados demonstram que não há uma uniformidade quanto às ações clínicas farmacêuticas. A integração de suas ações com a equipe do NASF, embora demande novas competências, oportuniza a sistematização do Cuidado Farmacêutico e a operacionalização do princípio da integralidade. Portanto, para sua consolidação, são imprescindíveis a qualificação profissional, o direcionamento legal e o desmantelamento das limitações estruturais.

Palavras-chave: Cuidado Farmacêutico. Integralidade. Atenção Básica. Políticas de Saúde.

 

Abstract

Pharmaceutical practice has been changing in Brazil and, due to the public health policies in the country, demands improvement to assure the actions integrality. The objective of this research is to analyze the discourses of pharmacy professionals about the pharmaceutical clinic practices in the Basic Healthcare Units (UBS) of Vitória city (PMV), according to the principles of integrality. In order to achieve that, twelve participants were interviewed individually. From the analysis, performed in conjunction with software Alceste and content analysis procedure, four classes were categorized, grouping the discourses about their actions regarding the irrational use of medicines, the addition of clinic-pharmaceutical practice in the Nucleus for the Support of Family Health (NASF), the receiving and legal directing of clinic attributions in the municipal area, and, finally, the obstacles to be surpassed for the integrality of Pharmaceutical Care. The results show that there is no uniformity regarding the clinical pharmaceutical actions. The integration of their actions with the staff of NASF, in spite of demanding new competences, creates opportunity for the systematization of Pharmaceutical Care and the operationalization of the principle of integrality. Therefore, for its consolidation, professional qualification, legal directing and dismantlement of structural limitations are imperative.

Keywords: Pharmaceutical Care. Integrality. Basic Care. Health Policies.

Biografia do Autor

Sebastião Gonçalves de Barros Neto, Universidade Presbiteriana Mackenzie, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Distúrbios do Desenvolvimento. SP, Brasil.

Farmacêutico, Mestre em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local, Doutorando em Distúrbios do desenvolvimento – Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Luiz Henrique Borges, Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória. ES, Brasil.

Médico, Mestre em Medicina Preventiva, Doutor em Ciências da Saúde, professor adjunto da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM).

Referências

AKERMAN, M.; FREITAS, O. Pesquisa Nacional sobre Acesso, Utilização e Promoção do Uso Racional de Medicamentos (PNAUM): avaliação dos serviços de atenção farmacêutica primária. Revista de Saúde Pública, v. 51, p. 1s-1s, 2017.

BRASIL. Lei nº 13.021, de 8 de agosto de 2014. Dispõe sobre o exercício e a fiscalização das atividades farmacêuticas. Diário Oficial da União, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE (Brasil). Resolução nº 338, de 6 de maio de 2004. Aprova a Política Nacional de Assistência Farmacêutica, estabelece os seus princípios. Diário Oficial da União, Brasília, 2004. Seção 1, p. 52.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.916, de 30 de outubro de 1998. Política Nacional de Medicamentos. Brasília, 1998.

CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA (Brasil). O passo longo do programa Saúde da Família de Vitória. Revista Pharmacia Brasileira, v. 8, n. 45, p. 12-13, nov./dez. 2004. Disponível em: <http://www.cff.org.br/sistemas/geral/revista/pdf/77/04-farmafamilia.pdf>. Acesso em: 05 nov. 2018.

CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA (Brasil). Resolução nº 586, de 29 de agosto de 2013. Regula a prescrição farmacêutica e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 26 set. 2013b, Seção 1, p. 136.

CORRER, C. J.; NOBLAT, L. A. C. B.; CASTRO, M. S. Gestão da Assistência Farmacêutica. Florianópolis: Editora da UFSC, 2011.

CORRER, C. J.; OTUKI, M. F. Atenção Farmacêutica e a prestação de serviços farmacêuticos clínicos. In: ______ (Org.). A prática farmacêutica na farmácia comunitária. Porto Alegre: Artmed, 2013. cap. 10, p. 215-246.

DINIZ, S. G. M. et al. Avaliação do atributo integralidade na atenção à saúde da criança. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 37, n. 4, e57067, dez. 2016.

HEPLER, C. D.; STRAND, L. M. Opportunities and responsibilities in pharmaceutical care. American Journal of Hospital Pharmacy, [S.I.], v. 47, p. 533-543, mar. 1990.

LEFÈVRE, F. A função simbólica dos medicamentos. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 17, n. 6, p. 500-503, dez. 1983.

LEFÈVRE, F.; LEFÈVRE, A. M. C. Saúde, empoderamento e triangulação. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 32-38, maio/ago. 2004.

NEVES, Carina de Morais et al. Clinical Results of Comprehensive Medication Management Services in Primary Care in Belo Horizonte. Pharmacy, v. 7, n. 2, p. 58, 2019.

PORTELA, A S. et al. Políticas públicas de medicamentos: trajetória e desafios. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, Araraquara, v. 31, n. 1, p. 9-14, 2010.

SILVA, Daniela Álvares Machado et al. A prática clínica do farmacêutico no núcleo de apoio à saúde a família. Trabalho, Educação e Saúde, 2018.

VIEIRA, Isabela Maria et al. Experiência Subjetiva com Medicamentos de Pacientes convivendo com o Câncer de Mama: um Fotovoz. Revista Brasileira de Cancerologia, v. 64, n. 2, p. 167-175, 2018.

VITÓRIA (Prefeitura). Secretária Municipal de Saúde. Plano Municipal de Saúde 2014 – 2017.

Publicado
2020-05-27
Seção
Artigos