Percepção da Equipe de Enfermagem do Hospital Universitário de São Luís do Maranhão Frente ao Ambiente e Segurança no Trabalho

  • Helone Eloísa Frazão Guimarães Faray Universidade Anhanguera-Uniderp, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional. MS, Brasil.
  • Rosemary Matias Universidade Anhanguera-Uniderp, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional. MS, Brasil.
  • Everton Ferreira Lemos Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. MS, Brasil.
  • Arlindo Faray Vieira Faculdade Fucap Univinte, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Contábeis. SC, Brasil.
  • Eduardo de Castro Ferreira Universidade Anhanguera-Uniderp, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional e Fiocruz Mato Grosso do Sul. MS, Brasil.

Resumo

Os profissionais da equipe de enfermagem realizam, em seu cotidiano de trabalho, muitas atividades laborais que conduzem a riscos ocupacionais relacionados aos resíduos biológicos, entre outros, e que precisam ser levados em consideração para que o ambiente de trabalho seja vivenciado com segurança. Destarte, objetivou-se demonstrar a percepção da equipe de enfermagem frente ao ambiente e segurança no trabalho. Trata-se de uma pesquisa de natureza aplicada com abordagem quantitativa e qualitativa de caráter descritivo exploratório, transversal, realizada no Hospital Universitário em São Luís do Maranhão, em que a equipe de enfermagem é composta por enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem. Este estudo foi realizado por meio da aplicação de questionários a 98 profissionais de enfermagem, que compõem a unidade de saúde da criança do Hospital Universitário em São Luís do Maranhão, de acordo com o critério de inclusão adotado. Sobre as atividades que as equipes de enfermagem consideram mais perigosas para a sua saúde e para o ambiente hospitalar, o maior percentual está para o descarte de resíduo hospitalar (33,7%), seguido da manipulação dos resíduos dos pacientes (18,4%) e aspiração traqueal (18,4%). A prevenção e habilidades em educação e saúde devem ser assimiladas entre profissionais de enfermagem, sobre o manejo adequado de resíduos e incentivar a implementação de precauções para minimizar a ocorrência de agravos, que comprometem a saúde e atividades laborais desenvolvidas no seu ambiente, bem como orientações sobre as consequências dos acidentes de trabalho.

 

Palavras-chave:  Enfermagem. Resíduos Biológicos. Ambiente Hospitalar.

 

Abstract

The nursing team professionals carry out many work activities in their daily work that lead to occupational risks related to biological waste, among others, and that need to be taken into account so that the work environment is experienced safely. Thus, the objective was to demonstrate the  nursing team perception regarding the environment and safety at work. It is an applied nature research with a quantitative and qualitative approach of an exploratory, transversal descriptive character, carried out at  University Hospital in São Luís do Maranhão, where the nursing team is composed of nurses, technicians and nursing assistants This study was carried out by applying questionnaires to 98 nursing professionals who make up the child health unit at  university hospital in São Luís do Maranhão, according to the inclusion criterion adopted. Regarding the activities that the nursing teams consider as the most dangerous for their health and for the hospital environment, the highest percentage is for the disposal of hospital waste (33.7%), followed by the handling of patient waste (18.4%) and tracheal aspiration (18.4%). Prevention and skills in education and health must be assimilated among nursing professionals, on the proper  waste management and encourage the implementation of precautions to minimize the  injuries occurrence that affect the health and work activities carried out in their environment, as well as guidance on the consequences of accidents at work.

 

Keywords: Nursing. Biological Waste. Hospital Environment.

Biografia do Autor

Helone Eloísa Frazão Guimarães Faray, Universidade Anhanguera-Uniderp, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional. MS, Brasil.

 

 
Everton Ferreira Lemos, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. MS, Brasil.

Doutor em Doenças Infecciosas e Parasitárias pela Faculdade de Medicina da UFMS

Referências

ARAÚJO, S. N. P. Os riscos enfrentados pelos profissionais de enfermagem no exercício da atividade laboral. Revista Enfermagem Contemporânea, Salvador, v. 4, n. 2, p.237-243, 2015.

BRAND, C. I.; FONTANA, R. T. Biossegurança na perspectiva da equipe de enfermagem de unidades de tratamento intensivo. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 67, n. 1, p. 78-84, 2014.

FURTADO, B.M.A.S.M; JÚNIOR, J, L, C, A. Percepção de enfermeiros sobre condições de trabalho em setor de emergência de um hospital. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 169-174, 2010.

GASPARINO, R.C; BAGNE, B.M; GASTALDO, L.S; DINI, A.P. Percepção da enfermagem frente ao clima de segurança do paciente em instituições públicas e privadas. Revista Gaúcha, Rio Grande do Sul, v. 38, n. 3, p.1-8, 2017.

JANUÁRIO, G. C.; CARVALHO, P. D. C. F.; CARVALHO LEMOS, G.; GIR, E.; TOFFANO, S. E. M. Acidentes ocupacionais com material potencialmente contaminado envolvendo trabalhadores de enfermagem. Cogitare Enfermagem, Curitiba, v. 22, n. 1, p. 01-09, 2017.

LEITE, J. W.; ARAUJO, G. F. Riscos Ocupacionais: Percepção de enfermeiros de um hospital público. Revista Enfermagem Contemporânea, Salvador, v. 5. n. 2, p. 201-209, 2016.

MARTINS, J. T.; BOBROFF, M. C. C.; ANDRADE, A. D. N. D.; MENEZES, G. D. O. Equipe de enfermagem de emergência: riscos ocupacionais e medidas de autoproteção. Revista Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. 22, n. 3, p. 334-340, 2014.

NISHIDE, V. M; BENATTI, M. C. C; ALEXANDRE, N. C. Ocorrência de acidente do trabalho em uma unidade de terapia intensiva. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v.12, n.2, p.204-211, 2004.

ROCHA, F. L. R; MARZIALE, M. H. P; ROBAZZI, M. L. do C. C. Perigos potenciais a que estão expostos os trabalhadores de enfermagem na manipulação de quimioterápicos antineoplásicos: conhecê-los para preveni-los. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v.12, n.3, p.511-517, 2004.

SARQUIS, L. M. M; FELLI, V. E. A. Os sentimentos vivenciados após exposição ocupacional entre trabalhadores de saúde: fulcro para repensar o trabalho em instituições de saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v.62, n.5, p. 701-704, 2009.

SHOJI, S.; SOUZA, N.; FARIAS, S. P. Impacto do ambiente laboral no processo saúde doença dos trabalhadores de enfermagem de uma unidade ambulatorial especializada. Reme: Revista Mineira de Enfermagem, Belo Horizonte, v. 19, n. 1, p. 43-48, 2015.

SULZBACHER, E.; FONTANA, R. Concepções da equipe de enfermagem sobre a exposição a riscos físicos e químicos no ambiente hospitalar. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 66, n. 1, p. 25-30, 2013.

TALHAFERRO, B; BARBOZA D. B; OLIVEIRA, A. R. de. Adesão ao uso dos equipamentos de proteção individual pela enfermagem. Revista Ciências Médicas, Campinas, v. 17, n.3-6, p157-166, 2008.

ARAÚJO, S. N. P. Os riscos enfrentados pelos profissionais de enfermagem no exercício da atividade laboral. Revista Enfermagem Contemporânea, Salvador, v. 4, n. 2, p.237-243, 2015.

BRAND, C. I.; FONTANA, R. T. Biossegurança na perspectiva da equipe de enfermagem de unidades de tratamento intensivo. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 67, n. 1, p. 78-84, 2014.

FURTADO, B.M.A.S.M; JÚNIOR, J, L, C, A. Percepção de enfermeiros sobre condições de trabalho em setor de emergência de um hospital. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 169-174, 2010.

GASPARINO, R.C; BAGNE, B.M; GASTALDO, L.S; DINI, A.P. Percepção da enfermagem frente ao clima de segurança do paciente em instituições públicas e privadas. Revista Gaúcha, Rio Grande do Sul, v. 38, n. 3, p.1-8, 2017.

JANUÁRIO, G. C.; CARVALHO, P. D. C. F.; CARVALHO LEMOS, G.; GIR, E.; TOFFANO, S. E. M. Acidentes ocupacionais com material potencialmente contaminado envolvendo trabalhadores de enfermagem. Cogitare Enfermagem, Curitiba, v. 22, n. 1, p. 01-09, 2017.

LEITE, J. W.; ARAUJO, G. F. Riscos Ocupacionais: Percepção de enfermeiros de um hospital público. Revista Enfermagem Contemporânea, Salvador, v. 5. n. 2, p. 201-209, 2016.

MARTINS, J. T.; BOBROFF, M. C. C.; ANDRADE, A. D. N. D.; MENEZES, G. D. O. Equipe de enfermagem de emergência: riscos ocupacionais e medidas de autoproteção. Revista Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. 22, n. 3, p. 334-340, 2014.

NISHIDE, V. M; BENATTI, M. C. C; ALEXANDRE, N. C. Ocorrência de acidente do trabalho em uma unidade de terapia intensiva. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v.12, n.2, p.204-211, 2004.

ROCHA, F. L. R; MARZIALE, M. H. P; ROBAZZI, M. L. do C. C. Perigos potenciais a que estão expostos os trabalhadores de enfermagem na manipulação de quimioterápicos antineoplásicos: conhecê-los para preveni-los. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v.12, n.3, p.511-517, 2004.

SARQUIS, L. M. M; FELLI, V. E. A. Os sentimentos vivenciados após exposição ocupacional entre trabalhadores de saúde: fulcro para repensar o trabalho em instituições de saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v.62, n.5, p. 701-704, 2009.

SHOJI, S.; SOUZA, N.; FARIAS, S. P. Impacto do ambiente laboral no processo saúde doença dos trabalhadores de enfermagem de uma unidade ambulatorial especializada. Reme: Revista Mineira de Enfermagem, Belo Horizonte, v. 19, n. 1, p. 43-48, 2015.

SULZBACHER, E.; FONTANA, R. Concepções da equipe de enfermagem sobre a exposição a riscos físicos e químicos no ambiente hospitalar. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 66, n. 1, p. 25-30, 2013.

TALHAFERRO, B; BARBOZA D. B; OLIVEIRA, A. R. de. Adesão ao uso dos equipamentos de proteção individual pela enfermagem. Revista Ciências Médicas, Campinas, v. 17, n.3-6, p157-166, 2008.

ARAÚJO, S. N. P. Os riscos enfrentados pelos profissionais de enfermagem no exercício da atividade laboral. Revista Enfermagem Contemporânea, Salvador, v. 4, n. 2, p.237-243, 2015.

BRAND, C. I.; FONTANA, R. T. Biossegurança na perspectiva da equipe de enfermagem de unidades de tratamento intensivo. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 67, n. 1, p. 78-84, 2014.

FURTADO, B.M.A.S.M; JÚNIOR, J, L, C, A. Percepção de enfermeiros sobre condições de trabalho em setor de emergência de um hospital. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 169-174, 2010.

GASPARINO, R.C; BAGNE, B.M; GASTALDO, L.S; DINI, A.P. Percepção da enfermagem frente ao clima de segurança do paciente em instituições públicas e privadas. Revista Gaúcha, Rio Grande do Sul, v. 38, n. 3, p.1-8, 2017.

JANUÁRIO, G. C.; CARVALHO, P. D. C. F.; CARVALHO LEMOS, G.; GIR, E.; TOFFANO, S. E. M. Acidentes ocupacionais com material potencialmente contaminado envolvendo trabalhadores de enfermagem. Cogitare Enfermagem, Curitiba, v. 22, n. 1, p. 01-09, 2017.

LEITE, J. W.; ARAUJO, G. F. Riscos Ocupacionais: Percepção de enfermeiros de um hospital público. Revista Enfermagem Contemporânea, Salvador, v. 5. n. 2, p. 201-209, 2016.

MARTINS, J. T.; BOBROFF, M. C. C.; ANDRADE, A. D. N. D.; MENEZES, G. D. O. Equipe de enfermagem de emergência: riscos ocupacionais e medidas de autoproteção. Revista Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. 22, n. 3, p. 334-340, 2014.

NISHIDE, V. M; BENATTI, M. C. C; ALEXANDRE, N. C. Ocorrência de acidente do trabalho em uma unidade de terapia intensiva. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v.12, n.2, p.204-211, 2004.

ROCHA, F. L. R; MARZIALE, M. H. P; ROBAZZI, M. L. do C. C. Perigos potenciais a que estão expostos os trabalhadores de enfermagem na manipulação de quimioterápicos antineoplásicos: conhecê-los para preveni-los. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v.12, n.3, p.511-517, 2004.

SARQUIS, L. M. M; FELLI, V. E. A. Os sentimentos vivenciados após exposição ocupacional entre trabalhadores de saúde: fulcro para repensar o trabalho em instituições de saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v.62, n.5, p. 701-704, 2009.

SHOJI, S.; SOUZA, N.; FARIAS, S. P. Impacto do ambiente laboral no processo saúde doença dos trabalhadores de enfermagem de uma unidade ambulatorial especializada. Reme: Revista Mineira de Enfermagem, Belo Horizonte, v. 19, n. 1, p. 43-48, 2015.

SULZBACHER, E.; FONTANA, R. Concepções da equipe de enfermagem sobre a exposição a riscos físicos e químicos no ambiente hospitalar. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 66, n. 1, p. 25-30, 2013.

TALHAFERRO, B; BARBOZA D. B; OLIVEIRA, A. R. de. Adesão ao uso dos equipamentos de proteção individual pela enfermagem. Revista Ciências Médicas, Campinas, v. 17, n.3-6, p157-166, 2008.

Publicado
2021-02-18
Seção
Artigos