Impacto Econômico do Tratamento de Pacientes com Dengue no Brasil: uma Revisão Sistemática

  • Paulo Roberto Haidamus de Oliveira Bastos Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Programa de Pós-Graduação em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste. MS, Brasil.
  • Raquel da Silva Vieira Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Programa de Pós-Graduação em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste. MS, Brasil.

Resumo

A dengue se tornou um problema crescente de saúde pública devido as altas taxas de mortalidade e morbidade, além de impor uma carga econômica substancial em um país em desenvolvimento. O presente estudo objetivou revisar de forma sistemática a literatura científica atual para sintetizar o efeito do impacto econômico do tratamento de pacientes com dengue no Brasil. A pesquisa foi realizada entre os meses de agosto a outubro de 2019, nos bancos de dados Medical Literature Analysis and Retrieved System (MEDLINE), Literatura Latino-americana e do Caribe em Ciências da Saúde (Lilacs) e Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD), totalizando uma amostra final de oito estudos. Diante dos achados, ficou evidente a escassez de estudos que abordam a temática do impacto na economia brasileira em consequência do tratamento de pacientes com dengue, revelando, a necessidade de investimentos em pesquisas científicas continuadamente, principalmente nas localizações geográficas distantes dos grandes centros de pesquisas científicas localizados na região Sudeste do país. O impacto do tratamento da doença no país é substancial, e, portanto, espera-se que este estudo possa estimular a expansão científica no país e orientar os formuladores de políticas para novas intervenções na saúde pública, a fim de diminuir a propagação da doença e minimizar dispêndios aos cofres públicos.

 

Palavras-chave: Custos e Análise de Custo. Assistência à Saúde. Dengue. Gastos em Saúde. Gestão em Saúde.

 

 

Abstract

Dengue has become a growing public health problem due to its high mortality and morbidity rates, as well as imposing substantial economic burden stemming from a developing country. The present study aimed to systematically review the current scientific literature to synthesize the economic impact effect of dengue patients treatment in Brazil. The research was performed between August and October 2019, in the Medical Literature Analysis and Retrieved System (MEDLINE), Latin American and Caribbean Literature in Health Sciences (Lilacs) and Brazilian Digital Library of Theses and Dissertations (BDTD), totaling a final sample of eight studies. In view of the findings, it was evident the scarcity of studies addressing the theme of the impact on the Brazilian economy as a result of the dengue patients treatment, revealing the need for investments in scientific research continuously, especially in the geographical locations distant from the large scientific research centers located in the Southeast region of the country. The impact of the  disease treatment in the country is substantial, and therefore it is expected that this study can stimulate scientific expansion in the country and guide policymakers to new interventions in public health, in order to reduce the spread of the disease and minimize expenditures to public coffers.

 

Keywords: Costs and Cost Analysis. Health Care Delivery. Dengue. Health Expenditures. Health Management.

 

Referências

ABE, K. C.; MIRAGLIA, S. G. E. K. Incidência de dengue e custos associados, nos períodos anterior (2000-2008) e posterior (2009-2013) à construção das usinas hidrelétricas em Rondônia. Epidemiol. Serv. Saude, Brasília, v. 27, n. 2, p. e2017232, 2018.

ARAÚJO, V. E. M.; BEZERRA, J. M. T.; AMÂNCIO, F. F.; PASSOS, V. M. A.; CARNEIRO, M. Aumento da carga de dengue no Brasil e unidades federadas, 2000 e 2015: análise do Global Burden of Disease Study 2015. Rev Bras Epidemiol, 20 SUPPL 1: 205-216, maio, 2017.

BAJWALA, V. R.; JOHN, D.; RAJASEKAR, T. D.; MURHEKAR, M. V. Severity and costs associated with hospitalization for dengue in public and private hospitals of Surat city, Gujarat, India, 2017-2018.Trans R Soc Trop Med Hyg. 00: 1–9, 2019.

BITTENCOURT, S. A.; CAMACHO, L. A. B.; LEAL, M. C. O Sistema de Informação Hospitalar e sua aplicação na saúde coletiva. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, p.19-30, jan, 2006.

BHATT, S.; GETHING, P. W.; BRADY, J. O.; MESSINA, J. P.; FARLOW, A. W.; MOYES, C. L.; DRAKE, J. M.; BROWNSTEIN, J. S.; HOEN, A. G.; SANKOH, O.; MYERS, M. F.; GEORGE, D. B.; JAENISCH, T.; WINT, G. R.; SIMMONS, C. P.; SCOTT, T. W.; FARRAR, J. J.; HAY, S. I. A The global distribution and burden of dengue. Nature. v. 496, n. 7446, p. 504-7, Apr 2013.

BÖHM, A. W.; COSTA, C. S.; NEVES, R. G.; FLORES, T. R.; NUNES, B. P. Tendência da incidência de dengue no Brasil, 2002-2012. Epidemiol. Serv. Saude, Brasília, v. 25, n. 4, p.725-733, out-dez, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Diretrizes nacionais para prevenção e controle de epidemias de dengue. Brasília, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Caderno de Informações da Saúde Suplementar: beneficiários, operadoras e planos. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde - 2a. edição revisada e atualizada, 2012. Disponível em: http://www.ans.gov.br/images/stories/Materiais_para_pesquisa/Perfil_setor/Caderno_informacao_saude_suplementar/20130115_caderno_DEZEMB_revisado.pdf Acesso em 12 de nov. de 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Dengue: diagnóstico e manejo clínico: adulto e criança, 5° ed., Brasília, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Valores médios das internações por dengue pelo SUS. Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH / SUS), 2019. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sih/cnv/niuf.def. Acesso em 10 de novembro de 2019.

Banco Central do Brasil. Conversor de Moedas. Disponível em: https://www.bcb.gov.br/conversao Acesso em 21 de out. de 2019.

DONALISIO, M. R.; FEITAS, A. R. R.; ZUBEN, A. P. B. V. Arboviroses emergentes no Brasil: desafios para a clínica e implicações para a saúde pública. Rev Saúde Pública v. 51, p. 30, 2017.

GOULD, E.; PETTERSSON, J.; HIGGS, S.; CHARREL, R.; LAMBALLERIE, X. Emerging arboviruses: Why today? One Health. v. 4, p. 1–13, dez, 2017.

GUBLER, D. J. “Dengue and dengue hemorrhagic fever.” Clinical microbiology reviews v. 11, n.3, p. 480-96, 1998.

HELENE, A. F.; RIBEIRO, P. L. Brazilian scientific production, financial support, established investigators and doctoral graduates. Scientometrics, v.89, n.1, p.677-686, 2011.

HODGSON, T. A.; MEINERS, M. R. Cost-of-illness methodology: a guide to current practices and procedures. Milbank Mem Fund Q Saúde Soc. v. 60, n. 3, p. 429-62, 1982.

INSTITUTO DE MÉTRICA E AVALIAÇÃO EM SAÚDE. Estudo de Carga de Doença Global: gerando evidências, informando políticas de saúde. Seattle, WA: IHME, 2013.

LEITE, P. Impacto da Dengue no Brasil em período epidêmico e não epidêmico: Incidência, Mortalidade, Custo hospitalar e Disability Adjusted Life Years (DALY). Dissertação (Mestrado em Medicina Tropical). Faculdade de Medicina. Universidade de Brasília. Brasília, 2015.

MACHADO, A. A. V.; ESTEVAN, A. O.; SALES, A.; BRABES, K. C. S.; CRODA, J.; NEGRÃO, F. J. Custos diretos da hospitalização da dengue no Brasil: sistemas de saúde públicos e privados e uso das diretrizes da OMS. PLoS Negl Trop Dis. v. 8, n. 9, p: e3104, 2014.

MACHADO, A. A. V.; NEGRÃO, F. J.; CRODA, J.; MEDEIROS, E. S.; PIRES, M. A. S. Segurança e custos das práticas de transfusão de sangue em casos de dengue no Brasil. PLoS One. v. 14, n. 7, p. e0219287, 2019.

MARTELLI, C. M. T.; SIQUEIRA-JUNIOR. J. B.; PARENTE, M. P. P. D.; ZARA, A. S. A.; OLIVEIRA, C. S.; BRAGA, C.; PIMENTA-JUNIOR, F. G.; CORTES, F.; LOPEZ, J. G.; BAHIA, L. R.; MENDES, M. C. O.; ROSA, M. Q. M.; SIQUEIRA-FILHA, N. T.; CONSTENLA, D.; SOUZA, W. V. Impacto econômico da dengue: estudo multicêntrico em quatro regiões brasileiras. PLoS Negl Trop Dis. v. 9, p. 9, p: e0004042, 2015.

MENDES, C. S. Mudanças climáticas e seus impactos econômicos sobre a saúde humana: uma análise da leishmaniose e da dengue no Brasil. Tese (Doutorado em Economia Aplicada). Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, Minas Gerais, 2003.

MOHER, D.; LIBERATI, A. TETZLAFF, J. ALTMAN, D. G. The PRISMA Group. Itens de relatório preferidos para revisões sistemáticas e meta-análises: a declaração PRISMA. Ann Intern Med. v. 151, p. 264–269. 2009.

OUVERNEY, A. M., NORONHA, J. C. Modelos de organização e gestão da atenção à saúde: redes locais, regionais e nacionais. Rio de Janeiro, 2013.

PEREIRA, C. A. R.; BARATA, M. M. L.; HOELZ, M. P. C.; MEDEIROS, V. N. O. O.; MARINCOLA, F. C. V.; NETO, C. C.; MARINHO, D. P. M.; OLIVEIRA, T. V. S.; TRIGO, A. G. M.; MEDEIROS, T. K. Avaliação econômica dos casos de Dengue atribuídos ao desastre de 2011 em Nova Friburgo (RJ), Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. v. 19, n. 9, p: 3693-3704, 2014.

SHEPARD, D. S.; COUDEVILLE, L.; HALASA, Y. A.; ZAMBRANO, B.; DAYAN, G. H. Economic impact of dengue illness in the Americas. Am J Trop Med Hyg. v. 84, n. 2, p. 200-207, fevereiro, 2011.

SIDONE, O. J. G.; HADDAD, E. A.; MENA-CHALCO, J. P. A ciência nas regiões brasileiras: evolução da produção e das redes de colaboração científica. TransInformação, Campinas, v. 28, n. 1, p.15-31, jan./abr., 2016.

SOBERANIS, L. J., SOLÍS, S. P., PÉREZ, A. M.; AGUILERA, E. N.; SANTOS, F. R. S.; GARCIA, D. L. D.; LEDOGAR, R. J.; COCKCROFT, A.; ANDERSSON, N. Household costs of dengue illness: secondary outcomes from a randomised controlled trial of dengue prevention in Guerrero state, Mexico. BMC Saúde Pública. 17 (Suppl 1), p: 411, 2017.

SOUZA, L.; CONTANDRIOPOULOS, A. P. O uso de pesquisas na formulação de políticas de saúde: obstáculos e estratégias. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20(2):546-554, mar- a b r, 2004.

STRUCHINER, C. J.; ROCKLOV, J.; WILDER-SMITH, A.; MASSAD, E. Increasing dengue incidence in singapore over the past 40 years: population growth, climate and mobility. PLoS One, v. 10, n. 8, p. e0136286. Aug 2015.

SUAYA, J. A.; SHEPARD, D. S.; SIQUEIRA, J. B.; MARTELLI, C. T.; LUM, L. C.; TAN, H. L.; KONGSIN, S.; JIAMTON, S.; GARRIDO, F.; MONTOYA, R.; ARMIEN, B.; HUY, R.; CASTILLO, G.; CARAM, H.; SAH, B. K.; SUGHAYYAR, R.; TYO, K. R.; HALSTEAD, S. B. Cost of dengue cases in eight countries in the Americas and Asia: a prospective study. Am J Trop Med Hyg. v. 80, n. 5, p: 846-55, maio, 2009.

TOLEDO, C. A M.; BENDATI, M. M.; CODEÇO, C. T.; TEIXEIRA, M. M. Probabilidade de transmissão e propagação da dengue em uma área temperada não endêmica: modelo conceitual e níveis de risco de decisão para alerta, prevenção e controle precoce. Vetores de parasita. v. 12, p. 38, 2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO. Dengue Guidelines for Diagnosis, Treatment, Prevention and Control. New edition, 2009. Disponível em: https://www.who.int/tdr/publications/documents/dengue-diagnosis.pdf Acesso em 05 de set. de 2019.

Publicado
2021-02-19
Seção
Artigos