Perfil Epidemiológico da Violência Contra Crianças e Adolescentes no Estado de Minas Gerais, Brasil

  • Sérgio Ricardo Del Bel Antognolli Universidade Federal de Uberlândia. MG, Brasil.
  • Gabriela Fernandes de Oliveira Universidade Federal de Uberlândia. MG, Brasil.
  • Breno Resende Rodrigues da Cunha Universidade Federal de Uberlândia. MG, Brasil.
  • Paula Monikee Rezende Alves Universidade Federal de Uberlândia. MG, Brasil.
  • Leonardo dos Reis Duarte Silva Silva Universidade Federal de Uberlândia. MG, Brasil.
  • Mariana Giorgiani Universidade Federal de Uberlândia. MG, Brasil.
  • Juliana Rizza Ribeiro Batista Universidade Federal de Uberlândia. MG, Brasil.
  • Anderson de Cintra Souza Universidade Federal de Uberlândia. MG, Brasil.
  • Ana Clara Ferraz Souza Universidade Federal de Uberlândia. MG, Brasil.
  • Henrique Cardoso Marcene
  • Stefan Oliveira Universidade Federal de Uberlândia. MG, Brasil.

Resumo

Diante de poucos estudos referentes à epidemiologia dos casos de violência contra crianças e adolescentes praticados no país, com resultados ainda menores ao se restringir ao Estado de Minas Gerais se faz necessário explorar esse fenômeno e suas características. O presente estudo tem como objetivo analisar o perfil epidemiológico dos casos de violência praticados contra a população infantil e juvenil do Estado de Minas Gerais, entre os anos de 2007 e 2017. A metodologia utilizada foi um estudo descritivo, a partir de dados secundários obtidos do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). A partir da análise de dados, foram registradas 693.495 notificações de casos de violência contra crianças e adolescentes no período relatado, sendo que 3.600 (0,51%) desses evoluíram para óbito. As vítimas foram, predominantemente, do sexo feminino com 421.715 (60,81%), negras 304.296 (43,87%), na faixa etária de 15 a 19 anos com 256.612 (37,0%), com baixa escolaridade 196.914 (28,4%). Foi observado o predomínio da violência física em 332.369 (47,93%), praticada por familiar em 268.857 (38,76%), com relato de uso de álcool em 98.563 (14,21%). Assim, este estudo realça a necessidade de maior atenção a essa população vulnerável e de estabelecimento de ações efetivas no combate a esse tipo de violência.

 

Palavras-chave: Brasil. Epidemiologia. Violência. Criança. Adolescente. Vigilância em Saúde.

 

 

Abstract

Considering the small number of studies found regarding the violence epidemiology against children and adolescents practiced in the country, with even smaller results when restricting the search to the state of Minas Gerais (MG), it proved necessary to explore this phenomenon and its characteristics. The present study aims to analyze the violence epidemiological profile against the child and youth occurrences in MG, between the years 2007 and 2017. The methodology used was a descriptive study, based on secondary data obtained from the Notifiable Diseases Information System (SINAN). Taking the data analysis into account, 693,495 notifications of violence against children and adolescents occurrences were recorded in the reported period, of which 3,600 (0.51%) led to death. The victims were predominantly female, representing 421,715 (60.81%) of them, 304,296 (43.87%) were black, 256,612 (37.0%) were aged between 15 and 19 years old and 196,914 (28.4 %) had low education. There was a predominance of physical violence in 332,369 (47.93%) of the cases, 268,857 (38.76%) were practiced by a relative, with reports of alcohol use in 98,563 (14.21%) occurrences. Thus, this study highlights the urge for greater attention to this vulnerable population and for the establishment of effective actions to combat this sort of violence.

 

Keywords: Brazil. Epidemiology. Violence. Children. Adolescent. Surveillance in Health.

Publicado
2021-03-29
Seção
Artigos