Trabalho em Equipe na Formação do Enfermeiro: Perspectivas e Desafios sob a Ótica do Pensamento Complexo

  • Raphaella Lima de souza Guimarães UNOPAR, Curso de Graduação. PR, Brasil.
  • Mara Lúcia Garanhani Universidade Estadual de Londrina, PR, Brasil.
  • Sarah Nancy Deggau Hegeto de Souza Universidade Estadual de Londrina, PR, Brasil.
  • Maria do Carmo Lourenço Haddad Universidade Estadual de Londrina, PR, Brasil.
Palavras-chave: Educação. Equipe. Pensamento Complexo.

Resumo

A assistência à saúde é complexa, multifatorial e interdisciplinar. Neste cenário, o enfermeiro possui um papel fundamental: o de articulador e construtor do cuidado. O docente surge neste processo com papel essencial na formação de profissionais aptos para gerenciar o cuidado e trabalhar em equipe.  Optou-se por estudar um Curso de Enfermagem que apresenta uma proposta diferenciada e inovadora, o currículo integrado da Universidade Estadual de Londrina. Portanto, esta pesquisa teve como objetivo analisar a inserção do tema trabalho em equipe nas quatro séries do curso de graduação. Pesquisa de natureza qualitativa e compreensiva, do tipo estudo de caso, na qual foram realizadas entrevistas individuais com 19 docentes do curso, sendo realizada também análise documental de 18 cadernos dos módulos que compõem cada ano deste curso. Os dados foram submetidos à análise compreensiva à luz do Pensamento Complexo de Edgar Morin. Resultados emergiram três categorias: “Trabalho em Equipe como tema transversal na formação do enfermeiro: o olhar contextualizado, integrador e multidimensional”, “Estratégias de Ensino e Aprendizagem para o Trabalho em Equipe - Um Circuito Recursivo” e “A Dialógica do Trabalho em equipe: Rompendo Paradigmas e Construindo Pontes”. Espera-se aprimorar o ensino do tema, sem reduzi-lo a conceitos e desta forma contribuir para a educação por meio de reflexão, corroborando para o crescimento e desenvolvimento de estratégias de ensino, culminando na ampliação do entendimento teórico e prático desta fundamental e desafiadora ferramenta chamada trabalho em equipe.

 

Palavras-chave: Educação. Equipe. Pensamento Complexo.     

 

Abstract

Health care is complex, multifactorial and interdisciplinary. In this scenario, nurses have a fundamental role: the articulator and care constructor. The teacher appears in this process with an essential role in the professionals training able to manage care and work as a team. It was decided to study a nursing course that presents a differentiated and innovative proposal, the integrated curriculum of the State University of Londrina. Therefore, this research had the objective of analyzing the insertion of the theme team work in the four grades of an undergraduate course. A qualitative and comprehensive research, of the case study type, in which individual interviews were conducted with 19 teachers of  nursing course at a public university in the south of Brazil. Documentary  analysis was also carried out of 18 notebooks of the modules that make up each year of this course. The data were subjected to comprehensive analysis in the light of Edgar Morin's Complex Thought. Results emerged in three categories: "Teamwork as a cross-cutting theme in the training of nurses: the contextualized, integrating and multidimensional look", "Teaching and Learning Strategies for Teamwork - A Recursive Circuit" and "Dialogical Teamwork : Breaking Paradigms and Building Bridges ". It is hoped to improve the teaching of the subject, without reducing it to concepts and thus contributing  to education through reflection, corroborating to the growth and development of teaching strategies culminating in the expansion of the theoretical and practical understanding of this fundamental and challenging tool called teamwork.

 

Keywords: Education. Team. Complex Thinking.

 

Biografia do Autor

Raphaella Lima de souza Guimarães, UNOPAR, Curso de Graduação. PR, Brasil.
Docente do curso de Graduação em Enfermagem da UNOPAR. Graduação em Enfermagem pela Universidade Estadual de Londrina (2003).Especialista em Enfermagem em Urgência pela PUC- PR. Mestre em Enfermagem pelo Programa de Mestrado em Enfermagem da Universidade Estadual de Lodrina (2013). Foi Bolsista do Programa de Mestrado em Enfermagem pela Universidade Estadual de Londrina. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem Médico-Cirúrgica, atuando principalmente nos seguintes temas: educação em enfermagem, prática profissional, enfermagem, assistencia de enfermagem e trabalho em equipe.
Mara Lúcia Garanhani, Universidade Estadual de Londrina, PR, Brasil.
Possui Graduação em Enfermagem pela Universidade Estadual de Londrina (1982), mestrado em Enfermagem Fundamental pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo Usp (1993) e doutorado em Enfermagem pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo Usp (2004). Atualmente é Professora Associada da Universidade Estadual de Londrina, tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase na área de Formação de Recursos Humanos em Saúde. Na área de investigação trabalha prioritariamente com pesquisa qualitativa. Atua com maior ênfase nas temáticas: cuidado e cuidadores, formação de recursos humanos em saúde, avaliação, metodologias ativas, currículo integrado e abordagem fenomenológica. Coordena atualmente projetos de pesquisa na área de formação profissional, cuidado humano, currículo integrado e assistência perioperatória.
Sarah Nancy Deggau Hegeto de Souza, Universidade Estadual de Londrina, PR, Brasil.

Graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Estadual de Londrina (1985), mestrado em Enfermagem Fundamental pela Universidade de São Paulo (2000) e Doutorado em Ciências, pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP (2010), no Programa de Enfermagem em Saúde Pública, defendendo a tese: O Aleitamento Materno na Perspectiva da Vulnerabilidade Programática. Atualmente é professora- adjunta da Universidade Estadual de Londrina. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem em Neonatologia, atuando principalmente nos seguintes temas: aleitamento materno, saúde da criança, prematuro, famílias, enfermagem - estudo e ensino e enfermagem - currículos. Facilitadora Nacional da Estratégia Amamenta-Alimenta Brasil e AIDPI Neonatal.

 
Maria do Carmo Lourenço Haddad, Universidade Estadual de Londrina, PR, Brasil.
Possui graduação em Enfermagem, mestrado em Histologia pela Universidade Estadual de Londrina (1994) e doutorado pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (2004). Professora Associada do Departamento de Enfermagem da Universidade Estadual de Londrina-PR. Professora do Programa de Pós Graduação - Mestrado e Doutorado - em Enfermagem da Universidade Estadual de Londrina-PR e professora convidada do Programa de Pós Graduação em Enfermagem da Universidade Estadual de Maringá-PR. Professora da Residencia em Gerência de Serviços de Enfermagem do Hospital Universitário de Londrina-PR. Tem experiência profissional na gestão de serviços de enfermagem e docente na área de gerenciamento de enfermagem. Desenvolve pesquisas sobre os temas: gestão de serviços de enfermagem, saúde do trabalhador e assistência ao portador de diabetes mellitus com foco no pé diabético. Integra o banco de Avaliadores do INEP desde 2003. Bolsista Produtividade em Pesquisa CNPQ desde 2016. Membro da Comissão Nacional de Qualidade do Conselho Federal de Enfermagem desde agosto de 2016. 

Referências

BACKES, D.S. et al. Trabalho em equipe multiprofissional na saúde: da concepção ao desafio de fazer na prática. Disciplinarum Scientia. Série Ciências da Saúde, v.15, n.2, p.277-89, 2014.

CRUZ, R.A.O. et al. Reflexões à luz da Teoria da Complexidade e a formação do enfermeiro. Rev Bras Enfermagem, v.70, n.1, p. 224-7, 2017.

DESSUNTI E. M. et al. Capítulo 1: Contextualização do Currículo Integrado do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual de Londrina. UEL, 2012.

FREITAS. F.D.S.; FERREIRA, M.A. Saberes de estudantes de enfermagem sobre a humanização. Rev Bras Enfermagem, v69, n2, p. 282-9, 2016

FURUKAWA P.O.; CUNHA I.C.K.O. Da gestão por competências às competências gerenciais do enfermeiro. Revista Brasileira de Enfermagem, v.63, n.6, p.1061-6 , 2010.

HESSEL A, SILVA J. A inteligência coletiva e conhecimento aberto: relação retroativa recursiva.In: Okada, A. Open Educational Resources and Social Networks:Co-Learningand Professional Development. London:Scholio Educational Research & Publishin, 2012

KIKUCHI, E.M et al. Capítulo 6: Avaliação da aprendizagem no Currículo Integrado. In: KIKUCHI, E.M; GUARIENTE, M.H.D.M (Org). Currículo Integrado: A experiência do curso de Enfermagem da Universidade Estadual de Londrina. Londrina: UEL, 2012.

LOURENÇÃO DCA, BENITO GAV. Competências gerenciais na formação do enfermeiro. Rev Bras Enferm, v.63, n.1, 2010.

MORIN E. A religação dos saberes: o desafio do século XXI. 9 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

NAVARRO, A.S.S.; GUIMARAES, R.L.S.; GARANHANI, M.L. Trabalho em equipe: o significado atribuído por profissionais da estratégia de saúde da família. Rev Min de Enfermagem, v.17, n.1, p.69-75, 2013.

NEVES, V.R.; SANNA, M.C. Conceitos e práticas de ensino e exercício da liderança em Enfermagem. Rev Bras Enfermagem, v.69, n.4, p. 733-40, 2016.

ORTEGA, M.C.B. Formação acadêmica do profissional de enfermagem e sua adequação às atividades de trabalho. Rev Latino-Am Enfermagem, v.23, n3, p.404-10, 2015.

PEDUZZI M. et al. Trabalho em equipe na perspectiva da gerência dos serviços de saúde: instrumentos para a construção da prática interprofissional. Revista Saúde Coletiva, v. 21, n. 2, p. 629-646, Rio de Janeiro, 2011.

RIBEIRO, M.R.R.; CIAMPONE, M.H.T. Aplicabilidade do pensamento complexo à prática pedagógica no ensino da graduação em Enfermagem. Cienc cuid Saude, v.9, n.1, p. 173-78, 2010.

SANTOS, S.S.C; HAMMERSCHIMIDT, K.S.A. A complexidade e a religação de saberes interdisciplinares: contribuição do pensamento de Edgar Morin. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 65, n. 4, p. 561-565, Brasilia, 2012.

SILVA, A.N.; FREITAS, M.G. O ensino do cuidar na Graduação em Enfermagem sob a perspectiva da complexidade. Rev Esc Enferm USP, v.44, n.3, p. 687-93, 2010.

SILVA, J.P.; GARANHANI, M.L.; PERES, A.M. Sistematização da Assistência de Enfermagem na graduação: um olhar sob o Pensamento Complexo. Rev Latino-Am. Enfermagem, v.23, n.1, p.59-66, 2015.

SOUZA, G.C. et al. Trabalho em equipe em Enfermagem: circunscrito à profissão ou colaboração interprofissional. Rev Esc Enf USP, v.50, n.4, p. 640-47, 2016.

TACLA, M.T.G.M. Capítulo 4: Boas práticas de ensino no Currículo Integrado de Enfermagem. In: KIKUCHI, E.M, GUARIENTE, M.H.D.M (Org). Currículo Integrado: A experiência do curso de Enfermagem da Universidade Estadual de Londrina. Londrina: UEL, 2012.

Publicado
2018-12-30
Seção
Artigos