Movimento Social e Espaços de Aprendizagens no Brasil: o Caso das Quebradeiras de Coco de Imperatriz no Maranhão

Rosyjane Paula Farias Pinto, Neli Teresinha Galarce Machado, Marcos Rogério Kreutz

Resumo


Este trabalho notabiliza os movimentos sociais como espaços de ensino e aprendizagem, tornando-se ambientes propícios para a construção de novos e significativos saberes de mulheres quebradeiras de coco babaçu em busca de maior autonomia e liberdade. O objetivo do estudo é conhecer a história das quebradeiras de coco, procurando compreender de que forma o movimento tem possibilitado a essas mulheres, por meio das atividades coletivas, a obtenção de novos saberes, bem como a concepção dessas mulheres quebradeiras sobre aprendizagem e ensino. O trabalho delineado é de caráter etnográfico, com análise qualitativa. Os resultados demonstram que o movimento social, enquanto espaço de ensino e aprendizagem, propicia às mulheres quebradeiras garantir uma identidade ressignificada, a partir das relações coletivas.

Palavras-chave: Mulheres. Movimento Social. Aprendizagens. Quebradeiras de Coco babaçu. Maranhão.

Abstract

This work marks the social movements as teaching and learning spaces, becoming good environments for the construction of new and significant knowledge of babassu coconut breakers women seeking a greater autonomy and freedom. This study aims to know the history of coconut breakers, trying to understand how the movement has enabled these women through collective activities to obtain new knowledge, as well as the conception of these women on learning and teaching. The outline of this work is of ethnographic character, with qualitative analysis. The results demonstrate that the social movement, as a space for teaching and learning, provides coconut breakers women a resiginized identity based on collective relations.

Keywords: Women. Social movement. Learning. Babassu coconut breakers. Maranhão


Palavras-chave


Mulheres. Movimento social. Aprendizagens. Quebradeiras de coco babaçu. Maranhão

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. W. Quebradeiras de coco: identidade e mobilização: legislação específica e fontes documentais e arquivísticas. São Luís: MIQCB, 1995.

ANASTASIOU, L.G.C; ALVES, L.P. Estratégias de ensinagem. In: ANASTASIOU, L.G.C.; ALVES, L.P. (Org.). Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. Joinville: Univille, 2015. p.67-100.

AYRES JUNIOR, J.C. A organização das quebradeiras de coco babaçu e a refuncionalização de um espaço regional na microrregião do Médio Mearim Maranhense. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

AZEVEDO, D.A. Movimentos sociais, sociedade civil e transformação social no Brasil. Rev. Multidisciplinar UNIESP, n.9, p.214-223, 2010.

BARBOSA, V.O. Mulheres do babaçu: gênero, materialismo e movimentos sociais no Maranhão. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2013.

BARBOSA, V.O. Na terra das palmeiras: gênero, trabalho e identidades no universo de quebradeiras de coco babaçu no Maranhão. Jundiaí: Paco, 2015.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BAQUERO, R.V.A. Empoderamento: instrumento de emancipação social? – Uma discussão conceitual. Rev. Debates, v.6, n.1, p.173-187, 2012.

CASTELLS, M. O Poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

FIEMA. Federação das Indústrias do Estado do Maranhão. 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2018.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP, 2000.

FREIRE, P.; SHOR, I. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

GOHN, M. G. Educação não-formal e cultura política. São Paulo: Cortez, 2008.

GOHN, M. G. Movimentos sociais e educação. São Paulo: Cortez, 2012.

GOHN, M. G. Aprendizagens em pedagogias alternativas: movimentos sociais, desigualdade e diversidade. Desigualdade e Diversidade Rev. Ciênc. Soc., n.12, p.13-27, 2013.

GONÇALVES, M.F. A reinvenção do Maranhão dinástico. São Luís: UFMA/PROIN, 2000.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2015. Disponível em: . Acesso em 10 ago. 2018.

LUNA, R.C. A terra era liberta: um estudo da luta dos posseiros pela terra no vale do Pindaré, MA. São Luís: EDUFMA, 1984.

MARANHÃO. Dispõe sobre as terras de domínio público e dá outras providências. Lei n. 2.979, São Luiz: 1969. In: GONÇALVES, M. de F. C. A reinvenção do Maranhão dinástico. São Luís: UFMA, PROIN, 2000.

MESQUITA, B. As mulheres agroextrativistas do babaçu: a pobreza a serviço da preservação do meio ambiente. Rev. Política Pública, v.12, n.1, p.53-61, 2008.

OAKLEY, P.; CLAYTON, A. Monitoramento e avaliação do empoderamento. São Paulo: Instituto Pólis, 2003.

PINTO, R.P.F. Movimentos sociais, aprendizagem e mulheres do povoado de Coquelândia/Imperatriz/Maranhão. Dissertação (Mestrado em Ensino) - Centro Universitário Univates, Lajeado, 2015.

RÊGO, J.L.; ANDRADE, M.P. História de mulheres: breve comentário e a identidade das quebradeiras de coco babaçu no Maranhão. Agrária, n.3, p.47-57, 2005.

ROWLANDS, J. Empoderamiento y mujeres rurales en Honduras: un modelo para el desarrollo. In: LEÓN, M. (Org.). Poder y empoderamiento de las mujeres. Bogotá: Tercer Mundo, 1997. p.213-245.

SCHERER-WARREN, I. Redes de movimentos sociais. São Paulo: Loyola, 1996.

SILVA, C.; ARANTES, R.; FERREIRA, V. Nosso trabalho sustenta o mundo. Recife> SOS Corpo, 2012.

TARROW, S. O poder em movimento: movimentos sociais e confronto político. Petrópolis: Vozes, 2009.

TOURAINE, A. Palavra e sangue: política e sociedade na América Latina. Campinas: Editora Unicamp, 1989.




DOI: http://dx.doi.org/10.17921/2447-8733.2018v19n3p336-343

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista de Ensino, Educação e Ciências Humanas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.