A Experiência de Ser Mestrando e a Perspectiva de Ser Mestre

  • Antonio Sales Universidade Anhanguera - Uniderp, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática. MS, Brasil.
  • Kátia Guerchi Gonzales Universidade Anhanguera-Uniderp, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática. MS, Brasil.
  • Luciana Paes de Andrade Universidade Anhanguera-Uniderp, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática. MS, Brasil.
Palavras-chave: Ensino, Educação, Formação de pesquisadores

Resumo

Esse artigo tem como finalidade destacar as narrativas autobiográficas como instrumento potencial na formação de docentes/pesquisadores, além de estudar as manifestações dos fenômenos relacionados com a vivência dos alunos Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática da Uniderp, Campo Grande – MS. Inspirada em aportes teóricos e metodológicos da investigação interpretativa e da pesquisa narrativa e autobiográfica, com o enfoque nas experiências, o estudo focaliza-se na elaboração individual de relatos dos mestrandos, por meio de cartas. Salientamos que as cartas favoreceram momentos para conhecermos os percursos individuais e também coletivos de formação. Um processo reflexivo-crítico que carece de autonomia social e individual. Desse modo, o cenário da primeira disciplina, da primeira turma do Programa de Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática se apresentou significante para instanciar cenários em que a relevância está no sujeito social enfocado: docentes/mestrandos no início da carreira como pesquisador. Observamos ainda que, as cartas para compreensão de processos formativos, em especial na formação individual de docentes/pesquisadores, se desenham entre experiências de histórias de vida, e por esse motivo, revelam suas singularidades. Foi possível perceber, ao final do estudo, que as narrativas autobiográficas são frutíferas tanto para a reflexão-crítica de si mesmo, para os sujeitos em formação, como também é relevante para o pesquisador que busca compreender os processos formativos a partir da experiência singular de cada sujeito – em nosso caso, de cada mestrando.

 

Palavras-chave: Escritas. Formação de Pesquisadores. Fontes de Pesquisa.

Abstract

This article aims to highlight the autobiographical narratives as a potential instrument in the training of teachers/researchers, as well as to study the manifestations of the phenomena related to the experience of Master 's degree students in the Academic Master's Program in Science and Mathematics Teaching at Uniderp, Campo Grande -  MS. Inspired by the theoretical and methodological contributions of interpretive research and narrative and autobiographical research, focusing on the experiences, the study focuses on the individual elaboration of reports of the master’s degree students, through letters. We emphasize that the letters favored moments to know the individual and also collective paths of formation. A reflexive-critical process that lacks social and individual autonomy. Thus, the scenario of the first discipline of the first group of the Master's Program in Science and Mathematics Teaching was significant to instantiate scenarios in which the relevance is in the social subject focused: teachers/masters at the beginning of the career as a researcher. We also note that the letters for the understanding of formative processes, especially in the individual formation of teachers/researchers, are drawn between experiences of life histories, and for this reason, reveal their singularities. At the end of the study, it was possible to perceive that autobiographical narratives are fruitful both for the reflection-critic of oneself, for the subjects in formation, and also for the researcher who seeks to understand the formative processes from the singular experience of each subject - in our case, each master's degree student.

 

Keywords: Writing. Training of Researchers. Search Sources.

 

Referências

BONDIA, J.L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Rev. Bras. Educ., n.19, p.20-28, 2002.

BOTÍA, A.B. De nobis ipsis silemus? Epistemología de la investigación biográfico-narrativa en educación. Rev. Investig. Educ., v.4, n.1, 2002.

BOFF, C. Experiência de Deus e outros escritos de espiritualidade. São Paulo: Paulus, 2017.

CATANI, D.B. As leituras da própria vida e a escrita de experiências de forma. Rev. FAEEBA –Educ. Contemp., v.14, n.24, p. 31-40, 2005.

FANTON, M. O conceito de existência em Martin Heidegger e Enerst Thugendhat. Porto Alegre: PUC, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003a.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, v. 26, 2003b.

GARNICA, A.V.M. A experiência do labirinto: metodologia, história oral e educação matemática. São Paulo: UNESP, 2008.

GOMES, M. L.M. Escrita autobiográfica e história da educação matemática. Bolema, v.26, n.42A, p.105-137, 2012.

LAPORTE, A.M.; VOLPE, N. Existencialismo: uma reflexão antropológica e política a partir de Heidegger e Sartre. Curitiba: Juruá, 2000.

LIMA, M.S.L. A carta como elemento de formação de professores. Rev. Faced, n.8, p.155-161, 2004.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. Rio de janeiro: Livraria Freitas Bastos, 1971.

ROEHE, M.V. Uma abordagem fenomenológico-existencial para a questão do conhecimento em psicologia. Estud. Psicol., v.11, n.2, p.153-158, 2006.

NASCIMENTO, G.C.M.; SCORSOLINI-COMIN, F. Significados atribuídos ao relacionamento amoroso estável em jovens homossexuais do sexo masculino. Contextos Clínicos, v.12, n. 1, p. 48-74, 2019.

NÖRNBERG, N.E. Das cartas à sala de aula: Elô torna-se professora. Rev. Acadêmica Licencia&acturas , v.4, n.2, p.9-15, 2016.

NÓVOA, A; FINGER, M. O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: MS/DRHS/CFAP, 1988.

PASSEGGI, M.C. A experiência em formação. Educação, v.34, n.2, p. 147-156, 2011.

PINEAU, G. As histórias de vida em formação. Gênese de uma corrente de pesquisa-ação-formação existencial. Educ. Pesq., v.32, n.2, p.329-343, 2006.

PORTAL, L.L.F. Cartas: um instrumento desvelador da amorosidade do ser professor. CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -EDUCERE, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, de 23 a 26/09/ 2013. p.15535-15548..

SCHULTZ, A. Sobre fenomenologia e relações sociais. Petrópolis: Vozes, 2012

SOUZA, E.C.; MENEZES, J.M.F. História da Educação na Bahia: recortes e aproximações sobre a constituição do campo. In: VASCONCELOS, J.G.; NASCIMENTO, J.C. (Org.). História da Educação no Nordeste Brasileiro. Fortaleza: UFC, 2006, p.136-153.

SOUZA, E. C. (Auto)biografia, histórias de vida e práticas de formação In: NASCIMENTO, AD.; HETKOWSKI, T.M. (Org.). Memória e formação de professores [online]. Salvador: EDUFBA, 2007.

VIÑAO, A. Las autobiografías, memorias y diarios como fuente histórico-educativa: tipología y usos. Teias Rev. Fac. Educ. UERJ, v.1, n.1, p.82-97, 2000.

Publicado
2019-12-20
Seção
Artigos