Fatores que Dificultam a Permanência de Estudantes com Deficiência no Ensino Superior

  • Isabela Samogim Santos Universidade do Oeste Paulista, Programa de Pós-Graduação em Educação. SP, Brasil.
  • Alex Sandro Gomes Pessoa Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Psicologia. SP, Brasil.
Palavras-chave: Estudantes com deficiência, Ensino Superior, Inclusão, Permanência.

Resumo

A inclusão representa um desafio em todas as modalidades de ensino, desde a Educação Infantil até o Ensino Superior. Torna-se, desse modo, fundamental entender as diferenças e as especificidades das pessoas com deficiência para implantação de modelos educativos inclusivos em cada modalidade de ensino. Este artigo teve como objetivo identificar e analisar, a partir do ponto de vista dos estudantes com deficiência, os fatores que dificultam a permanência nas instituições de ensino superior e, eventualmente, promovem a evasão nesta modalidade de ensino. O estudo proposto foi de natureza qualitativa, em recorte transversal. A pesquisa foi realizada em duas universidades localizadas numa cidade de médio porte do interior do estado de São Paulo, sendo uma pública e outra privada. Após a definição dos critérios para recrutamento dos participantes, sete universitários com deficiência aceitaram participar voluntariamente da pesquisa. Os instrumentos utilizados foram entrevistas semiestruturadas e a entrevista reflexiva, sendo que os dados obtidos foram analisados por meio da análise de conteúdo. Os resultados indicaram que diversas práticas no interior da universidade podem estar associadas à exclusão, variando de questões objetivas, como a ausência de recursos adaptados e barreiras arquitetônicas, a aspectos relacionais, como a presença de preconceito e resignação dos próprios estudantes com deficiência. Desse modo, apesar do notório aumento de estudantes com deficiência no ensino superior, este estudo revelou que ainda existem necessidades de mudanças significativas na cultura institucional para que a inclusão seja, de fato, uma realidade nas universidades.

 

Palavras-chave: Estudantes com Deficiência. Ensino Superior. Inclusão. Permanência.

 

Abstract

Inclusion represents a challenge in all levels of teaching, from early childhood to higher education systems. Based on that, it is essential to understand the differences and specificities of people with disabilities for the implementation of inclusive educational models in each teaching modality. This article aimed to evaluate, from the point of view of undergraduate students with disabilities, the challenges they face to stay in the university and the factor that may be associated to drop off the institution. Using a qualitative approach, the research was conducted within two universities located in a medium-sized city in São Paulo state. After defining the criteria for recruiting the participants, 7 undergraduate students with disabilities voluntarily accepted to participate in the research. The instruments used were semi-structured interviews and the reflective interviews, and the data gathered from the fieldwork were analyzed through content analysis. Findings pointed out that several practices within the university may be associated with exclusion, ranging from objective issues, such as the absence of adapted resources and architectural barriers, as well as negative relationships which expose them to prejudice. Thus, despite the notorious increase of undergraduate students with disabilities in higher education in Brazil, this study revealed that there are a range of necessary changes to become the universities truly inclusive.

 

Keywords: Students with disabilities; Higher education; Inclusion; Exclusion.

Biografia do Autor

Alex Sandro Gomes Pessoa, Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Psicologia. SP, Brasil.
Psicólogo (UNOESTE), Licenciado em Educação Física, Mestre e Doutor em Educação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Realizou estágio de doutorado sandwich na Faculdade de Educação e Serviço Social da Universidade de Sydney (Austrália) e Pós-Doutorado em Psicologia pelo Departamento de Psicologia do Desenvolvimento e da Personalidade da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Vinculado ao Departamento de Psicologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Docente permanente do Programa de Pós Graduação em Psicologia da UFSCar (Mestrado e Doutorado). Representante Latino-americano no Conselho da International Association for the Promotion and Dissemination of Research on Resilience (Resilio). Desenvolve projetos de pesquisa e intervenção na área de proteção à criança e ao adolescente. Participou de eventos científicos no Brasil e no exterior, apresentando trabalhos completos e resultados de pesquisa. Seus temas de interesse são: processos de resiliência; desenvolvimento psicológico em situações adversas; fatores de risco e proteção; violência contra crianças e adolescentes; adolescentes em conflito com a lei. (Contato: alexpessoa@ufscar.br)

Referências

BARDIN, L. Análise do conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BATISTA, C.A.M. Atendimento educacional especializado para pessoas com deficiência mental. In: MANTOAN, M.T.E. O desafio das diferenças nas escolas. Petrópolis: Vozes, 2013.

BLANCO, R. Atenção à diversidade na sala de aula e as adaptações do currículo. In: COLL, C.; MARCHESI, A.; PALACIOS, J.A. (Org.). Desenvolvimento psicológico e educação: transtornos de desenvolvimento e necessidades educativas especiais. Porto Alegre: Artmed, 2004. p.290-308.

CABRAL, L.S.A. Inclusão do público-alvo da Educação Especial no Ensino Superior brasileiro: histórico, políticas e práticas. Rev. Educ. PUC, v.22, n.3, p.371, 2017.

CABRAL, L.S.A; MELO, F.R.L.V. Entre a normatização e a legitimação do acesso, participação e formação do público-alvo da educação especial em instituições de ensino superior brasileiras. Educar Rev., v.3, n.3, p.55-70, 2017.

CAMARGO, E.P. Inclusão social, educação inclusiva e educação especial: enlaces e desenlaces. Ciênc. Educ., v.23, n.1, p.1-6, 2017.

CALHEIROS, D.S.; FUMES, N.L.F. O(a) aluno(a) com deficiência nas instituições de ensino superior da cidade de Maceió/AL. Debates Educ., v.3, n.5, p.63-81, 2011.

FERREIRA, J.R. Educação especial, inclusão e política educacional: notas brasileiras. In: RODRIGUES, D. (Org.) Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006. p.85-113.

FIGUEIREDO, R.V. A formação de professores para a inclusão dos alunos no espaço pedagógico da diversidade. In: MANTOAN, M.T.E. O desafio das diferenças nas escolas. Petrópolis: Vozes, 2013. p.141-145.

GALVÃO FILHO, T.A. A construção do conceito de Tecnologia Assistiva: alguns novos interrogantes e desafios. Rev. FACED, v.2, n.1, p.25-42, 2013.

HARTLEY, M. Examining the relationships between resilience, mental health, and academic persistence in undergraduate college students. Am. J. Coll. Health, v.59, n.7, p.596-604, 2011.

KAUFFMAN J.M. Characteristics of emothion al and behavioral disordes of children and youth. New Jersey: Pearson Educational, 2005.

LIBÓRIO, R.M.C. et al. Resiliência e processos protetivos de adolescentes com deficiência física e surdez incluídos em escolas regulares. Rev. Bras. Educ. Esp., v.21, n.2, p.185-198, 2015.

MARTINS, L.M.S.M.; SILVA, L.G.S. Trajetória acadêmica de uma estudante com deficiência visual no ensino superior. Rev. Educ. Questão, v.54, n.41, p.251-274, 2016.

MACHADO, C.F.; COSTAS, F.A.T. O papel da gestão na formação inicial de professores com vistas à educação inclusiva. Rev. Gestão Aval. Educ., v.2, n.3, p.73-92, 2015.

MACHADO, R. Educação Inclusiva: revisar e refazer a cultura escolar. In: MANTOAN, M.T.E. O desafio das diferenças nas escolas. Petrópolis: Vozes, 2013. p.69-19.

MANTOAN, M.T.E. O desafio das diferenças nas escolas. Petrópolis: Vozes, 2013.

MAZZONI, A.A; TORRES, E.F.; ANDRADE, J.M.B. Admissão e permanência de estudantes com necessidades educativas especiais no ensino superior. Acta Scie., v.23, n.1, p.21-126, 2000.

MAZZOTTA, M.J.S. Reflexões sobre inclusão com responsabilidade. Rev. @mbienteeducação, v.1, n.2, p.165-168, 2008.

MINAYO, M.C.S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2012.

PEREIRA, R.R. et al. Inclusão de estudantes com deficiência no ensino superior: uma revisão sistemática. Rev. Educ. Esp., v.29, n.54, p.147-160, 2016.

PORCELLI, P. et al. (Micro)mobility, disability and resilience: Exploring well-being among youth with physical disabilities. Disability Soc., v.29, n.6, p.863-876, 2014.

SANTOS, M. P. O papel do ensino superior na proposta de uma educação inclusiva. Rev. Movimento, n.7, p.78-91, 2003.

SANTOS, M.T.C.T. Inclusão Escolar: desafios e perspectivas. In: MANTOAN, M.T.E. O desafio das diferenças nas escolas. Petrópolis: Vozes, 2013.

SANTOS, A.A.N.; PONCE, R.F. Educação especial e teoria histórico cultural: em defesa da humanização do homem. Nuances Estud. Educ., v.26, p.296-302, 2015.

SASSAKI, R.K. Causa, impedimento, deficiência e incapacidade, segundo a inclusão. Rev. Reação, n.87, p.14-16, 2012.

SILVA. L.M. O estranhamento causado pela deficiência: preconceito e experiência. Rev. Bras. Educ., v.11, n.33, p.424-434, 2006.

SILVA, A.M. Educação Especial e inclusão escolar: história e fundamentos. Curitiba: InterSaberes, 2012.

YUNES, M.A.M.; SZYMANSKI, H. Entrevista Reflexiva e Grounded Theory: estratégias metodológicas para a compreensão da resiliência em famílias. Interam. J. Psychol., v.39, n.3, p.431-439, 2005.

ŻÓŁKOWSKA, T. The origin of the prejudice against the disabled. Opusculasociologica, v.1, n.1, p.37-48, 2015.

Publicado
2019-12-20
Seção
Artigos