Concepções de Mulheres Estudantes de Educação Física Sobre Assédio e Preconceito como Desafios para Atuação Profissional

Autores

  • Clara Regina Menezes da Rocha Faculdade Gama e Souza
  • Wallace Carlos Pires de Lacerda Faculdade Gama e Souza
  • Felipe da Silva Triani Faculdade Gama e Souza
  • Glhevysson dos Santos Barros Universidade Unigranrio

DOI:

https://doi.org/10.17921/2447-8733.2021v22n1p20-25

Resumo

Resumo
Atualmente, embora o preconceito ainda exista, está escondido. Tradicionalmente, o preconceito contra a mulher na Educação Física pode ser observado, tanto no ambiente escolar, como esportivo. Diante de diferentes situações que as mulheres já vivenciaram, no que se refere ao mercado de trabalho, na Educação Física, há alguns casos que evidenciam esforços de algumas mulheres em criarem espaços alternativos. Diante desses fatos, o objetivo deste manuscrito foi conhecer e analisar a concepção de mulheres acadêmicas do curso de Bacharelado em Educação Física sobre os desafios encontrados no cotidiano profissional. Participaram do estudo 42 mulheres, estudantes de Educação Física, que faziam estágio em academia de ginástica, com idade entre 20 e 50 anos, todas da cidade do Rio de Janeiro. A coleta de dados foi realizada no primeiro semestre do ano de 2018. Nesse contexto, foram adotados os seguintes critérios de inclusão: a) ser do sexo feminino; b) estar cursando graduação em Educação Física e; c) estar em período de estágio acadêmico obrigatório ou não. Desse modo, o critério de exclusão foi o não atendimento a qualquer um dos critérios de inclusão. As estudantes responderam a um questionário e participaram de uma entrevista. Os resultados indicaram que os desafios encontrados no cotidiano são o assédio no caminho para o trabalho, no ambiente profissional e representações de sexo frágil, no que se refere ao trabalho com pesos nas academias de ginástica.

Palavras-chave: Mulheres. Educação Física. Práticas Sociais.

Abstract
Nowadays, although prejudice still exists, it is hidden. Traditionally, prejudice against women in physical education can be observed in both the school and sports environments. Faced with different situations that women have already experienced regarding the labor market, in physical education there are some cases that show some women's efforts to create alternative spaces. Given these facts, the purpose of this manuscript was to know and analyze the conception of female students of the bachelor degree course in physical education about the challenges encountered in their daily work. The study included 42 women, Physical Education students who were interning in a gym, aged between 20 and 50 years, all of them from the city of Rio de Janeiro. Data collection was performed in the first semester of 2018. In this context, the following inclusion criteria were adopted: a) being female; b) being studying undergraduate degree in Physical Education and; c) being in a period of compulsory academic internship or not. Thus, the exclusion criterion was not meeting any of the inclusion criteria. The students answered a questionnaire and participated in an interview. The results indicated that the challenges encountered in daily life are harassment on the way to work, in the professional environment and fragile sex representations concerning working out with weights in gyms.

Keywords: Women. PE. Social practices.

Referências

CÂNDIDO, C.M.; ASSIS, M.R.; FERREIRA, N.T.; COELHO, L.A.M.C. A representação da Educação Física na 18ª temporada da telenovela Malhação. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 95-106, 2015.

CASARINO, T.A.F.; QUEVEDO, E.R.; GERVASONI, T.A. A discriminação contra a mulher: análise histórica e contemporânea. Anais da semana acadêmica Fadisma Entrementes. Edição 11, 2014.

COSTA, M.R.F.; SILVA, R.G. A Educação Física e a Co-Educação: Igualdade ou Diferença?. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 23, n. 2, p. 43-54, janeiro de 2002.

DARIDO, S.C. Futebol Feminino no Brasil: Do seu Início à Prática Pedagógica. Motriz, Rio Claro, SP. 2002.

DARIDO, S.C.; RANGEL, I.C.A. Educação física na escola: implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

DEVIDE, F.P. Estudos de Gênero na Educação Física Brasileira. Motriz, Rio Claro, SP, v.17, n.1, p. 93-103, jan./mar. 2011.

FRAZÃO, D.P.; COELHO FILHO, C.A.A. Motivos para a prática de ginástica em academias exclusivas para mulheres. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 149-158, 2015.

FUKUDA, R.F. Assédio Sexual: uma releitura a partir das relações de gênero. Simbiótica, Ufes, v.ún., n.01, p. 119-135, 2012.

LESSA, P.; OSHITA, T.A.D.; VALEZZI, M. Quando as mulheres invadem as salas de musculação: aspectos biossociais da musculação e da nutrição para mulheres. Iniciação Científica CESUMAR, v. 09, n.2, p. 109-117, 2007.

LIMA, F.M.; DINIS, N.F.. Corpo e Gênero nas práticas Escolares de Educação Física. Currículo sem Fronteiras, v. 7, n.1, p. 243-252, 2007.

MATIAS, V.S.T. Experiência de Vida numa Academia e a formação Profissional. Campina Grande, PB. 2013.

MOURA, D.L.; SANTOS, F.O.; BENTO, G.S.; LOVISOLO, H. Esportes, Mulheres e Masculinidades. Esporte e Sociedade, v. 5, n. 13, 2009.

MOURÃO, L. Representação Social da Mulher Brasileira nas Atividades Físico-Desportivas: Da segregação à Democratização. Movimento, v. 7, n.13, 2000.

NEIVA, G.; GOMES, E.M.; COSTA, J.S. Academias de Ginástica só para Mulheres: Inovação ou tradição? 15º Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte; 2º Congresso Internacional de Ciências do Esporte; 16-21 set 2007; Pernambuco, BR. Pernambuco: CONBRACE/CONICE; 2007.

PAIXÃO, J.A. Dificuldades enfrentadas por professores de educação física em academias de ginástica e em escolas de educação básica no início de carreira. Pensar a Prática, Goiânia, v. 20, n. 3, 2017, p. 552-564.

PRADO, V.M.; RIBEIRO, A.I.M. Gêneros, Sexualidades e Educação Física Escolar: Um início de conversa. Motriz, Rio Claro, São Paulo, v. 16, n.2, p. 402-413, 2010.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, v. 20, n. 2, p. 71-99, 1995.

SEVERINO, A.J. Metodologia do trabalho científico. 23 ed. rev. e atual – São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, S.G. Preconceito no Brasil Contemporâneo: as pequenas diferenças nas constituições da subjetividade. Psicologia Ciência e Profissão, v. 23, n. 2, p. 2-5, 2003.

SILVA, S.G. Preconceito e discriminação: as bases da violência contra a mulher. Psicologia Ciência e Profissão, v. 30, n. 3, p. 556-571, 2010.

VIEIRA, M.K et al. A síndrome do esgotamento profissional em professores de educação física que atuam nas academias d ginástica e musculação. Revista Biomotriz, v. 8, n. 2, p. 1-19, 2014.

Downloads

Publicado

2021-03-25

Edição

Seção

Artigos