A Produção Sobre Metodologias Ativas na Pós-Graduação Brasileira (2004-2017): Caracterização e Indicadores Bibliométricos

Resumo

Resumo
A introdução de metodologias ativas na educação brasileira tem sido realizada, de forma paulatina, em todos os níveis de ensino e, consequentemente, se tornado alvo da investigação científica. Assim, o objetivo deste estudo foi caracterizar a produção sobre metodologias ativas no âmbito da pós-graduação brasileira, sua abrangência e características bibliométricas. Para tanto, foram identificados 164 registros (27 teses e 137 dissertações) produzidos entre 2004 e 2017, com predomínio da produção em mestrados profissionais (n = 82) e com tendência de crescimento anual (Z = 3,53, p < 0,01, Q = 1,60, IC = 0,40 – 5,00). Há a prevalência de estudos descritivos (n = 84), com programas da área da saúde congregando 44,5% da produção e a aplicação da lei de Lotka aos orientadores indicou frequências similares às de autoria. A análise lexical dos resumos indicou a vinculação da produção a questões normativas no campo da educação nacional e corroborou o foco da produção nas percepções de alunos e professores em relação à adoção de metodologias ativas. Discute-se, a partir dos resultados, a necessidade de desenvolvimento de pesquisas como foco no impacto das metodologias ativas, bem como da necessidade de projetos de pesquisa de longo prazo.

Palavras-chave: Metodologias Ativas. Metodologia de Ensino. Aprendizagem

Abstract
The introduction of active methodologies in Brazilian education has been carried out gradually at all levels of education and consequently has become the target of scientific research. Thus, the aim of this study was to characterize the production on active methodologies in the Brazilian postgraduate degree courses, its scope and bibliometric characteristics. Therefore, 164 records (27 theses and 137 dissertations) produced between 2004 and 2017 were identified, with a predominance of professional master's degrees (n = 82), with an annual growth trend (Z = 3.53, p < 0.01, Q = 1.60, IC = 0.40 - 5.00). There is a prevalence of descriptive studies (n = 84), with health programs congregating 44.5% of the production and the application of Lotka's Law to the supervisors indicated similar frequencies to those of authorship. The lexical abstracts analysis indicated the bonding of production to normative issues in the national education field and corroborated the focus of production on the students’ and professors’ perceptions regarding the adoption of active methodologies. The results discuss the need for research development as a focus on the impact of active methodologies, as well as the need for long-term research projects.

Keywords: Active Methodologies. Teaching Methodology. Learning

Biografia do Autor

Carlos Manoel Lopes Rodrigues, Centro Universitário de Brasília - UniCeub
Mestre e Doutorando em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações pela Universidade de Brasília. Professor Adjunto do Centro Universitário de Brasília.
Veruska Albuquerque, Centro Universitário Projeção.

Administradora, Mestre e Doutora em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações pela Universidade de Brasília. Professora do Centro Universitário Projeção.

Referências

ALVARADO, R. U. A Lei de Lotka na bibliometria brasileira. Ciência da Informação, v. 31, n. 2, p. 14-20, 2002. doi: 10.1590/S0100-19652002000200002

BARBOSA, E. F.; MOURA, D. G. Metodologias ativas de aprendizagem na educação profissional e tecnológica. Boletim Técnico do Senac, v. 39, n. 2, p. 48-67, 2013.

BARBOSA, M. V.; FERNANDES, N. A. M. Políticas públicas para formação de professores: Pibid, mestrados profissionais e PNEM. Em Aberto, v. 30, n. 98, p. 23-39, 2017.

BRANQUINHO-SILVA, A.; RODRIGUES, C. M. L. Aplicação de um modelo de desenvolvimento de competências em um Curso Superior de Tecnologia. Revista Eixo, v.4, n. 2, p. 23-40, 2015. doi: 10.19123/eixo.v4i2.218

CAMAS, N. P. V.; BRITO, G. S. Metodologias ativas: uma discussão acerca das possibilidades práticas na educação continuada de professores do ensino superior. Revista Diálogo Educação, v. 17, n. 52, p. 311-336, 2017. doi: 10.7213/1981-416X.17.052.DS01

COSTA, D. A. S; et al. Diretrizes curriculares nacionais das profissões da Saúde 2001-2004: análise à luz das teorias de desenvolvimento curricular. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 22, n. 67, p. 1183-1195, 2018. doi: 10.1590/1807-57622017.0376

DIESEL, A; BALDEZ, A. L. S.; MARTINS, S. N. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, v. 14, n. 1, p. 268-288, 2017. doi: 10.15536/thema.14.2017.268-288.404

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008

FREITAS, C. M; et al. Uso de metodologias ativas de aprendizagem para a educação na saúde: análise da produção científica. Trabalho, Educação e Saúde, v. 13, n. 2, p. 117-130, 2015. doi: 10.1590/1981-7746-sip00081

GEMIGNANI, E. Y. M. Y. Formação de professores e metodologias ativas de ensino-aprendizagem: ensinar para a compreensão. Fronteiras da Educação, v. 1, n. 2, p. 1-27. 2013.

GOMES, M. P. C; et al. O uso de metodologias ativas no ensino de graduação nas ciências sociais e da saúde: avaliação dos estudantes. Ciência & Educação, v. 16, n. 1, p. 181-198, 2010. doi: 10.1590/S1516-73132010000100011

LÁZARO, A. C; SATO, M. A. V.; TEZANI, T. C. R. Metodologias ativas no ensino superior: o papel do docente no ensino presencial. Anais do CIET: EnPED. São Carlos, SP, Brasil, 2018, p. 1-12.

LEITE, B. S. Gamificando as aulas de química: uma análise prospectiva das propostas de licenciandos em química. Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 15, n. 2, p. 1-10. 2017. doi: 10.22456/1679-1916.79259

LOTKA, A. J. The frequency distribution of scientific productivity. Journal of the Washington Academy of Sciences, v. 16, n. 12, p. 317-323, 1962.

MANN, H. Nonparametric Tests Against Trend. Econometrica, v. 13, n. 3, p. 245-259, 1945. doi:10.2307/1907187

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Portaria Normativa no 7, de 22 de junho de 2009. Brasília: MEC, 2009.

MITRE, S. M; et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & Saúde Coletiva, v. 13, supl. 2, p. 2133-2144. 2008. doi: 10.1590/S1413-81232008000900018

MORÁN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens, v. 2, p. 15-33, 2015.

R CORE TEAM (2018) R: A Language and Environment for Statistical Computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna. Disponível em: https://www.R-project.org

RATINAUD, P. IRAMUTEQ: Interface de R pour les Analyses Multidimensionnelles de Textes et de Questionnaires. Disponível em http://www.iramuteq.org

REINERT, M. ALCESTE, une méthodologie d'analyse des données textuelles et une application: Aurélia de G. de Nerval. Bulletin de Méthodologie Sociologique, v. 28, p. 24-54, 1990. doi: 10.1177/075910639002600103

SANTOS, G. B. D; et al. Similaridades e diferenças entre o Mestrado Acadêmico e o Mestrado Profissional enquanto política pública de formação no campo da Saúde Pública. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, p. 941-952, 2019. doi: 10.1590/1413-81232018243.30922016

SEN, P. K. Estimates of the regression coefficient based on Kendall’s tau. Journal of the American Statistical Association, v. 63, p. 379–1389, 1968. doi: 10.1080/01621459.1968.10480934

SILVA, M. R; HAYASHI, C. R. M.; HAYASHI, M. C. P. I. Análise bibliométrica e cientométrica: desafios para especialistas que atuam no campo. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, v. 2, n. 1, p. 110-129, 2011. doi: 10.11606/issn.2178-2075.v2i1p110-129

SOARES, A. M. J; ALVES, R.; TARGINO, E. Políticas Educacionais na Contemporaneidade: um estudo empírico sobre o impacto da aprendizagem subsidiada por metodologias ativas no ensino superior. Anais. In II Congresso Internacional de Educação Inclusiva–CINTEDI, Campina Grande–PB, 2016.

SOARES-LEITE, W. S.; DO NASCIMENTO-RIBEIRO, C. A. A inclusão das TICs na educação brasileira: problemas e desafios. Magis: Revista Internacional de Investigación en Educación, v. 5, n. 10, p. 178-183, 2012.

VALENTE, J. A; ALMEIDA, M. E. B.; GERALDINI, A. F. S. Metodologias ativas: das concepções às práticas em distintos níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, v. 17, n. 52, p. 455-478, 2017. doi: 10.7213/1981-416X.17.052.DS07

Publicado
2021-01-19
Seção
Artigos