Avaliação Institucional: uma Análise da Literatura Científica e da Legislação Acerca da Autonomia das Faculdades

Autores

  • Rosa Maria da Rocha Neves Machado Universidade Cidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.17921/2447-8733.2021v22n1p26-37

Resumo

Resumo
Este estudo reflete sobre a dinâmica das leis e normas educacionais impostas à gestão administrativa e acadêmica das Instituições de Educação Superior, especialmente, no que tange à autonomia e à busca por notas nos procedimentos avaliativos institucionais. O tema revela contradições e indefinições, que fomentaram o questionamento: partindo-se do princípio de que a avaliação institucional, orientada pelas perspectivas do Sinaes, está parametrizada às Universidades, até que ponto as Faculdades, ditas como não Universitárias, a quem se aplica a mesma avaliação, têm sua identidade institucional considerada no processo de avaliação institucional, dando-lhes condições de autonomia? O objetivo deste artigo foi analisar o impacto da aplicação do instrumento de avaliação institucional emitido pelo Inep nas faculdades, verificando a adequação da realidade institucional, averiguando até que ponto esse instrumento de avaliação considera a diversidade institucional e/ou contribui para definir seu perfil institucional, favorecendo a emancipação e a autonomia. A metodologia se organizou mediante a realização de um levantamento bibliográfico e qualitativo, incluindo-se estudos da documentação normativa. Concluiu-se que a aplicação da avaliação institucional do Inep apresenta características subjetivas e de desigualdade, especialmente, porque configura contradições quanto à nota do Enade como um fator de renovação imediata de atos autorizativos. Há proposta de mudança dessa situação, mas, igualmente, essa está atrelada às questões avaliativas e de resultados alcançados pelas IES.

Palavras-chave: Educação Superior. Sinaes. Inep.

Abstract
This study reflects about the dynamics of laws and educational norms imposed on the administrative and academic management of Higher Education Institutions, especially regarding autonomy and the pursuit of grades in institutional evaluation procedures. The theme reveals contradictions and uncertainties that fomented the question: Assuming that the institutional evaluation, guided by theperspectives of Sinaes, is parameterized to the universities, to what extent do the colleges, said as non-university, to which it applies same evaluation, have their institutional identity been considered in the institutional evaluation process, giving them autonomy conditions? The objective of this paper was to analyze the impact of the application of the institutional assessment instrument issued by Inep on the colleges, verifying the adequacy of the institutional reality, ascertaining to what extent this assessment instrument considers institutional diversity and / or contributes to defining its institutional profile, favoring its emancipation and autonomy. The methodology was organized by conducting a bibliographic and qualitative survey, including studies of normative documentation. It was concluded that the application of Inep institutional evaluation presents subjective and inequality characteristics, especially because it configures contradictions regarding the Enade punctuation as a factor of immediate renewal of authorizing acts. There is a proposal to change this situation, but it is equally associated with the evaluation and results issues achieved by the HEIs.

Keywords: Higher Education. Sinaes. Inep.

Biografia do Autor

Rosa Maria da Rocha Neves Machado, Universidade Cidade de São Paulo

Fundação Instituto de Administração: São Paulo, SP, BR. 2008-08-04 atual; Coordenadora (Secretária Acadêmica)

Universidade Cidade de São Paulo: São Paulo, SP, BR (cursando) Mestrado Profissional Formação de Gestores Educacionais (Stricto Sensu)

Referências

BORTOLANZA, Juarez. Trajetória do Ensino Superior brasileiro – uma busca da origem até a atualidade. XVII Colóquio Internacional de Gestão Universitária, Mar del Plata, Argentina, 22-24 nov. 2017.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.

______. Decreto n. 3.860, de 9 de julho de 2001. Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. Brasília, 2001.

______. Lei n. 10.861, 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES e dá outras providências. Brasília, 2004a.

______. Decreto n. 10.870, de 19 de maio de 2004. Institui a Taxa de Avaliação in loco das instituições de educação superior e dos cursos de graduação e dá outras providências. Brasília, 2004b.

______. Decreto n. 5773, de 9 de maio de 2006. Dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação de instituições de educação superior e cursos superiores de graduação e sequenciais no sistema federal de ensino. Brasília, 2006.

______. Decreto n. 9.235, de 15 de dezembro de 2017. Dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação das instituições de educação superior e dos cursos superiores de graduação e de pós-graduação no sistema federal de ensino. Brasília, 2017.

E-MEC. Perguntas Frequentes. 2019 [online]. Disponível em: <http://emec.mec.gov.br/> Acesso em 12 jun. 2019.

FÁVERO, Maria de Lourdes de Albuquerque. A Universidade no Brasil: das origens à Reforma Universitária de 1968. In Educar, nº 28, Curitiba: Editora UFPR, p. 17-36.

FERRONATO, Felipe Barbosa. Interfaces entre avaliação institucional e gestão de instituições de Ensino Superior: um estudo a partir do Sinaes. 2016. (Mestrado) 154f. Universidade do Vale do Sapucaí. Pouso Alegre, MG, 2016.

FOUCAUT, Michel. Estratégia, Poder-Saber. Tradução Vera Lúcia Avellar Ribeiro. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

GOLDENBERG, Mirian. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. Rio de Janeiro: Record, 2004.

HUMEREZ, Dorisdaia C. de; JANKEVICIUS, José Vítor. Evolução histórica do Ensino Superior no Brasil. [online] 13 maio 2015. Disponível em: <http://www.cofen.gov.br/enfermagem-e-formacao-artigos-cientificos_31492.html > Acesso em 10 jun. 2019.

INEP – INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Censo da Educação Superior. Notas estatísticas 2017. Brasília: INEP/MEC, 2017.

KOGA, Yáscara Michele Neves; GUINDANI, Evandro Ricardo. Educação e neoliberalismo: interferências numa relação tirânica. In Revista Simbiótica, v. 4, n. 2, jul./dez. 2017.

MEC – MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Portaria n. 21, de 21 de dezembro de 2017. Dispõe sobre o sistema e-MEC, sistema eletrônico de fluxo de trabalho e gerenciamento de informações relativas aos processos de regulação, avaliação e supervisão da educação superior no sistema federal de educação, e o Cadastro Nacional de Cursos e Instituições de Educação Superior Cadastro e-MEC. Brasília, 2017.

______. PARECER CNE/CES Nº 398/2019. Regulamentação do § 2º do Art. 54 da Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional (Lei nº 9.394/1996), para permitir que instituições que não possuam o status de Universidades venham a ter as prerrogativas equivalentes a elas, por alta qualidade acadêmica. Brasília, 2019a.

______. PORTARIA Nº 748, DE 23 DE AGOSTO DE 2019. Institui a Comissão de Assessoramento para Revisão dos Processos Avaliativos, Instrumentos e Técnicas de Coleta de Dados e Indicadores da Educação Superior do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Brasília, 2019b.

NEVES, Clarissa Eckert Baeta; MARTINS, Carlos Benedito. Ensino Superior no Brasil: uma visão abrangente. DWYER, Tom et al (org.). Jovens universitários em um mundo em transformação – uma pesquisa sino-brasileira. Brasília: Ipea; Pequim: SSAP, 2016. p. 95-124.

POLIDORI, Marlis Morosini. Políticas de avaliação da educação superior brasileira: Provão, SINAES, IDD, CPC, IGC e... outros índices. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, v. 14, n. 2, p. 439-452, jul. 2009.

POLIDORI, Marlis Morosini; MARINHO-ARAÚJO, Claisy M.; BARREYRO, Gladys Beatriz. SINAES: Perspectivas e desafios na avaliação da educação superior brasileira. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas Educacionais, v. 14, n. 53, p. 425-436, out./dez. 2006.

SAMPAIO, Helena. Evolução do ensino superior brasileiro, 1808-1990. São Paulo: Núcleo de Pesquisas sobre Ensino Superior, 1991.

______. Ensino Superior no Brasil – o setor privado. São Paulo: Fapesp/Hucitec, 2000.

______. O setor privado de ensino superior no Brasil: continuidades e transformações. Revista Ensino Superior Unicamp, p. 28-43, 2011.

SÁ, Elizabeth Figueiredo de; MONTEIRO, Silas Borges. Universidade Federal de Mato Grosso: Da regionalização à internacionalização. In Educativa, v. 20, n. 1, Goiânia, p. 253-267, 2017.

SCHWARTZMAN, Simon. A sociedade do conhecimento e a educação tecnológica. Trabalho realizado por solicitação do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – SENAI, Departamento Nacional. 2005.

SILVA, Thais Pereira; SUANNO, Marilza Vanessa Rosa.Influência das políticas neoliberais nas instituições de Ensino Superior. In XII EDUCERE – Congresso Nacional de Educação. PUCPR, Curitiba, 26-29 out. 2015.

SINAES. Instrumento de Avaliação Institucional Externa. Brasília: INEP/MEC, 2017.

STALLIVIERI, Luciane. O sistema de Ensino Superior do Brasil. Características, tendências e perspectivas. 2006. Disponível em: <https://www.ucs.br/site/midia/arquivos/sistema_ensino_superior.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2019.

Downloads

Publicado

2021-03-26

Edição

Seção

Artigos