O Ato de Avaliar na Educação Infantil: Divergências Conceituais Entre as Avaliações Classificatória e Diagnóstica

Resumo

Este artigo tem como proposta comparar as avaliações Classificatória e Diagnóstica no que se refere à adequabilidade de sua aplicação no âmbito da educação infantil. Objetiva-se, neste estudo, compreender como a avaliação Diagnóstica contribui na construção da aprendizagem da criança, ao analisar seus estágios de aquisição de conhecimentos de maneira significativa, à medida que identifica potencialidades e dificuldades do educando antes e durante cada fase de ensino. Em contrapartida, defende-se, neste estudo, a inadequabilidade da adoção da avaliação Classificatória na educação infantil, em sua proposta de classificar indivíduos conforme critérios padronizados e previamente estabelecidos, gerando hierarquização entre os educandos, avaliados de maneira pontual e quantitativa, através de graus e notas.  Promove-se, assim, uma revisão bibliográfica qualitativa acerca de concepções teórico-críticas comparativas entre as distintas formas de avaliar, a partir da qual se conclui que o ato de avaliar não é um ato neutro que se encerra na confirmação, mas, sim, um ato construtivo, amoroso, inclusivo e dialógico, distintos dos exames classificatórios, que são excludentes. Desta forma, esta pesquisa destaca-se por contribuir para o desenvolvimento da criança como ser social, através do fomento de suas habilidades afetiva, emocional e cognitiva, propiciado pela interação e aprendizagem com o meio em que vive.

 

Palavras-chave: Formas de Avaliação. Primeira Infância. Avaliação Somativa. Avaliação Analítica.

 

Abstract

This article aims to compare Classificatory and Diagnostic evaluation concerning the applicability in the environment of early childhood education. It seeks to understand how the Diagnostic evaluation contributes to the child learning process, by analyzing the stages of knowledge acquisition in a significant way, as it identifies learners’ potentialities and difficulties before and during each educational phase. In contrast, this study defends the inadequacy of adopting the Classificatory evaluation at early childhood education, in its proposal of classifying individuals according to standardized and previously established criteria, creating a hierarchy among students, assessed in a punctual and quantitative way, through grades. Thus, a qualitative bibliographic review about comparative theoretical-critical conceptions between the different ways of evaluating is promoted, from which we conclude that the act of evaluating is not a neutral act that ends in the confirmation, but a constructive, loving, inclusive and dialogical act, discrete from the classificatory examination that is exclusionary. Thus, this research stands out for contributing to child development as a social being, through encouraging their affective, emotional and cognitive skills, promoted by the interaction and learning in the environment they live.

 

Keywords: Assessment Methods. Early Childhood. Somative Evaluation. Analytic Evaluation. 

 

Biografia do Autor

Gisele Reinaldo Da Silva, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras. RJ, Brasil.

Doutora em Letras Neolatinas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), pedagoga pela Universidade do estado do Rio de Janeiro (UERJ) e docente do Centro Universitário Carioca (UniCarioca), Orientou a pesquisa de iniciação científica e trabalho de conclusão de curso que fundamentou a produção deste artigo científico.

Paula Cristina Teixeira Freire, Centro Universitário Carioca. RJ, Brasil.

Acadêmica do Centro Universitário Carioca (UniCarioca), em pedagogia, cuja pesquisa de iniciação científica e trabalho de conclusão de curso originou este artigo científico.

Referências

Referências BRASIL. Lei n. 9394, de 20 de Dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 de Dezembro de 1996.

______. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Infantil: pelos direitos das crianças de zero a seis anos à educação. Brasília: SEB, 2006.

_____. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

______. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: SEF, 1998. 3v. CEARÁ. Conselho de Educação. Resolução n.361, de 21 de Julho de 2000. Dispõe sobre a Educação Infantil no Âmbito do Sistema de Ensino do Ceará. Diário Oficial do Estado de Fortaleza, Fortaleza, 24 de jun. 2000.

CIASCA, M.; Mendes, D. “Estudos de Avaliação na Educação Infantil” Est. Aval. Educ., São Paulo, v.20, nº.43, Maio/Agosto, p. 293-304, 2009.

DAHLBERG, G.; MOSS, P.; PENCE, A. Qualidade na Educação da Primeira Infância: Perspectivas Pós-Modernas. Porto Alegre: Artmed, 2003.

FREIRE, Madalena. A Paixão de Conhecer o Mundo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

GANDINI, L.; GOLDHABER, J. “Duas reflexões sobre a Documentação”. In: GANDINI, L.; EDWARD, C. (org.). Bambini: A Abordagem Italiana à Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed, 2002.

HOFFMANN, Jussara. Avaliação Mediadora: Uma Relação Dialógica na Construção do Conhecimento. Disponível em: http://docplayer.com.br/22831141-Jussara-maria-lerch-hoffmann-1-avaliacao-mediadora-uma-relacao-dialogica-na-construcao-do-conhecimento.html, p.51-59, 2016.

______. Avaliação: Mito e Desafio. Porto Alegre: Mediação, 2010.

______. Avaliação na Pré-Escola: Um Olhar Sensível e reflexivo sobre a Criança. 8. Ed. Porto Alegre: Mediação, 1996.

KRAMER, Sonia. Com a Pré-Escola nas Mãos. São Paulo: Ática, 1989.

______. A Política do Pré-Escolar no Brasil: a Arte do Disfarce. Rio de Janeiro: Achiamé, 1989.

LACERDA, A.; SOUZA, M.; “A Avalição na Educação Infantil”. Revista Encontro de Pesquisa em Educação. Uberaba, v.1, n.1, p. 20-29, 2013.

LUCKESI, Carlos Cipriano. Avaliação da Aprendizagem Escolar: Estudos e Proposições. São Paulo: Cortez, 2011.

______. “O que é mesmo o Ato de Avaliar a Aprendizagem?” Revista Pátio. Porto Alegre: Artmed. Ano 3, n. 12 Fev./ Abr., p. 1-10, 2000.

SANT’ANNA, Ilza Martins. Por Que Avaliar? Como Avaliar? Critérios e Instrumentos. Petrópolis: Vozes, 2013.

ZABALZA, M. A. Qualidade em Educação Infantil. Tradução de Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Artmed, 1998.

Publicado
2020-06-17
Seção
Artigos