Ensino Híbrido: uma Investigação das Percepções dos Egressos do Pronatec Quanto à Utilização de Disciplinas Semipresenciais

  • Eliza Adriana Sheuer Nantes Mestrado e Doutorado em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). UNOPAR, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Metodologias para o Ensino de Linguagens e suas Tecnologias. PR, Brasil.
  • Daniel Ramos Nogueira Doutor em Controladoria e Contabilidade pela Universidade São Paulo (USP). Mestre em Contabilidade pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Atua como Professor Adjunto na UEL.
  • Adriano Rosa Alves Mestre em Metodologias para o Ensino de Linguagens e suas Tecnologias (UNOPAR). UNOPAR, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Metodologias para o Ensino de Linguagens e suas Tecnologias. PR, Brasil.

Resumo

Resumo

O presente artigo teve como objetivo analisar a percepção que os egressos obtiveram, durante seus estudos, sobre as disciplinas semipresenciais (ensino híbrido) ofertadas nos cursos do PRONATEC em uma instituição de ensino privado localizada na região norte do Estado do Paraná. Realizou-se uma pesquisa descritiva, bibliográfica, documental e quanti-qualitativa, como técnica específica para obter as informações requeridas, utilizou-se um questionário composto por 19 questões sobre aspectos relacionados à qualidade dos materiais disponibilizados, sendo as vídeoaulas, os fóruns, os conteúdos web e, também observado como fora desenvolvido a  mediação dos tutores a distância. Nesta pesquisa, que obteve 60 respostas, foi possível associar, através do método estatístico qui-quadrado, quais as características e percepções assimiladas pelos egressos dos cursos do PRONATEC para realizarem ou não a indicação dos cursos ao seu rol de contatos sociais, avaliando os indicadores quem compuseram os materiais disponibilizados. Os dados amostrais que indicaram evidências estatísticas, nas quais os conceitos atribuídos pelos alunos que estavam associados à indicação ou não dos cursos do PRONATEC foram: webaula, vídeoaulas e a mediação dos tutores, todos estes menores que o valor de significância (valor-p 0,05). Por fim, ficou compreendido que o avanço tecnológico veio para auxiliar o homem na execução de suas atividades, mas, se ele não possuir a capacitação e competências necessárias para a utilização destas ferramentas, poderá sentir-se deslocado dos processos e métodos propostos, e isso é válido também para os métodos de aprendizagem e as ferramentas disponíveis aos discentes.

 

Palavras-chave: Disciplinas Semipresenciais. Ensino Profissionalizante. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Competências Digitais.

Biografia do Autor

Eliza Adriana Sheuer Nantes, Mestrado e Doutorado em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). UNOPAR, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Metodologias para o Ensino de Linguagens e suas Tecnologias. PR, Brasil.

Doutora e Mestre em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Especialista em Língua Portuguesa e Graduada em Letras pela mesma Instituição. É Professora da Universidade Norte do Paraná (PPGENS-UNOPAR), atuando na graduação e pós-graduação com os temas: ensino, linguagem, tecnologia e análise linguística. Bolsista da FUNADESP.

Daniel Ramos Nogueira, Doutor em Controladoria e Contabilidade pela Universidade São Paulo (USP). Mestre em Contabilidade pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Atua como Professor Adjunto na UEL.

Doutor em Controladoria e Contabilidade pela Universidade São Paulo (USP). Mestre em Contabilidade pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). É professor do Departamento de Ciências Contábeis da UEL, na qual coordena o projeto de pesquisa sobre Metodologias Ativas e Uso de Recursos Tecnológicos na Educação Contábil. Tem um canal no YouTube no qual compartilha vídeos sobre contabilidade, pesquisa científica e ensino com tecnologia. Interesses de pesquisa: Educação Contábil com tecnologia e Contabilidade Societária. Atua na graduação e pós-graduação em Ciências Contábeis.

Adriano Rosa Alves, Mestre em Metodologias para o Ensino de Linguagens e suas Tecnologias (UNOPAR). UNOPAR, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Metodologias para o Ensino de Linguagens e suas Tecnologias. PR, Brasil.

Mestre em Metodologias para o Ensino de Linguagens e suas Tecnologias pela Universidade Norte do Paraná (UNOPAR). Especialista em Logística Empresarial e Bacharel em Administração pela mesma Instituição. Atua como Coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Logística_EaD da UNOPAR. Como Professor atua nos seguintes temas: teoria da administração, logística empresarial, administração mercadológica, gestão de pessoas e marketing digital.

Publicado
2020-08-19
Seção
Artigos