Quais são as competências necessárias para ser um bom professor? Concepções dos docentes de um curso de medicina.

Resumo

Resumo
No contexto dos Cursos de Medicina, o ensino tradicional vem sendo substituído por modelos centrados no estudante, o que demanda do professor o papel de facilitador, mediador da aprendizagem e detentor de novas práticas docentes. Este estudo foi conduzido com o objetivo de verificar as concepções dos docentes de um Curso de Medicina, quanto às competências necessárias para ser um bom professor, em um currículo que adota metodologias centradas nos estudantes. Trata-se de uma pesquisa quali-quantitativa, descritivo-exploratória, realizada em Campo Grande – MS, na Universidade Anhanguera - Uniderp. Os dados foram coletados por meio de questionário semiestruturado, com perguntas fechadas e abertas. Os dados foram tabulados e processados por análise descritiva e os qualitativos interpretados à luz do Discurso do Sujeito Coletivo. Verificou-se que a maior parte dos professores tem entre 41 e 50 anos, são do sexo feminino e se autodeclaram da cor branca. Quanto às características necessárias ao desempenho docente consideraram a rigidez na conduta, disponibilidade para estudar, ser dedicado, ser empático/saber ouvir, ser organizado, ser comprometido, estar aberto a críticas/flexibilidade/resiliência, ter habilidades comunicacionais, atualizar-se constantemente e ter competência pedagógica. Conclui-se que os professores demonstram conhecimento das premissas atualmente ambicionadas para o fazer docente, destacando que, para ser um bom professor são necessárias, além das competências vinculadas ao conteúdo ensinado, aquelas que se relacionam ao campo atitudinal e de habilidades.

Palavras-chave: Ensino. Educação Médica. Formação de Professores.

Abstract
In the context of Medical Courses, traditional education has been replaced by models focused on the student. For this to happen, the teacher is envisioned as a facilitator, mediator of learning, holder of new teaching practices. This study aimed to verify the professors’ conceptions of the Medicine Course school, regarding the skills necessary to be a good professor in a curriculum that adopts student-centered methodologies. It was a qualitative-quantitative, descriptive-exploratory research, carried out in the city of Campo Grande – MS, at Universidade Anhanguera-Uniderp, whose participants were the Medicine Course School professors. Data were collected through a questionnaire with closed and open questions about the professors’ demographic data and their conception about the skills necessary to be a good professors. The quantitative data were tabulated and processed in a descriptive analysis and the qualitative were interpreted in the light of the Collective Subject Discourse. It was verified that most of the professors are between 41 to 50 years old, mostly female and self-declared white. About the characteristics necessary to the professors’ performance was the rigidity, availability to study, be dedicated, be empathetic/know how to listen, be organized and committed, be open to critics/flexibility/resilience, have communicational skills, be constantly up to date and have pedagogical competence. In conclusion, results showed that the professors demonstrated knowledge of the premises currently aimed at making them good professors, pointing out that, in addition to the skills associated with the content taught, those related to the attitudinal and skills field are needed.

Keywords: Teaching. Medical Education. Teacher training.

Biografia do Autor

Tânia Gisela Biberg-Salum, Universidade Anhanguera - Uniderp

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1989), Mestrado em Ciências com enfoque em Oftalmologia [Rib.Preto] pela Universidade de São Paulo (2012) e Doutorado em Ciências com enfoque em Oftalmologia [Rib.Preto] pela Universidade de São Paulo (2015). É especialista em Formação Docente para o Ensino Superior e possui MBA em Gestão de Cooperativas na área da saúde pela FGV. É docente do Curso de Medicina da UEMS - Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul e docente da Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal - UNIDERP, além de ser membro do corpo docente permanente do programa de Mestrado Acadêmico em Ensino de Ciências e Matemática da UNIDERP. Tem experiência clínica na área de Medicina, com ênfase em Oftalmologia e atua como pesquisadora nos seguintes temas: educação médica, interação ensino-serviço-comunidade, saúde indígena, oftalmologia, sendo Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Médica da UNIDERP e do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Ensino e Saúde da UEMS.

Rosilene Canavarros Monteiro, Universidade Anhanguera - Uniderp

Graduada em Enfermagem pela UNIGRAN Capital (2017). Pos-graduanda em Enfermagem do Trabalho e Auditoria em Serviços de Saúde (2019) pelo Centro Goiano de Ensino e Pós-Graduação, Pesquisa CEGESP. Mestranda do Programa em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade  para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (UNIDERP).

Ana Helena Pitanga Barbosa, Universidade Anhanguera - Uniderp

Acadêmica do quinto ano de Medicina na Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal – UNIDERP

 

Ana Carolina Rocha Duarte, Universidade Anhanguera - Uniderp

Acadêmica do terceiro ano de Medicina na Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal – UNIDERP.

Ana Carolina Rocha Duarte, Universidade Anhanguera - Uniderp

Acadêmica do terceiro ano de Medicina na Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal – UNIDERP.

Publicado
2020-12-17
Seção
Artigos