A Geometria Dinâmica se Constituindo com as Ideias Geométricas de Edmund Husserl

  • José Milton Lopes Pinheiro Centro Universitário Hermínio Ometto. SP, Brasil.

Resumo

Intenciona-se neste estudo compreender como se constituem as ideias husserlianas sobre Geometria e, como essas ideias podem se atualizar na constituição da Geometria Dinâmica. Para isso, são destacadas as ideias de Husserl que constituem um solo sobre o qual ele expõe seu pensar filosófico sobre a Geometria. Traz-se essas ideias articulando-as com a Geometria Dinâmica, que se presentifica em um tempo distante daquele em que Husserl expõe seus pensamentos. Husserl não vivenciou os avanços da ciência que nos faz disponível atualmente as tecnologias informáticas, portanto, em seus trabalhos não constam qualquer pensamento de uma Geometria com softwares. Assim, este estudo visa também, trazer compreensões de como pode se presentifica o pensamento husserliano nessa geometria que se atualiza com as tecnologias informáticas. Percebe-se convergências possíveis do pensamento husserliano à Geometria Dinâmica, quando o mesmo diz da espacialidade e dos invariantes que se mostram em variações possíveis.

Palavras-chave: Geometria. Geometria Dinâmica. Husserl. Espacialidade

Abstract
In this study we intend to understand how the Husserlian ideas about Geometry are constituted and how these ideas can be updated in the constitution of Dynamic Geometry. For this, are highlights the ideas of Husserl that constitute a solo on which he exposes his philosophical thinking on the Geometry. It is brought these ideas by articulating them with Dynamic Geometry, which presents itself at a time distant from the one in which Husserl exposes his thoughts. Husserl did not experience the advances of the science that makes us available today the computer technologies, therefore, in his works do not include any thought of a Geometry with softwares. Thus, this study also aims to bring understanding of how Husserlian thinking can be present in this geometry that is updated with computer technologies. It is perceived possible convergences of Husserlian thought to Dynamic Geometry, when it says of spatiality and invariants that show themselves in possible variations.

Keywords: Geometry. Dynamic Geometry. Husserl. Spatiality.

Referências

Bicudo, M. A. V. & Kluth, V. S. (2010). Geometria e

Fenomenologia. In: M. A. V. Bicudo. (Org.). Filosofia

da Educação Matemática: fenomenologia, concepções,

possibilidades didático-pedagógicas, pp.131-147. São Paulo:

Editora UNESP.

Bicudo, M. A. V. (2011). A pesquisa qualitativa olhada para

além de seus procedimentos. In: Bicudo, M. A. V. Pesquisa

qualitativa segundo a visão fenomenológica. São Paulo:

Cortez.

Bicudo, M. A. V. (2014). A perplexidade: ser-com-o-computador

e outras mídias. In: M.A.V. Bicudo, M. A.V. Ciberespaço:

possibilidades que se abrem ao mundo da educação, pp.37-

São Paulo: Editora Livraria da Física.

Bicudo, M. A. V. (2010). Realidade Virtual: uma abordagem

filosófica. Cienc. Hum. Soc. Rev. Seropédica, v.32, n. 1,

p.121-134.

Chaui, M. S. (1996). Vida e obra de Husserl. In: Investigações

Lógicas Sexta Investigação: Elementos de uma Elucidação

Fenomenológica do conhecimento. São Paulo: Nova Cultura.

Coelho, F. S. (2015). Um estudo sobre licenciatura de matemática

oferecida na modalidade à distância. 2015. 382p. Tese

(Doutorado em Educação Matemática) – Universidade

Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro.

Dartigues, A. (2008). O que é a Fenomenologia? São Paulo:

Centauro.

Detoni, A. R. (2012). A geometria se constituindo préreflexivamente:

propostas. Rev Eletr. Educ., v.6, n.2.

Detoni, A. R. (2000). Investigações acerca do espaço como modo

de existência e da geometria que ocorre no pré-reflexivo.

Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto

de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual

Paulista, Rio Claro, 2000.

Detoni, A. R. Contribuições de uma investigação sobre o Espaço

para a Educação Matemática”. Bolema (UNESP-Rio Claro),

Rio Claro, Unesp, v. 19, 2003.

Eves, H. Introdução à história da matemática. Campinas: Editora

da UNICAMP. 2011. 848p.

Husserl, E. A Crise das Ciências Europeias e a Fenomenologia

Transcendental: uma introdução à filosofia fenomenológica.

Trad. Diogo Falcao Ferrer. Rio de Janeiro: Forense

Universitária, 2012.

Husserl, E. Investigações Lógicas Sexta Investigação: Elementos

de uma Elucidação Fenomenológica do conhecimento. Trad.

Zelko Loparic’ e Andréa M. A. C. Loparic’. Nova Cultural,

Husserl, E. (2006). A Origem da Geometria. SE&PQ Sociedade

de estudos e pesquisa qualitativos, 2006. Northwestern

University Press; Evanston; Illinois.

Husserl, E. (2001). Meditações cartesianas: introdução à

fenomenologia. São Paulo.

Husserl, E. (2006). Ideias para uma Fenomenologia pura e

para uma filosofia fenomenológica: introdução geral à

fenomenologia pura. Aparecida: Ideias & Letras.

Merleau-Ponty. Fenomenologia da Percepção. São Paulo:

Martins Fonte, 2011.

Paulo, R. M. & Bicudo, M.A.V. (2010)Um estudo fenomenológico

sobre a compreensão da geometria. In: A. P. P., Baumann.

Maria em forma/ação, pp.243-254. Rio Claro: IGCE/Unesp.

Pugliesi, M. (2001). Prefácio. In: Husserl, E. Meditações

cartesianas: introdução à fenomenologia. São Paulo.

Richit, A. (2009). Projetos em Geometria Analítica usando o

software de Geometria Dinâmica: repensando a formação

inicial docente em matemática. Rio Claro: Universidade

Estadual Paulista.

Santos, M. R. (2013). Um estudo fenomenológico sobre o

conhecimento geométrico. Campinas: Universidade Estadual

de Campinas.

Santos, M. R., Mocrosky, L. F., & Mondini, F. (2010).

Compreensões de Geometria expressas por crianças: prelúdio

fenomenológico. In: M. A. V. Bicudo. Filosofia da Educação

Matemática: fenomenologia, concepções, possibilidades

didático-pedagógicas, pp.149-167. São Paulo: UNESP.

Silva, G. H. G., & Penteado, M. G. (2009). O trabalho com

geometria dinâmica em uma perspectiva investigativa.

Curitiba: UTFPR.

Tourinho, C. D. C. (2010). A consciência e o mundo na

fenomenologia de Husserl: influxos e impactos sobre as

ciências humanas. Revispsi, v.12, n. 3.

Publicado
2018-07-30
Seção
Artigos