O projeto EMAI: uma Análise de sua Estrutura Organizacional e seus Pressupostos Metodológicos

  • Augusta Teresa Barbosa Severino Programa de Pós-graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista. SP, Brasil.
  • Renata Cristina Geromel Meneghetti Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação, Universidade de São Paulo. SP, Brasil.

Resumo

Este artigo focaliza o projeto EMAI (Educação Matemática nos anos iniciais) criado em 2013 pelo Governo do Estado de São Paulo e implementado nas escolas no ano de 2014 e tem como propósito analisar a estrutura organizacional e os pressupostos metodológicos deste material na versão destinada ao uso do professor, buscando responder à seguinte questão de investigação: O projeto EMAI dá ao professor um suporte pedagógico que propicie a autonomia e a reflexão sobre sua própria prática pedagógica? Para tal, além dos aspectos gerais do material foi também considerado o tratamento dado ao conhecimento matemático, ou seja, as orientações didático-pedagógicas deste material no que se refere ao processo de ensino e aprendizagem de matemática. A investigação caracteriza-se como qualitativa e foi efetuada com base em análise documental, compreendendo as três seguintes fases: (i) análise da estrutura do material e das orientações pedagógicas gerais; (ii) análise das sugestões apresentadas para o desenvolvimento de um conteúdo específico; e (iii) considerações finais a respeito desta análise. Ao final desse processo foi possível apontar que o material, apesar de limitar a autonomia do professor, mostra-se como um recurso que auxilia seu trabalho e estudos paralelos por trazer questões relativas ao ensino de matemática que, na maioria das vezes, é um obstáculo para o professor dos anos iniciais da Educação Básica.

 

Palavras-chave: Projeto EMAI. Ensino e Aprendizagem de Matemática. Autonomia. Formação de Professores. Orientações Didático-Pedagógicas.

 

Abstract

This article focuses on the EMAI project (Mathematics Education in the initial years) created in 2013 by the Government of the State of São Paulo and implemented in schools in the year 2014 and its purpose is to analyze the organizational structure and the methodological assumptions of this material in the version destined to use the teacher, seeking to answer the following research question: Does the EMAI project give the teacher a pedagogical support that fosters autonomy and reflection on his own pedagogical practice? For this, in addition to the general aspects of the material was also considered the treatment given to the mathematical knowledge, that is, the didactic-pedagogical orientations of this material with regard to the teaching and learning process of mathematics. The research is characterized as qualitative and was carried out based on documentary analysis, comprising the following three phases: (i) analysis of the structure of the material and the general pedagogical guidelines; (ii) analysis of the suggestions presented for the development of specific content; and (iii) final considerations regarding this analysis. At the end of this process it was possible to point out that the material, although limiting the autonomy of the teacher, is shown as a resource that helps his work and parallel studies to bring about issues related to mathematics teaching that, in most cases, is an obstacle for the teacher of the initial years of Basic Education.

Keywords: EMAI Project. Teaching and Learning of Mathematics. Autonomy. Teacher education. Didactic-Pedagogical Guidelines.

Biografia do Autor

Augusta Teresa Barbosa Severino, Programa de Pós-graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista. SP, Brasil.

Aluna do curso de doutorado no Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência com foco em Educação Matemática.

Renata Cristina Geromel Meneghetti, Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação, Universidade de São Paulo. SP, Brasil.

Livre-Docente pela Universidade de São Paulo e docente da mesma universidade desde 1996. É professora colaboradora junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência da Universidade Estadual Paulista, em Bauru, São Paulo. Efetua pesquisas na área da Educação Matemática.

Referências

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação Qualitativa em Educação: Uma introdução à teoria e aos métodos. Tradução de Maria J. Alvarez, Sara B. Santos e Telmo M. Baptista. Porto (Portugal): Porto, 1994. 336 p.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: 3º e 4º ciclos do Ensino Fundamental: Matemática.Brasilia/DF: MEC (Ministério da Educação e Cultura) / SEF (Secretaria da Educação Fundamental), 1998.

DANTE, L.R. LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA: uso ou abuso? Em Aberto. Brasília, ano 16, n.69, jan./mar. 1996.Disponível em:

http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/view/2068. pp. 83-97. Acesso em 05/01/2017.

FIORENTINI, D. Alguns modos de ver e conceber o ensino da matemática no Brasil. Revista Zetetiké, Campinas, SP, ano 3, n. 4, p. 1-37, 1995.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1996. 165 p.

¬¬¬¬¬_________ Pedagogia do oprimido.60 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

FREITAG, B.; MOTTA, V. R.; COSTA, W. F. O estado da arte do livro didático no Brasil. Brasília: REDUC. 1987

GREGOLIN, M. R.Foucault e Pêcheux na análise do discurso: diálogos e duelos. 2 ed. São Carlos: Claraluz, 2006. 220 p.

HOFFMANN, J. Avaliar para promover: as setas do caminho. Porto Alegre: Mediação, 2008. 142 p.

MACHADO, N.J. Sobre Livros Didáticos: quatro pontos. Em Aberto. Brasília, ano 16, n. 69,jan/mar. 1996. pp. 30-38. Disponível em: http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/view/2064. Acesso em 05/01/2018.

MACHADO, R. de C. de F. Autonomia. In:.STRECK, Danilo R.; REDIN, Euclides; ZITKOSKI, J. J. (org.).Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

MARTINS, A. M. Autonomia e Educação: a trajetória de um conceito. Cadernos de Pesquisa, n. 115, p. 207-232, março/2002

POZO, J. I.; CRESPO, M. A. G. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. 296 p.

SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. EMAI: educação matemática nos anos iniciais do ensino fundamental; organização dos trabalhos em sala de aula, material do professor – quarto ano. Centro de Ensino Fundamental dos Anos Iniciais. São Paulo: SE, 2013.

SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Ler e Escrever: guia de planejamento e orientações didáticas; professor – 4º ano. 7. ed. São Paulo: FDE, 2015.

SAVIANI, D. Educação do senso comum à consciência filosófica. 14. ed. Campinas: Autores Associados, 2002. 293 p.

___________. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 8. ed. Campinas: Autores Associados, 2003. 153 p.

___________. Escola e democracia. 37 ed. São Paulo: Autores Associados, 2005. 104 p.

Autor 1 e Autor 2 ... (2014)

Autor 1... (2016)

SIMON, M. Reconstructing mathematics pedagogy from a constructivist perspective. Journal for Research in: Mathematics Education, v. 26, n. 2, p. 114-145, 1995.

Publicado
2020-03-04
Seção
Artigos