Possibilidades Outras de Empinar Orquídeas: Iniciativas Disparadas Mobilizando a História Oral no PIBID-Matemática

Resumo

Este texto trata sobre atividades de orientação no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid), no curso de Licenciatura em Matemática, do câmpus de Cornélio Procópio da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Durante os anos letivos de 2016 e 2017, com a orientação de duas duplas de alunos, iniciamos nossos estudos e aproximações metodológicas com a História Oral neste espaço de formação inicial de professores. A proposta tinha como principal objetivo olhar para o professor supervisor dos alunos na escola básica e buscar compreensões sobre como esse professor de matemática se torna o professor de matemática que é. Para isso, foram disparadas algumas leituras e exercícios de escritas com os alunos bolsistas. Os alunos produziram escritas autobiográficas relatando sobre suas histórias de vida, lançando uma reflexão sobre o caminho que levou cada um deles para o curso de Licenciatura em Matemática e o que era para ser apenas um exercício sobre escritas de histórias de vida, tomou outras proporções. Os bolsistas elaboraram, também, roteiros de entrevistas, realizaram entrevistas com os professores supervisores, transcreveram os áudios e textualizaram as transcrições. Todo este processo foi delineado pelos parâmetros da História Oral, conforme nos foi possível compreender e exercitar. Desse modo, pretendemos apresentar como essas escritas autobiográficas podem preparar e, neste caso, permearam as entrevistas com os professores supervisores realizadas posteriormente, possibilitando uma reflexão sobre a mobilização da História Oral no âmbito do Pibid.

 

Palavras-chave: Formação de Professores· Escritas Autobiográficas· Licenciatura em Matemática· História Oral.

 

Abstract

This paper is related to advising activities in Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid), in the Undergraduate Course of Mathematics of Federal University of Technology – Paraná, Campus of Cornélio Procópio (UTFPR). During the academic years of 2016 and 2017, we began our studies and methodological approaches with Oral History in initial teacher training with four students. The main purpose was to look at the supervising teacher of students in elementary school and to seek insights on how this mathematics teacher becomes a mathematics teacher he is. In order to do it, some reading and writing exercises were done with the students. They produced autobiographical writings, reporting on their life stories, thinking on the path that led each of them to the Undergraduate Course of Mathematics, and what was meant to be just an exercise in writing life stories, took on other proportions. Students also developed interview scripts, conducted interviews with supervising teachers, transcribed the audios, and textualized the transcripts. All this process was outlined by the parameters of Oral History. In this way, we intend to present how these autobiographical writings can prepare and, in this case, permeated the interviews with the supervisors teachers later realized, allowing a reflection on the mobilization of the Oral History in the scope of the Pibid.

 

Keywords: Teacher Training· Autobiographical Writings· Undergraduate Course of Mathematics· Oral History.

Referências

Autor1 & Autor2 (ANO).

Autor 3 & Autor 2 (ANO).

Autor5 et al. (ANO).

Autor4 et al. (ANO).

Garnica, A. V. M. (2011). História Oral e História da Educação Matemática: considerações sobre um método. Anais do Congresso Ibero-Americano de História da Educação Matemática, Covilhã, Portugal, 1.

Garnica, A. V. M. (2012). Estacas em paisagens móveis: um ensaio a partir da narrativa de três professores de Matemática. In: Teixeira, I. A. C. et. al. (Org.). Viver e contar: experiências e práticas de professores de matemática. São Paulo: Livraria da Física, 331-347.

Gomes, M. L. M. (2012). Escrita autobiográfica e história da educação matemática. BOLEMA, Rio Claro, 26 (42A), 105-137.

Larrosa, J. (2014). Tremores: escritos sobre experiência. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica.

Paula, M. J. & Auarek, W. A. (2012). Viver e contar. In: Teixeira, I. A. C. et. al. (Org.). Viver e contar: experiências e práticas de professores de matemática. 1. ed. São Paulo: Livraria da Física, 33-40.

Rolkouski, E. (2006). Vida de professores de matemática – (im)possibilidades de leitura. 2006. 288 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Rio Claro.

Rolkouski, E. (2008). Histórias de vida de professores de Matemática. BOLEMA, Rio Claro, 21 (30), 68-88.

Santhiago, R. & Magalhães, V. B. (2015). História Oral na sala de aula. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica.

Silva, H. (2016) A História Oral como abordagem em espaços formativos formais de professores de Matemática. Histemat, Online, v. 2, p. 168-184.

Teixeira, I. A. C. et. al. (2012). (Org.). Viver e contar: experiências e práticas de professores de matemática. São Paulo: Livraria da Física.

Tizzo, V. S., Flugge, F. G. & Silva, H. (2015). Práticas Possíveis com a História Oral na Formação Inicial de Professores (de Matemática). BOLEMA, Rio Claro, 29 (53), 887-908.

Tizzo, V. S. & Silva, H. (2016). A história oral na formação inicial de professores (de Matemática): uma abordagem possível no estudo de política educacional brasileira. Revista NUPEM, Online, 8, 27- 47.

Vianna, C. R. (2014). Sem título. In: Garnica, A. V. M. (Org.). Cartografias contemporâneas: mapeando a formação de professores de Matemática no Brasil. Curitiba: Appris. p. 67-85.

Publicado
2020-03-04
Seção
Artigos