Sentidos do PIBID para/na Formação de Professores de Matemática

  • Viviane Cristina Almada de Oliveira Universidade Federal de São João del-Rei, Departamento de Matemática e Estatística. MG, Brasil.
  • Jéssica Nascimento dos Santos Rede Estadual de Ensino de Minas Gerais. MG, Brasil
  • Rebeca Ramona Dias Rodrigues Rede Estadual de Ensino de Minas Gerais. MG, Brasil

Resumo

O artigo apresenta algumas considerações sobre o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID), focando, em especial, nas experiências de integrantes do subprojeto na área de Matemática da XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX. Inicialmente, apresentamos um breve histórico do programa na XXXX e do subprojeto de Matemática (PIBID/Matemática) no curso de licenciatura em Matemática. Abordamos o diálogo entre a teoria e a prática, proporcionado pelo programa, através da articulação entre a universidade e a escola, por nós considerada como campo de formação do licenciando e do professor. Destacamos a importância do caráter coletivo de nossos trabalhos no PIBID/Matemática e das reflexões sobre nossas práticas. Trazemos à escrita algumas práticas realizadas no ensino público da cidade de XXXXXXXXXXX, colocando nossas considerações sobre como elas podem ter implicado em nossa formação docente. Embora reconheçamos o PIBID como uma iniciativa que contribuiu consideravelmente para a formação de professores no Brasil, reconhecemos que ainda há muitos desafios a serem suplantados nessa área; em particular, a implementação de políticas de acompanhamento e acolhida do professor em  início de carreira.

Referências

Alves, R. (1980). Conversas com quem gosta de ensinar. Campinas, SP: Autores Associados.

Bisconsini, V. R., Reis, C. A. R., & Borges, E. C. (2007). Memorial de Estágio como possibilidade de desenvolvimento da capacidade de produção escrita do futuro professor de Matemática. In: IX Encontro Nacional de Educação Matemática, 9., Belo Horizonte – MG, Anais... Belo Horizonte. Disponível em: http://www.sbembrasil.org.br/files/ix_enem/Html/relatos.html. Acesso em: junho. 2017.

Brasil (1998). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais : Matemática / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília : MEC /SEF.

Brasil (2001). Parecer CNE/CES nº 1.302/2001, aprovado em 6 de novembro de 2001, sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Matemática, Bacharelado e Licenciatura. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=12991. Acesso em: maio de 2018.

PARECER CNE/CES 1.302/2001

Brasil (2002). Ministério da Educação. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais - Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Brasília: MEC.

Brasil (2009). Portaria Normativa no 16, de 23 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o PIBID – Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. Disponível em: http://www.pibid.ufms.br/Portaria_Normativa_16_23_12_2009.pdf. Acesso em: maio/2018.

Brasil. (2010). Decreto no 7.219, de 24 de junho de 2010. Dispõe sobre o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência – PIBID e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7219.htm. Acesso em: maio/2018.

Brasil. (2014). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Superior. Plano de Desenvolvimento Institucional da XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX. Brasília: MEC/SESu.

D’Ambrosio, U. (2013). Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. 5ª ed. Belo Horizonte: Autêntica.

D’Ambrosio, U. (2012). Educação Matemática: Da Teoria à Prática. 23ª ed. Campinas: Papirus.

Fiorentini, D., & Castro, F. C. (2003). Tornando-se professor de matemática: o caso de Allan em prática de ensino e estágio supervisionado. In: FIORENTINI, D. (Org.) Formação de professores de matemática: explorando novos caminhos com outros olhares. Campinas, SP: Mercado de Letras, pp. 121-156.

Freire, P. (1991). A Educação na Cidade. São Paulo: Cortez.

Freire, P. (2016). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 53ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Garcia, C. M. (2010) O professor iniciante, a prática pedagógica e o sentido da experiência. Revista brasileira de pesquisa sobre a formação docente (Belo Horizonte), v. 02, p. 11-49.

Gatti, B. A., & Barreto, E. S. S. (2009). Professores do Brasil: Impasses e Desafios. Brasília, Unesco.

Grando, R. C. (2000). O conhecimento matemático e o uso de jogos na sala de aula. Campinas, SP: Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Imbernón, F. (2015). Novos desafios da docência no século XXI: a necessidade de uma nova formação docente. In: CELESTINO, A. S.; GATTI, B. A., MIZUKAMI, M. G. N.; PAGOTTO, M. D. S.; SPAZZIANI, M. L. (Orgs.) Por uma revolução no campo da formação de professores. São Paulo: Editora Unesp. pp. 171-186.

Lara, I.C. M. D. (2004). O jogo como estratégia de ensino de 5ª a 8ª série. In: VIII Encontro Nacional de Matemática – Educação Matemática: um compromisso social. Recife – PE, Anais... Recife. Disponível em: http://www.sbembrasil.org.br/files/viii/arquivos/index_1.htm. Acesso em: junho. 2017.

Larrosa, J. B. (2002). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Rev. Bras. Educ, n. 19, pp. 20-8.

Lopes, A. R. L.V., Paiva, M. A. V., Pereira, P. S., Pozebon, S., & Cedros, W. L. (2017). Estágio Curricular Supervisionado nas licenciaturas em Matemática: reflexões sobre as pesquisas brasileiras. Zetetiké, Campinas, SP, v.25, n1, pp.75-93.

Lorenzato, S. (2012). Desenvolvimento e uso de materiais didáticos no ensino de matemática. In: LORENZATO, S. (org). O Laboratório de Ensino de Matemática na Formação de Professores. 3 ed. Campinas, SP: Autores Associados, pp. 03-55.

Lüdke, M. (2015). Estágio Supervisionado: substantivo fictício? In: CELESTINO, A. S., GATTI, B. A., MIZUKAMI, M. G. N., PAGOTTO, M. D. S., & SPAZZIANI, M. L. (Orgs.) Por uma revolução no campo da formação de professores. São Paulo: Editora Unesp, pp. 171-186.

Marques, M. O. (2006). Escrever é preciso; o princípio da pesquisa. 5 ed. Ijuí: Editora Unijuí.

Minas Gerais (2007). SEE Conteúdo Básico Comum (CBC) Matemática – Ensino Fundamental e Médio. Disponível em: http://crv.educacao.mg.gov.br/SISTEMA_CRV/index.aspx?&usr=pub&id_projeto=27&id_objeto=39143&id_pai=38935&tipo=txg&n1=&n2=Proposta%20Curricular%20-%20CBC&n3=Ensino%20M%C3%A9dio&n4=Matem%C3%A1tica&b=s&ordem=campo3&cp=B53C97&cb=mma. Acesso em: junho. 2018.

Nóvoa, A. (2001). Professor se forma na escola. Entrevista concedida em 01 mai. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/179/entrevista-formacao-antonio-novoa. Acesso em: Abril. 2018.

Nóvoa, A. (2004). Novas disposições dos professores: A escola como lugar da formação. Sistema integrado de bibliotecas repositório. Disponível em: < http://repositorio.ul.pt/handle/10451/685>. Acesso em: junho 2018

Oliveira, M. C. S. (2014). Sentidos do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid) na formação de professores: um estudo com egressos da universidade federal de São João del-Rei. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Federal de São João del-Rei, São João del-Rei, MG, Brasil.

Pavanello, R. M. (1993). O abandono do ensino da Geometria no Brasil: causas e consequências. Zetetiké. v. 1, n. 1, p. 7-17.

Ponte, J. P. (2004). Pesquisar para compreender e transformar a nossa própria prática. Educar em Revista, n. 24, p. 37-66.

Rubo, E. A. A., Fernandes, M. J. D. S., Penteado, M. G., & Mendonça, S. G. D. L. (2015). Do núcleo de Ensino ao Pibid: a contribuição da Unesp à formação de professores. In: JUNIOR, C. A. D. S.; GATTI, B. A.; MIZUKAMI, M. D. C. N.; PAGOTTO, M. D. S.; LOURDES, M. D. (orgs.). Por uma revolução no campo da formação de professores. 1ª ed. São Paulo: Editora Unesp. (p.153 -168).

Souto, R. M. A, & Paiva, P. H. A. A. (2010). O significado da indisciplina e suas relações com o fracasso escolar em Matemática na visão de professores da escola básica. In: X Encontro Nacional de Educação Matemática: Educação Matemática, cultura e diversidade, Salvador – BA, Anais... Salvador.

Souto, R. M. A., Castro, M. C. A.; Reis, D. A., & Oliveira, M. C. S., (2010). PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência: a experiência da equipe de Matemática da UFSJ. In: X Encontro Nacional de Educação Matemática: Educação Matemática, cultura e diversidade, Salvador – BA, Anais... Salvador.

Tardif, M. (2010) Saberes Docentes e Formação Profissional. 10ª ed. Petrópolis: Vozes.

Tardif, M., & Raymond, D. (2000) Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & Sociedade XXI, v. 217, p. 73.

Teixeira, B. R., & Cyrino, M. C. C. T. (2013). O estágio supervisionado em cursos de licenciatura em Matemática: um panorama de pesquisas brasileiras. In: Educação Matemática Pesquisa. São Paulo, v. 15, n. 1, p. 29 – 49. Disponível em: <http://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/viewFile/13048/pdf>. Acesso em: junho. 2018.

Tinti, D. S., & Manrique, A. L. (2016). Teoria e Prática na Formação de Professores que ensinam Matemática: que caminhos apontam experiências com o PIBID e OBEDUC?. Educação Matemática em Revista (São Paulo), v. 49B, p. 98-106.

Tinti, D. S. (2012). PIBID: um estudo sobre suas contribuições para o processo formativo de alunos de Licenciatura em Matemática da PUC-SP. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Publicado
2020-03-04
Seção
Artigos