A Geometria Elementar e Intuitiva de Gabriel Prestes

Resumo

O presente estudo tem a intenção de compreender como Gabriel Prestes, considerado um expert (Hofstetter et al, 2017) da educação, por ocupar lugar de destaque na direção da Escola Normal de São Paulo, propõe o ensino de uma geometria escolar. A análise toma como fonte central o manual Noções Intuitivas de Geometria Elementar produzido por Prestes e publicado em 1895. O exame do manual fornece indícios de proposta inovadora: proximidade com a obra francesa de Paul Bert (1886), inversão na marcha dos conteúdos tradicionalmente apresentados ao propor um estudo direto das medidas de linhas, áreas e volumes para o segundo ano primário, uso de materiais como fios, barbantes, papelão, recortes de papel, construção de sólidos para um trabalho experimental, de comparação e discussão das medidas, o emprego do desenho à mão livre como auxiliar nas recapitulações. Entretanto, a perda de poder político e o afastamento de Gabriel Prestes da Educação são fatores que corroboram para que a sua proposta de uma geometria intuitiva não tenha feito escola.

 

Palavras-chave: Taquimetria. História do Ensino de Geometria. Grupos Escolares de São Paulo. Século XIX.

 

Abstract

The present study intends to understand how Gabriel Prestes, considered an expert (Hofstetter et al, 2017) of education, to occupy a prominent place in the direction of the Normal School of São Paulo, proposes the teaching of a school geometry. The analysis takes as its central source the Manual Notions Intuitive of Elementary Geometry produced by Prestes and published in 1895. The examination of the manual provides indications of an innovative proposal: proximity to the French work of Paul Bert (1886), reversal of the traditionally presented contents by proposing a direct study of the measurements of lines, areas and volumes for the second primary year, use of materials such as yarn, string, paperboard, paper cutting, solids construction for experimental work, comparison and discussion of measures, employment of freehand drawing as an aid in recapitulations. However, the loss of political power and the removal of Gabriel Prestes from Education are factors that corroborate so that his proposal of an intuitive geometry did not make school.

 

Keywords: Tachymetry. History of Geometry Teaching. School Groups in São Paulo. XIX Century.

Referências

Barbier, J. M. (1996). Savoirs Théoriques et savoirs d’action. Presses Universitaires de France.

Barbosa, R. (1946). Reforma do Ensino Primário e várias Instituições Complementares da Instrução Pública. Obras Completas de Rui Barbosa. Vol. X. 1883, tomo II. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde.

Bastos, M. H. C. (2000). Ferdinand Buisson no Brasil – Pistas, vestígios e sinais de suas idéias pedagógicas (1870-1900). História da Educação, (8),79-109.

Bert, P. (1886). Premiers Éléments de Géometrie Expérimentale appliquée à la mesure des longueurs, des surfaces et des volumes. Paris: Librairie CH. Delagrave.

Carvalho, M. M. C. (2000). Modernidade pedagógica e modelos de formação docente. São Paulo em Perspectiva, 14(1), 111-120.

Chervel, A. (1990). História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, 2, 177-229.

Frizzarini, C. R. B. (2014). Do ensino intuitivo para a escola ativa: os saberes geométricos nos programas do curso primário paulista. Dissertação (Mestrado em Educação e Saúde) – Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos.

Frizzarini, C. R. B; Leme da Silva, M. C. (2016). Saberes geométricos de Calkins e sua apropriação nos programas de ensino dos grupos escolares paulistas. Revista Brasileira de História da Educação, 16 (3), 10-35.

Hofstetter, R.; Schneuwly, B. (2017). Saberes: um tema central para as profissões do ensino e da formação. In: Hofstetter, R.; Valente, W. R. (Org.). Saberes em (trans)formação: tema central da formação de professores. São Paulo: Livraria da Física, 113-172.

Hofstetter, R.; Schneuwly, B; Freymond, M.; Bos, F. (2017). Penetrar na verdade da escola para ter elementos concretos de sua avaliação – A irresistível institucionalização do expert em educação (século XIX e XX). In: Hofstetter, R.; Valente, W. R. (Org.). Saberes em (trans)formação: tema central da formação de professores. São Paulo: Livraria da Física, 55-112.

Leme da Suilva, M. C. (2017). Ensino de Medidas: final do século XIX e início do século XXI. Anais da 38a Reunião Anual da ANPEd.

Leme da Silva, M. C.; Trindade, D. A.; D’Esquivel, M. O.; Oliveira, M. A. (2017). A matemática dos primeiros anos escolares e a circulação do método intuitivo nos manuais escolares. In: Valente, W. R.; Abreu, I. M. (Org.). A matemática dos manuais escolares: curso primário, 1890-1970. São Paulo: Livraria da Física.

Monarcha, C. (1999). Escola Normal da Praça: o lado noturno das luzes. Campinas, SP: Editora da UNICAMP.

Prestes, G. (1895). Noções Intuitivas de Geometria Elementar. São Paulo: Editor Horacio Belfort Sabino.

São Paulo. Trecho do decreto n. 2.944, de 8 de agosto de 1918. Aprovado por Altino Arantes e assinado por Oscar Rodrigues Alves. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/99555>. Acesso em 10 out., 2013.

São Paulo. Trecho do programa de 19 de fevereiro de 1925. Aprovado pelo secretário de Estado dos Negócios do Interior, José Manuel Lobo. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/99651>. Acesso em 10 out., 2013.

Souza, R. F. (2009). Alicerces da pátria: História da escola primária no Estado de São Paulo (1890-1976). Campinas, SP: Mercado de Letras.

Trouvé, A. (2008). La notion de savoir élémentaire à l’école. Paris: L’Harmattan.

Valdemarin, V. T. (2004). Estudando as lições de coisas: análise dos fundamentos filosóficos do Método de Ensino Intuitivo. Campinas: Autores Associados.

Valente, W. R. (2000). Positivismo e matemática escolar dos livros didáticos no advento da República. Cadernos de Pesquisa, 109, 201-212.

Valente, W. R. (2011). A Matemática na formação do professor do ensino primário: São Paulo, 1875-1930. São Paulo: Annablume.

Valente, W. R. (2015). A constituição do elementar matemático: uma análise de programas de ensino (São Paulo, 1890-1950). Educação Unisinos (Online), 19, 196-205.

Vidal, D. G. (Org.). (2006). Grupos escolares: cultura escolar primária e escolarização da infância no Brasil (1893-1971). Campinas, SP: Mercado das Letras.

Warde, M. J.; Panizzolo, C. (2010). As fontes do método analítico de leitura de João Kopke (1896-1971). História da Educação, v.14(30), 127-151.

Publicado
2020-03-04
Seção
Artigos