Leituras-de-Práticas-de-Alfabetização-Matemática: Modos de Permanecer em Formação

  • Lidiane Conceição Monferino Universidade Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação em Ciências e em Matemática. PR, Brasil. http://orcid.org/0000-0001-6441-0429
  • Luciane Ferreira Mocrosky Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Formação Científica, Educacional e Tecnológica; e Universidade Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação em Ciências e em Matemática. PR, Brasil. http://orcid.org/0000-0002-8578-1496
  • Bernadete Kurek Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Formação Científica, Educacional. PR, Brasil. http://orcid.org/0000-0002-7717-5496

Resumo

Este artigo tem por objetivo expor um estudo acerca do fenômeno “leituras-de-práticas-de alfabetização-matemática” adotando a postura fenomenológica, assumindo a formação docente como um movimento contínuo e permanente. À luz do fenômeno explicitado, destaca-se o entendimento que a escola é o lócus de diversos fenômenos, apresentando-se como espaço privilegiado de forma-ação docente. Nesse movimento, o professor colabora com seus colegas e o inverso também ocorre, colocando-se como aprendizes ininterruptamente, colaborando na sua formação profissional e na de seus colegas de trabalho, refletindo sobre a ação docente, revisitando e aprimorando sua prática e contribuindo com o aperfeiçoamento dos profissionais da escola. O permanecer em forma-ação requer uma atitude de pre-ocupar-se e ocupar-se com o planejado, o modo como esse se dirige ao vivido e para o vivido. Logo, temos explícito o tempo da escola que abarca o cronológico e o vivido. Nesse contemplar dos tempos, chronos e kairós, na docência, o presente artigo exibe o relato da prática docente de uma das autoras enfatizando o encontro com um de seus pares, o aluno, pautado na necessidade que esta observou da não clareza de significados de juntar, acrescentar, separar, comparar e completar ao trabalhar jogos destinados ao ciclo de alfabetização no início do ano letivo. O trabalho de retomada se deu acerca da resolução e elaboração de problemas que envolviam tais situações aditivas. Destacamos que nesse trabalho pedagógico, pôde-se experienciar a disparidade no encontro dos tempos planejado e vivido, fazendo-a refletir e assumir a postura constante de planejar, executar e replanejar a prática educativa e, principalmente, o repensar o tempo na educação em tempo integral.

 

Palavras-chave: Leitura-de-Práticas. Forma-Ação. Fenomenologia. Tempo Cronológico e Vivido.

 

Abstract

This article aims to present a study about the phenomenon of "readings-of-practices-of literacy-mathematics" adopting the phenomenological posture, assuming teachers education as a continuous and permanent movement. In the light of the explicit phenomenon, the understanding stands out that the school is the locus of several phenomena, presenting itself as a privileged space of teaching form-action. In this movement, the teacher cooperates with his / her colleagues and the reverse also occurs, placing himself as an apprentice uninterruptedly, collaborating in his/her professional training and that of his / her co-workers, reflecting on the teaching activity, revisiting and improving their practice and contributing to the improvement of the school's professionals. To remain in action-form requires an attitude of pre-occupying oneself and being occupied with the planned, the way in which it is directed to the lived and the lived. Therefore, we have explicit the time of the school that includes the chronological and the lived. In this contemplation of the times, chronos and kairós, in the teaching, the present article presents the report of the teaching practice of one of the authors emphasizing the meeting with one of its peers, the student, based on the necessity that this one observed of the not clarity of meanings of joining , add, separate, compare and complete when working games for the literacy cycle at the beginning of the school year. The work of resumption was about the resolution and elaboration of problems that involved such additive situations. We emphasize that in this pedagogical work we could experience the disparity in the meeting of the times planned and lived, making it reflect and assume the constant posture of planning, executing and replanning the educational practice and, mainly, rethinking the time in education in time integral.

 

Keywords: Reading-of-Practices. Form-Action. Phenomenology. Chronological and Lived Time.

Biografia do Autor

Bernadete Kurek, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Formação Científica, Educacional. PR, Brasil.

 

 

Referências

Brasil. (2012) Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Básica (SEB). Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: Formação do Professor Alfabetizador. Caderno de Apresentação. Brasília.

Brasil.(2016) Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatório do 1º ciclo de monitoramento das metas do PNE: biênio 2014- 2016. – Brasília, DF: Inep.

Brighouse, T& Woods, D.(2010) Como fazer uma boa escola? Tradução: Magda França Lopes. Porto Alegre, RS: Artmed.

Bicudo, M. A. V. (Org). (2003) Formação de Professores? Da incerteza à compreensão. Bauru: EDUSC.

Bicudo, M. A. V. (2003). Tempo, tempo vivido e história. Bauru, SP: EDUSC.

Bicudo, M. A. V. (Org) (2010). Filosofia da educação matemática: fenomenologia, concepções, possibilidades didático-pedagógicas. São Paulo: Editora UNESP.

Canário, R. (1998). Gestão da escola: como elaborar o plano de formação? Lisboa: Instituto de inovação Educacional.

Canário, R. (2000). Educação de adultos: um campo e uma problemática. Lisboa: Educa.

Canário, R. (2005). O que é a escola? Um “olhar” sociológico. Porto: Porto.

Canário, R. & Barroso, J. (1999). Centros de formação das associações de escolas: das expectativas às realidades. Lisboa: IIE.

Candau, V.(2003). Formação continuada de professores: tendências atuais. In: REALE, A. M. M. R.; MIZUKAMI, M. G. N. (Org.). Formação continuada de professores: tendências atuais. São Carlos: Edufscar.

Corazza, M. J.& Rodrigues, J. L.& Justina, L. A. D.& Vieira, R. M. (2017). Comunidades de prática como espaços de investigação no campo de pesquisa formação de professores. Revista Pesquisa Qualitativa. São Paulo (SP), v.5, n.9, p. 466-494, dez.

Cunha, R. C. O. B. & Prado, G do V. T. (2017). Formação centrada na escola, desenvolvimento pessoal e profissional de professores. Revista de Educação PUC-Campinas, n. 28, p. 101-111, jan/jun, 2010. Disponível em: <http://periodicos.puccampinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/article/view/79>. Acesso em 04 set.

Fiorentini, D. (Org.) (2003). Formação de professores de matemática: explorando novos caminhos com outros olhares. Campinas, SP: Mercado das Letras.

Freire, P. (1996). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática pedagógica. 25. Ed. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P.& Shor, I.(1986). Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Garcia, C. M. (1999). Formação de professores: Para uma mudança educativa. Portugal: Porto Editora.

GHEDIN, E.; ALMEIDA, M. I. DE; LEITE, Y. U. F. Formação de professores: caminhos e descaminhos da prática. Brasília: Líber Livro Editora, 2008.

HARGREAVES, A.; FULLAN, M. A. E. A escola como organização aprendente: buscando uma educação de qualidade. Porto Alegre: Artmed, 2000.

HEIDEGGER, M. Ser e Tempo (1926). Parte 1. Petrópolis: Vozes, 1988.

KALINKE, M. A.; MOCROSKY, L. (Org.). Educação Matemática: pesquisas e possibilidades. Curitiba: Ed. UTFPR, 2015.

LOUREIRO, S.A.G. Educação humanista e diversidade: um diálogo possível entre Paulo Freire e Martin Heidegger. Belo Horizonte: Nandyala, 2009

QUARESMA, M.; PONTE, J. P. da. Dinâmica de aprendizagem de professores de matemática no diagnóstico dos conhecimentos dos alunos num estudo de aula. Revista de Investigação em Educação Matemática, Portugal, v. XXVI, n. 2, 2017.

TYBEL, D. O. Juizados Especiais. Revista CNJ, São Paulo, v. I, 2017.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1999

MIRANDA, M. S. A Matemática vivida: A linguagem matemática como prática social. In: BOEMER, L. A. P. et al. (Org.). Escola e Vida: uma experiência pedagógica de estudo por complexos em assentamentos do MST no estado de Santa Catarina. Florianópolis: Insular, 2013.

MOREIRA, M.; MASINI, E. F. S. Aprendizagem significativa: A teoria de Ausubel. São Paulo: Centauro, 2001.

MONFERINO, L.C; MOCROSKY, L. F. A Construção Permanente da Docência: a forma-ação. In: PEREIRA, A. L.; JESUZ, D. A. F.; GABRIEL, F. A.; FREIRE, L. I. F. Docência: processo de aprender e ensinar. Rio de Janeiro: Editora Multifoco, 2018.

MOURA, A.R.L.de; LIMA, L.C.; MOURA, M.O.de; MOISÉS, R.P. Educar com a Matemática Fundamentos. São Paulo: Cortez, 2016.

NETO, J. L. H.; JUNQUEIRA, R. D. (Org.). Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb): 25 anos. Revista Em Aberto, Brasília, v. 29, n. 96, p. 15-18, maio/ago. 2016. Disponível em http://portal.inep.gov.br/documents/186968/485895/Sistema+de+Avalia%C3%A7%C3%A3o++da+Educa%C3%A7%C3%A3o+B%C3%A1sica++%28Saeb%29++25+anos/db0fe36d-e0e5-4c2d-b65a-b35d9f922af7?version=1.0. Acesso em 21 de Out. 2017

ORTIGÃO, M. I. R.; FRANGELLA, R. DE C. P. Assumindo o risco da decisão – currículo e avaliação sob o signo da insubordinação. In: D’AMBROSIO, Beatriz e LOPES Celi Espasadin (Orgs.). Vertentes da subversão na produção científica em Educação Matemática. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2015 (Coleção Insubordinação Criativa).

PLACO, V. M. N.; SOUZA, V. L. T. (Orgs). Aprendizagem do adulto professor. 2. Ed. São Paulo: Loyola, 2015.

PEDRONI, Fabiana. Chronos e kairós: determinações poéticas para o tempo vivido. Disponível em: periodicos.ufes.br/colartes/article/view/7724 Acesso em 28 de abril de 2018.

POLLETINI, A. F.F. Análise das experiências vividas determinando o desenvolvimento profissional do professor de matemática. In: BICUDO, M.A.V. (Org.). Pesquisa em Educação Matemática: Concepções & Perspectivas. São Paulo, SP: UNESP, 1999.

PONTE, J.P. In: PONTE, João Pedro (org). Práticas Profissionais dos Professores de Matemática. 1ª ed. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, 2014, cap. 14, p. 343-360. Disponível em: www.ie.ulisboa.pt

ROMANOWSKI, J. P. Formação e Profissionalização docente. Curitiba: InterSaberes, 2012.

ROQUE, A.V; DUARTE, F. C. A morte de kairós e a duração razoável do processo: por uma análise qualitativa do tempo no processo civil. 2012. Disponível em: www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=06c284d3f757b15c. Acesso em 22 jul. 2018SACRISTÁN, J. G. Consciência e ação sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: Nóvoa, A. (Org.) Profissão professor. Porto Editora, 1991, p.61-92.

Publicado
2020-06-22
Seção
Artigos