Pensamento algébrico funcional em situações de comparar grandezas: um rastreamento a partir do Método Clínico

  • Vinicius Carvalho Beck Instituto Federal Sul-Rio-Grandense - IFSUL, Campus Pelotas – Visconde da Graça, Pelotas, RS, Brasil.
  • João Alberto da Silva Universidade Federal do Rio Grande - FURG, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências, Campus Carreiros, Rio Grande, RS, Brasil
  • Cristina Cavalli Bertolucci Universidade Federal do Rio Grande - FURG, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências, Campus Carreiros, Rio Grande, RS, Brasil

Resumo

O objetivo deste trabalho foi rastrear traços de pensamento algébrico funcional em problemas que envolvem o ato de comparar grandezas. O Método Clínico de Manipulação e Formalização, proposto e utilizado originalmente pela equipe de Jean Piaget, é utilizado neste trabalho para coleta e análise de dados. Os sujeitos participantes da pesquisa são estudantes de escolas públicas do interior do Rio Grande do Sul, com idades entre seis e oito anos. Com base em estudos precedentes, partimos da hipótese de que alguns estudantes adotariam a estratégia de previsão seguida por contagem. A novidade que encontramos, em termos de estratégias, foi o uso indiscriminado de operações aritméticas, isto é, operações como adição e tomar o número maior são utilizadas, sem uma análise mais aprofundada da estrutura do problema, e do significado de expressões tais como a mais e a menos nos enunciados. De acordo com estudos precedentes, e com os resultados da presente pesquisa, podemos dizer que a contagem é um procedimento fundamental para que habilidades algébricas possam ser trabalhadas desde os anos iniciais de escolaridade.

Biografia do Autor

Vinicius Carvalho Beck, Instituto Federal Sul-Rio-Grandense - IFSUL, Campus Pelotas – Visconde da Graça, Pelotas, RS, Brasil.

Atualmente é professor de Matemática do Instituto Federal Sul-rio-grandense (Campus CaVG) e professor EAD na Universidade Federal de Pelotas. Trabalhou como professor de Matemática em cursos preparatórios e universidades. Tem experiência como pesquisador nas áreas de Dinâmica Caótica, Alfabetização Matemática e Tecnologias na Educação. Membro do Grupo de Estudos em Educação Matemática dos anos Iniciais (GEEMAI), que reúne pesquisadores da FURG, UFPEL, UNIPAMPA e IFSul. Formação Acadêmica: Técnico em Eletrônica (IFSUL, 2004-2006), Licenciatura em Matemática (UFPEL, 2006-2010), Mestrado em Meteorologia (UFPEL, 2011-2013), Mestrado em Educação (FURG, 2014-2015) e Doutorado em Educação em Ciências (2016-2018).

João Alberto da Silva, Universidade Federal do Rio Grande - FURG, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências, Campus Carreiros, Rio Grande, RS, Brasil

João Alberto da Silva é Pedagogo e Psicólogo, com Pós-Doutorado em Educação Matemática pela Universidade Federal de Pernambuco. Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul-UFRGS, com doutorado-sanduíche na Universidade de Genebra. Professor Associado na Universidade Federal do Rio Grande-FURG junto aos cursos de Licenciatura e no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências. É líder do Grupo de Estudos em Educação Matemática dos anos Iniciais - GEEMAI. Gerencia Convênios de Cooperação Internacional do Brasil, financiados pela CAPES/AULP, com Moçambique e com o Cabo Verde para formação de professores em Ciências e Matemática, bem como tem acordos de cooperação com a Universidade de Salamanca (Espanha) e Universidade de Juliaca (Peru). É Consultor do INEP para avaliação de cursos graduação (SINAES) e para elaboração de itens para a Prova SAEB de Matemática do 2º e 5º ano. Integra a Comissão de Assessoramento Didático-Pedagógico na área de Matemática e suas Tecnologias da Diretoria de Avaliação da Educação Básica do INEP. Coordenador Adjunto da Equipe de Avaliação do Programa Nacional do Livro Didático para Matemática dos anos iniciais (PNLD 2018-2021). Coordenou o GT de Educação Matemática da AnpedSul 2016. Foi Editor da Revista Momento (ISSN 0102-2717) entre 2010 e 2013 e Coordenador Adjunto do Programa de Pós-Graduação em Educação da FURG entre 2011 e 2013. Faz parte da Diretoria Regional do Rio Grande do Sul da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM) como 2º secretário (2018-2020). É coordenador adjunto do GT01 da SBEM-Nacional sobre ensino de Matemática na Educação Infantil e nos anos iniciais (2018-2021) e pertence ao mandato atual do Conselho Nacional Editorial da SBEM, que edita as revistas da associação e organiza as políticas de publicação de livros e outras obras. Membro do Conselho Editorial da Editora CRV e da Editora da Universidade Federal de Rondônia. Coordena o projeto de extensão Programa de Alfabetização Matemática para formação de professores da Educação Infantil e anos iniciais.

Cristina Cavalli Bertolucci, Universidade Federal do Rio Grande - FURG, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências, Campus Carreiros, Rio Grande, RS, Brasil

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela UFRGS (2006), mestrado em Educação pela UFRGS (2009) e doutorado em Scienze Pedagogiche, dell Educazione e della Formazione pela Universidade de Pádua (Itália), pesquisando sobre as competências de Modelagem Matemática no Ensino Médio e intervenções didáticas para o seu desenvolvimento na sala de aula. É pesquisadora do Núcleo de Estudos em Epistemologia e Educação em Ciências da Universidade Federal do Rio Grande. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Educação Matemática e Formação de Professores. Atuou como professora substituta na Faculdade de Educação (UFRGS) em Educação Matemática nos cursos de Licenciatura em Matemática e Pedagogia e no IFRS Campus Rio Grande em disciplinas de matemática. Realizou pós-doutorado em Educação em Ciências pelo Programa de Pós Graduação Educação em Ciências da Universidade Federal do Rio Grande e foi professora colaboradora pelo mesmo. Atualmente é professora do Colégio Metodista Americano e realiza pós doutorado em Educação junto ao Departamento de Ensino e Currículo da UFRGS, trabalhando com formação de professores que ensinam matemática.

Referências

BECK, Vinicius Carvalho; SILVA, João Alberto da. Pensamento algébrico funcional na alfabetização: o uso da previsão de resultados em problemas aditivos. Revista Teoria e Prática da Educação, v.18, n.2, p.69-78, 2015.

BERTOLUCCI, Cristina Cavalli. Noções de Infinito Matemático em Adolescentes e Adultos. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

BRASIL, Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: Apresentação. Brasília: MEC, SEB, 2014.

BLANTON, Maria; KAPUT, James. Characterizing a classroom practice that promotes algebraic reasoning. Journal for Research in Mathematics Education, v.36, n.5, p.412-446, 2005.

CARPENTER, T. P.; LEVI, L.; FRANKE, M. L. ZERINGUE, J. K. Algebra in the elementary school: developing relational thinking. ZDM – The International Journal on Mathematics Education, v.37, n.1, p.53-59, 2005.

DELVAL, Juan. 2001. Introdução à Prática do Método Clínico: descobrindo o pensamento das crianças. Tradução de Fátima Murad. Porto Alegre: Artmed, 2002.

DISESSA, Andrea. An Interactional Analysis of Clinical Interviewing. Cognition and Instruction, 25(4), p. 523 – 565, 2007.

FALCÃO, Jorge Tarcísio da Rocha. Alfabetização Algébrica nas Séries Iniciais. Como Começar?. Boletim GEPEM, n.42, Fev./Jul., p.27-36, 2003.

FUJII, T; STEPHENS, M. Using number sentences to introduce the idea of variable. In: GREENES, C.; RUBENSTEIN, R. (Eds). Algebra and algebraic thinking in school: Seventieth Yearbook, (pp.127-149). National Council of Teachers of Mathematics. VA, Reston, 2008.

INEP. Provinha Brasil. Disponível em: <http://provabrasil.inep.gov.br/web/guest/provinha-brasil>. Acesso em: 21 out. 2017.

INHELDER, Bärbel; PIAGET, Jean. Da lógica da criança a lógica do adolescente. São Paulo: Pioneira, 1976.

KAMII, Constance. A criança e o número: Implicações Educacionais da Teoria de Piaget para a Atuação junto a escolares de 4 a 6 anos. Campinas: Papirus, 1984.

KIERAN, Carolyn. Developing algebraic reasoning: The role of sequenced tasks and teacher questions from the primary to the early secondary school levels. Quadrante, v.16, n.1, p.5-26, 2007.

LA TAILLE, Yves. Desenvolvimento do juízo moral e afetividade na teoria de Jean Piaget. In LA TAILLE; OLIVEIRA, M.K; DANTAS,H. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. 13.ed. São Paulo: Summus, 1992. p.47-74

NCTM. 2000. Princípios e Normas para a Matemática Escolar. (1.ed. 2000) Tradução portuguesa dos Principles and Standards for School Mathematics. 2.ed., APM, Lisboa, 2008.

PONTE, João Pedro da; VELEZ, Isabel. Representações em tarefas algébricas no 20 ano de escolaridade. Boletim GEPEM, n.59, Jul./Dez., p.53-68, 2011.

SILVA, Daniele Peres; SAVIOLI, Angela Marta Pereira das Dores. Caracterizações do pensamento algébrico em tarefas realizadas por estudantes do Ensino Fundamental I. Revista Eletrônica de Educação, v.6, n.1, p.206-222, 2012.

STEPHENS, M.; WANG, X. Investigating some junctures in relational thinking: a study of year 6 and 7 students from Australia and China. Journal of Mathematics Education, v.1, n.1, p.28-39, 2008.

VERGNAUD, Gérard. 1985. A criança, a matemática e a realidade: problemas do ensino da matemática na escola elementar. Tradução de Maria Lucia Faria Moro. 3ed. Editora da UFPR, Curitiba, 2009.

______, Gérard. La théorie des champs conceptuels. Recherches em Didactique des Mathématiques, v.10, n.2-3, p.133-170, 1990.

______, Gérard. The nature of mathematical concepts. In NUNES, T. & BRYNT, P. (Eds.) Learning and teaching mathematics, an international perspective. Psychology Press Ltd, Hove (East Sussex), 1997.

Publicado
2020-10-03
Seção
Artigos