Construção de gráficos de barras no Ensino Fundamental da Educação de Jovens e Adultos

  • Izauriana Borges Lima Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática e Tecnológica. PE, Brasil.
  • Ana Côelho Vieira Selva Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática e Tecnológica. PE, Brasil.

Resumo

A importância do ensino da construção de gráficos encontra justificativa na necessidade de desenvolver habilidades específicas ligadas tanto aos seus elementos estruturantes, como a adequação dos dados ao tipo de gráfico e a definição da escala a ser utilizada, quanto à valorização dessa representação como meio de transmitir uma informação. Sendo assim, o objetivo deste estudo foi analisar o desempenho de estudantes do Ensino Fundamental da EJA do município de Jaboatão dos Guararapes-PE em atividades de construção de gráficos de barras a partir de uma tabela. Participaram do estudo 88 estudantes do Ensino Fundamental, sendo 44 do Módulo III e 44 do Módulo V. Os resultados evidenciaram a ausência de elementos estruturantes nos gráficos de barras construídos, como o título, entretanto, a maioria apresentou a descrição das categorias e frequências e o uso da linha de base. A construção da escala foi a dificuldade mais evidente. Apesar das dificuldades identificadas verificamos efeito positivo da escolaridade tendo os estudantes do Módulo V construído mais gráficos quando solicitados do que o grupo de estudantes com menor escolaridade. A escolaridade também favoreceu o aprimoramento dos gráficos de barras construídos. Os resultados parecem indicar a necessidade um trabalho mais sistematizado em sala de aula voltado para questões fundamentais da construção de gráficos refletindo-se, sobretudo, a inclusão de elementos básicos necessários para a transmissão da informação e a adequação da escala, pois o desenvolvimento da habilidade de construir uma representação gráfica é parte do componente cognitivo na perspectiva do letramento estatístico do adulto.

Biografia do Autor

Izauriana Borges Lima, Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática e Tecnológica. PE, Brasil.

Pedagoga. Mestre em Educação Matemática e Tecnológica (UFPE). Coordenadora Educacional da Secretaria Executiva de Educação de Jaboatão dos Guararapes.

Referências

Albuquerque, M. R. G. C. (2010). Como adultos e crianças compreendem a escala representada em gráficos (Dissertação de Mestrado). Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Alcântara, L. R. (2012). O ensino de conteúdos estatísticos no Projovem Campo – Saberes da terra em Pernambuco (Dissertação de Mestrado). Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Brasil. Ministério da Educação e Desporto. (2001). Educação para jovens e adultos: ensino fundamental: proposta curricular para o primeiro segmento. São Paulo: Ação Educativa. Brasília, DF, Brasil. Recuperado de http://www.mec.org.br

Brasil. Ministério da Educação e Desporto. (2002). Educação para jovens e adultos: ensino fundamental: proposta curricular para o segundo segmento: 5ª a 8ª série. São Paulo: Ação Educativa. Brasília, DF, Brasil. Recuperado de http://www.mec.org.br

Brasil. Ministério da Educação. (2017). BNCC - Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília, DF, Brasil. Recuperado de http://www.mec.org.br

Cazorla, I. M., & Santana, E. (Organizadoras). (2010). Do Tratamento da Informação ao Letramento Estatístico. Itabuna: Via Litterarum.

Friel, S. N., Curcio, F. R., & Bright, G. W. (2001). Making Sense of Graphs: Critical Factors Influencing Comprehension and Instructional Implications. Journal for Research in Mathematics Education, Vol. 32, Number 2. pp. 124-158.

Gal, I. (2002). Adults' Statistical Literacy: Meanings, Components, Responsibilities. International Statistical Review, 7 0. 1. 1-5 1.

Garfield, J. (2002). The Challenge of Developing Statistical Reasoning. Journal of Statistics Education. Vol. 10, Number 3. pp. 1-12.

Instituto Paulo Montenegro e Ação Educativa. (2016). Indicador de alfabetismo funcional – INAF: estudo especial sobre alfabetismo e mundo do trabalho. São Paulo, SP, Brasil.

Lima, I. B. (2010). Investigando o desempenho de jovens e adultos na construção e interpretação de gráficos (Dissertação de Mestrado). Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Martins, M. N. P., & Carvalho, C. F. (2018). O ensino de gráficos estatísticos nos anos iniciais. Rencima: Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v.9, n. 2, pp. 247-264.

Morais, P. C. C. C. (2010). Construção, leitura e interpretação de gráficos estatísticos por alunos do 9.º ano de escolaridade (Dissertação de Mestrado). Universidade do Minho, Portugal.

Pernambuco. Secretaria de Educação. (2012). Parâmetros para a Educação Básica do Estado de Pernambuco: Parâmetros Curriculares de Matemática Educação de Jovens e Adultos. Recife, PE, Brasil.

Santos, C. C. (2014). Possibilidades do uso do computador no ensino de gráficos: um estudo em escolas do ProJovem Recife (Dissertação de Mestrado). Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Soek, A. M., Haracemiv, S. M. C., & Stoltz, T. (2009). Mediação pedagógica na alfabetização de jovens e adultos. Curitiba: Ed. Positivo.

Publicado
2020-10-03
Seção
Artigos