O Julgamento Perante Juízes do Povo e o Real Alcance da Expressão “Justiça”

  • Nilsen Aparecida Vieira Marcondes Universidade de Taubaté, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Desenvolvimento Humano.

Resumo

Este artigo tem como objetivo refletir acerca do julgamento perante juízes do povo e o real alcance da expressão “justiça”. Trata-se de um estudo de abordagem teórica, básica e qualitativa, exploratória e bibliográfica, porque teve como sustentação o levantamento de literatura pertinente à temática abordada. Portanto, para respaldar a construção deste artigo e reflexão sobre os conceitos e temas ora apresentados se utilizou de uma pesquisa bibliográfica. Os resultados apontam que tratar da temática “Tribunal do Júri” possibilita a abertura de importantes espaços reflexivos sobre questões que envolvem: o sigilo dos votos; a motivação das decisões; a duração razoável do processo; o silêncio; a inexigibilidade de autoincriminação; bem como a proibição das provas ilícitas. Conclui-se que retomadas contínuas de estudos sobre a temática são pertinentes na medida em que trazem luz e ampliam a compreensão da importância de se reconhecer que o julgamento perante juízes do povo se configura, também, como uma das importantes estratégias de busca por justiça na ambiência jurídica.

 

Palavras-chave: Tribunal do Júri. Alcance de Justiça. Revisão Teórica.

 

Abstract

This article aims to reflect on the judgment before people’s judges and the actual scope of the phrase "justice". It is a theoretical, basic and qualitative, exploratory and bibliographical approach study, because it had as support the literature survey concerning the addressed topic . Therefore, to support the construction of this article and reflection on the concepts and themes presented here, a bibliographical research was used. The results show that dealing with the theme "Court of the Jury" allows the opening of important reflective spaces on issues that involve: the secrecy of votes; the motivation of decisions; the reasonable proceedings duration; silence; the self-incrimination unenforceability; as well as the  unlawful evidence prohibition. It is concluded that continuous resumes of studies on the subject are pertinent in that they bring light and extend the understanding of the importance of recognizing that the judgment before the people's judges also constitutes one of the important strategies of searching for justice in the legal ambience.

 Keywords: Jury Court. Scope of Justice. Theoretical Review.

Biografia do Autor

Nilsen Aparecida Vieira Marcondes, Universidade de Taubaté, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Desenvolvimento Humano.
Assistente Social da Prefeitura Municipal de São José dos Campos. Mestre em Desenvolvimento Humano pela Universidade de Taubaté/SP (UNITAU). 

Referências

BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1988.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Decreto nº 592, de 30 de julho de 1992. Dispõe sobre Atos Internacionais. Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos. Promulgação. Brasília, DF, 1992a.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Decreto nº 678, de 06 de novembro de 1992. Dispõe sobre a promulgação da Convenção Americana sobre Direitos Humanos (Pacto de São José da Costa Rica), de 22 de novembro de 1969. Brasília, DF, 1992b.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Emenda Constitucional 45, de 30 de dezembro de 2004. Dispõe sobre as alterações dos dispositivos dos arts. 5º, 36, 52, 92, 93, 95, 98, 99, 102, 103, 104, 105, 107, 109, 111, 112, 114, 115, 125, 126, 127, 128, 129, 134 e 168 da Constituição Federal, e acrescenta os arts. 103-A, 103B, 111-A e 130-A, e dá outras providências. Brasília, DF, 2004.

CUSTÓDIO, R.S. Da inadmissibilidade das provas ilícitas no Processo Penal. Rev. Jus Navigandi, v.16, n.3.067, p. 1-6, 2011.

FACHIN, M.G. (Org.). Guia de Proteção dos Direitos Humanos: sistemas internacionais e sistema constitucional. Curitiba: Intersaberes, 2019.

LOPES JÚNIOR, A. Direito à duração razoável do processo tem sido ignorado no país. Rev. Consultor Jurídico, p.1-6, 2014.

MEDEIROS, P. Uma introdução à Teoria da Democracia. Curitiba: Intersaberes, 2016.

MELLO, C.M.; MOREIRA, T. Direitos fundamentais e dignidade da pessoa humana. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2015.

MOSSIN, H.A. Garantias fundamentais na área criminal. Barueri: Manole, 2014.

OLIVEIRA, C.A.S. A influência da mídia no Tribunal do Júri à luz dos princípios e garantias constitucionais que regem o Processo Penal Brasileiro. Rev. Jus Navigandi, p.1-78, 2014.

PEROVANO, D.G. Manual de metodologia da pesquisa científica. Curitiba: Intersaberes, 2016.

RAMIDOFF, M.L. Elementos de Processo Penal. Curitiba: Intersaberes, 2017.

ROSA, A.M. Duração razoável do processo sem contrapartida é como promessa de amor. Rev. Consultor Jurídico, p.1-4, 2014.

Publicado
2020-02-07
Seção
Artigos