Vilém Flusser: a dimensão crítica e dialógica da tradução

  • Cláudia Santana Martins

Resumo

O filósofo Vilém Flusser é conhecido mundialmente como teórico dos novos meios de comunicação, autor de ensaios pioneiros sobre a sociedade “póshistórica” ou “telemática”. Entretanto, sobretudo no período em que viveu no Brasil, entre 1940 e 1972, Flusser desenvolveu também interessantes reflexões a respeito da língua e da tradução. A importância que Flusser atribui à tradução pode ser explicada, em grande parte, por sua condição de exilado e poliglota. A sensação de desenraizamento (Bodenlosigkeit) permeia toda a sua obra, levando-o a se interessar pelos fenômenos da comunicação humana, a refletir “sobre os abismos que separam os homens e as pontes que atravessam tais abismos”. Vivendo e pensando entre línguas e culturas, Flusser adquiriu uma aguda percepção dos aspectos críticos e dialógicos da tradução, e suas ideias podem contribuir para uma melhor compreensão da sociedade “pós-histórica” em que vivemos.
Publicado
2015-07-09
Seção
Artigos