Construindo e legitimando a identidade intérprete e as atividades de interpretação: reflexões feitas em aulas de Libras para ouvintes

  • Audrei Gesser

Resumo

Este artigo tem como objetivo descrever a interação entre um professor surdo e seus alunos ouvintes, participantes de aulas de Libras, cujos registros foram gerados (MASON, 1997) e analisados a partir de ferramentas oriundas de pesquisa de cunho etnográfico (ELLEN, 1984; ELY et alii, 1991; HAMMERSLEY; ATKINSON, 1983). Orientada também por princípios teóricos da Sociolingüística Interacional, que incorpora a compreensão que os participantes envolvidos têm dos significados locais da interação em curso, aponto como as identidades ouvintes e surdas são manifestadas na e através da linguagem no encontro face a face (GOFFMAN, 1981, 2002; GUMPERZ, 1982a/b, JACOB; OCHS, 1995; SCHIFFRIN, 1996). No decorrer das aulas, fica saliente em vários momentos da interação a necessidade de se legitimar a identidade-intérprete. Isto ocorre quando o grupo percebe que há alguém que se comunica um pouco melhor em sinais com o professor. A análise revela que diversos significados estão em jogo durante esta construção, e que tanto a figura do intérprete como as atividades de interpretação clamadas e negociadas pelo grupo são fluidas, e quando emergem em linhas definidas elas estão atreladas ao momento, ao objetivo da interação e aos interesses de cada um.
Publicado
2015-07-09
Seção
Artigos