Análise da Percepção de Estudantes e Funcionários Quanto a Inclusão e o Desenvolvimento Cognitivo de Alunos da Terceira Idade no Ambiente Universitário

  • Raphaela Fernanda de Oliveira Universidade de Cuiabá - UNIC
  • Jonathan Willian Zangeski Novais Universidade de Cuiabá - UNIC
  • Noemi Cardoso de Oliveira Silva Universidade de Cuiabá - UNIC
  • Rodnei Ramos de Carvalho Universidade de Cuiabá - UNIC
  • Maria Madalena de Oliveira Universidade de Cuiabá - UNIC
  • Antonio José de Oliveira Junior Universidade de Cuiabá - UNIC
  • Thiago D'Orazio Joaquim Universidade de Cuiabá - UNIC

Resumo

É comum encontrar pessoas da terceira idade no ambiente universitário e retornando ao mercado de trabalho. Visando entender como é a percepção dos outros alunos em relação aos idosos, foram entrevistadas 30 pessoas entre homens e mulheres na faixa etária de 18 a 60 anos na Universidade de Cuiabá - Unic, Campus Barão, a fim de identificar os fatores de manifestações de aprendizagem do aluno universitário na terceira idade. Foram aplicados questionários referentes aos fatores: emocional/social, cognitivo e motor, com escalas de intensidade de zero a dez, sendo avaliadas as respostas de zero a três como não, três a sete como talvez e sete a dez como sim. A análise das opiniões foi concebida a partir da percepção, experiência e vivência em sala de aula entre os entrevistados com os alunos da terceira idade. Houve afinidades entre os entrevistados nas respostas do fator social e cognitivo e divergência quanto à inserção do idoso no mercado de trabalho depois de formado e na habilidade com o uso da informática, no fator motor houve concordância a respeito da disposição do idoso em executar atividades, que exijam condicionamento físico em mobilidade dentro do centro acadêmico e avaliação dos sentidos da audição e visão. O trabalho atingiu seu objetivo identificando os fatores referentes às manifestações de aprendizagem do aluno universitário na terceira idade, utilizando como parâmetro a percepção dos entrevistados a respeito do idoso.

Referências

ADAMS, P. O amor é contagioso. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Sextante, 1998.

ATKINSON, R. C. & SHIFFRIN, R. M. “Human memory: A proposed system and its control processes”. The psychology of learning and motivation: advances in research and theory. Nova York, Academic Press, 1968.

BALLONE, G. J. Alterações Emocionais no Envelhecimento. Psiqweb, Psiquiatria Geral, 2002.

BERZINS, M.A.V. da S. Envelhecimento populacional: uma conquista para ser celebrada. In: Serviço Social e Sociedade nº 75. São Paulo: Cortez, 2003.

BISHOP-CLARK, C. e LYNCH, J. Faculty Attitudes Toward the Mixed-Age College Classroom. Educational Gerontology, n. 21, pp. 749-761, 1995.

BIZELLI, M.H.S.S. BAROZZO, S., TANAKA, J.S. SANDRON, D.C. Informática para a terceira idades-Característica para um curso bem sucedido. Revista Ciência em Extensão, V.5, n.2, p.4-14, 2009.

BRINK P, STONES M. Examination of the relationship among hearing impairment, linguistic communication, mood, and social engagement of residents in complex continuing-care facilities. Gerontological nursing, 2007.

BROMAN A. T, MUNOZ B, RODRIGUEZ J, SANCHEZ R, QUIGLEV H.A, KLEIN R, et al. The impact of visual impairment and eye disease on vision-related quality of life in a Mexican-American population: proyecto VER. Invest Ophthalmol Vis Sci. 43(11): 3393-8, 2002.

BULLA, L. C. & KAEFER, C. O. Trabalho e aposentadoria. Repercussões na vida do idoso aposentado. Revista Virtual Textos & Contextos, 2, 1-8, 2003.

CACHIONI, M. AGUILAR, L. E.A convivência com pessoas idosas em instituições de ensino superior: A percepção de alunos da graduação e funcionários. Revista Kairós, pp.79-104, São Paulo11(1), 2008.

CAMPOS, Dinah Martins de Souza. Psicologia da aprendizagem. Petrópolis, Vozes, 1987.

CANCELA, D. M. G. “O Processo De Envelhecimento”. Trabalho realizado no Estágio de Complemento ao Diploma de Licenciatura em Psicologia pela Universidade Lusíada do Porto, p. 3 e 4, 2007.

CHIA E. M., WANG J. J., ROCHTCHINA, E., SMITH W., CUMMING R. R., MITCHELL P. Impact of bilateral visual impairment on health-related quality of life: the Blue Mountains Eye Study. Invest Ophthalmol Vis Sci. 45(1): 71-6, 2004.

DAVINI, R., NUNES, C. V. Alterações no sistema neuromuscular decorrentes do envelhecimento e o papel do exercício físico na manutenção da força muscular em indivíduos idosos. Revista Brasileira de Fisioterapia, v. 7, n. 3, p. 201-207, 2003.

DEBERT, G. G. “Pressupostos da reflexão antropológica sobre a velhice”. Antropologia e Velhice. 2 ed. Campinas, IFCH/Unicamp, 1998.

DO CARMO, P. C. C.S., MENEZES, A. M. BRAZ, V. C. M., LUZ, Z. M. N. Idoso Universitário: Uma inclusão possível numa sociedade contemporânea. Projeto de extensão Universidade Aberta á Terceira Idade (PROAPE) - UNATI-UNIABEU, 2-11p, 2009.

ERBOLATO, R. M. P. L. Universidade Católica de Campinas. “Relações Sociais na Velhice”. Tratado de Geriatria e Gerontologia. 2 ed. Rio de Janeiro, Guanabara, Koogan, 2006.

FRANÇA, L. H. e SOARES, N. E. “A importância das relações intergeracionais na quebra de preconceitos sobre a velhice”. Terceira Idade: Desafios para o terceiro milênio. Rio de Janeiro, Relume Dum ará – Una TI, UERJ, 1997.

GARCIA, H. D. A Terceira Idade e a Internet: uma questão para o novo milênio. 172 f. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2001.

GONÇALVES, Z.C. O Novo Mundo do Passa Cartões e Aperta Botões. In: NEGREIROS, T.C.G.M. (org.). A Nova Velhice: Uma Visão Multidisciplinar. Rio de Janeiro: Revinter, p.57-72, 2003.

IBGE. Relatório do Perfil dos idosos responsáveis pelos domicílios no Brasil. Rio de Janeiro: PUC, Departamento de Serviço Social. Rio de Janeiro: 2002.

IBGE. Indicadores sociodemográficos: prospectivos para o Brasil 1991-2030 (Oliveira, J. C. coord.). São Paulo: Arbeit Factory Editora e Comunicação, 2006.

KACHAR, V. “Longevidade”: um novo desafio para a educação. São Paulo: Cortez. p. 46, 2001.

KACHAR, V. A terceira idade e o computador: interação e produção num ambiente educacional interdisciplinar. Tese de Doutorado em Educação. São Paulo, PUC, 2001.

KREIS, R.A., ALVES, V.P., CARDENAS, C. J., KAMIKOWSKI, M. G. O. O impacto da informática na vida do idoso, Revista Kairós, São Paulo, 10(2), dez. pp. 153-168, 2007,

MANSUR L. L., VIÚDE A. Aspectos fonoaudiólogos do envelhecimento. Atheneu, p.284-286, 1996.

MAZO, G.Z; LOPES M.A; BENEDETTI TRB. Atividade física e o idoso: concepção gerontologia. 2. Ed. Porto Alegre: Sulina, 2004.

MOREIRA M.S, Trabalho, qualidade de vida e envelhecimento Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública, 2000.

MOREIRA, C. A. Atividade Física na Maturidade: avaliação e prescrição de exercícios, Rio de Janeiro: Shape, 2001.

NERI A. L. Desenvolvimento e envelhecimento. Campinas (SP): Papirus, 14, 2001.

NUNES, R.C. Metodologia para o ensino de informática para a terceira idade: aplicação no CEFET/SC. Dissertação de mestrado em Engenharia de Produção. Florianópolis, Universidade Federal de Santa Catarina, 1999.

NUNES, S. S. A acessibilidade na Internet no contexto da sociedade da informação. Dissertação de mestrado em Gestão de Informação. Porto, Universidade do Porto/Faculdade de Engenharia, FEUP, 2002.

PARRA, C. R. Contribuições da Psicologia para a compreensão da relação professor x aluno no ensino superior. Presidente Prudente, SP: Universidade do Oeste Paulista. Dissertação de Mestrado em Educação. 2008.

PAZ, S. F. O Trabalho (des) humano e suas conseqüências na aposentadoria e na velhice. Talento Brasileiro, 2001.

PEREIRA, S. R. M. Fisiologia do envelhecimento. Arquivos de Geriatria e Gerontologia – Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 0, n. 0, p. 18-21, 1996.

Portal Isto é, Google. Disponível em:

http://www.istoe.com.br/reportagens/241607_ENVELHECER+FAZ+BEM+AO+>.Fontes:IBGE e Banco MundialN° Edição: 2238 | Atualizado em 13.Out.15 - 19:24>Acesso em 13 de outubro de 2015 ás 19:36

RABELO, D.F. Comprometimento Cognitivo Leve em Idosos: avaliação, fatores associados e possibilidades de intervenção. Revista Kairós Gerontologia, 12(2), 65-79, 2009.

RUBINSTEIN, S. L. Princípios de Psicologia Geral. Lisboa: Editorial Estampa Ltda. 1972.

SANCHES EP, SUZUKI HS. Fonoaudiologia em gerontologia. Organizador Conhecimentos essenciais para atender bem o paciente idoso. São José dos Campos: Pulso, p.39-51, 2003.

SARRETA, E.M I. O Idoso na sala de aula: Um novo ator. Dissertação de mestrado em Brasília Universidade Católica de Brasília, 2007.

STANO, R.C., TRINDADE, M. Espaço escolar: um tempo de ser na velhice. Longevidade: um novo desafio para a educação. São Paulo: Cortez, p.155-168, 2001.

STELMACHUK, M. S. L. Sentidos do trabalho para idosos em exercício profissional remunerado. Dissertação de Mestrado, Programa de pós Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

TOURNIER M, MORIDE Y, DUCRUET T, MOSHYK A, ROCHON S. Depression and mortality in the visually-impaired, community-dwelling, elderly population of Quebec. Acta Ophthalmol. 86(2): 196-201, 2008.

VALENTE, J.A., Aprendizagem continuada ao longo da vida: O exemplo da terceira idade. São Paulo: Cortez, p.27-44, 2001.

VANZELLA, E.,NETO, E.A.L.,SILVA,C.C.A. A Terceira Idade e o Mercado de Trabalho.Revista Brasileira de Ciências da Saúde, 14(4): 97-100, 2011.

WAJNMAN S. O. Os idosos no mercado de trabalho: tendências e conseqüências. Rio de Janeiro: IPEA, 2004.

Publicado
2017-01-16
Seção
Artigos