Impactos Ambientais no Córrego Velha Joana do Município de Primavera do Leste – Mato Grosso

  • Carina Carlesso Riva Faculdade de Ciências Humanas, Biológicas e da Saúde de Primavera do Leste/MT
  • Clélia Amanda Silva Tiozo Faculdade de Ciências Humanas, Biológicas e da Saúde de Primavera do Leste/MT
  • Antonio Marcos Moreira Aguilar Marcos Moreira Faculdade de Ciências Humanas, Biológicas e da Saúde de Primavera do Leste/MT
  • Monia Maia Lima Faculdade de Ciências Humanas, Biológicas e da Saúde de Primavera do Leste/MT

Resumo

Ações antrópicas estão intrinsicamente ligadas com as modificações ambientais, o que remete a inúmeras ações externas que podem, em longo prazo, provocar alterações físicas importantes em nosso meio. O objetivo do presente estudo foi avaliar os impactos ambientais ocorridos no Córrego Velha Joana, situado geograficamente no município de Primavera do Leste-Mato Grosso. Para atingir o objetivo proposto foi realizada a análise de todo o perímetro urbano das nascentes do Córrego, sendo aplicados, posteriormente, protocolos validados para a avaliação das condições naturais, do habitat e dos trechos da bacia. Dentre os resultados encontrados foi possível observar que as ações antrópicas vêm contribuindo para comprometer os limites das áreas de proteção permanente, reduzindo o seu espaço devido à ocupação humana e a expansão de atividades na região. A destruição dos trechos de canalização do escoamento da água e o aumento dos depósitos de lixo doméstico a céu aberto também foram verificados. Estes elementos associados podem comprometer diretamente a saúde humana, provocando agravos nos tecidos cutâneos e problemas gastrointestinais, devido ao acumulo de resíduos sólidos e poluição da água não tratada. Entende-se que o processo de urbanização e a expansão agrícola são elementos importantes para o desenvolvimento do município, devendo, no entanto, respeitar as características naturais do ambiente para a preservação da natureza.

Biografia do Autor

Carina Carlesso Riva, Faculdade de Ciências Humanas, Biológicas e da Saúde de Primavera do Leste/MT
Bióloga. Coordenadora do Curso de Ciências Biológicas da Faculdade de Ciências Humanas, Biológicas e da Saúde de Primavera do Leste/MT. Especialista em Avaliação, Auditoria e Perícia Ambiental.
Clélia Amanda Silva Tiozo, Faculdade de Ciências Humanas, Biológicas e da Saúde de Primavera do Leste/MT

Bióloga. Docente do Curso de Ciências Biológicas da Faculdade de Ciências Humanas, Biológicas e da Saúde de Primavera do Leste/MT. Especialista em Avaliação, Auditoria e Perícia Ambiental. 

Antonio Marcos Moreira Aguilar Marcos Moreira, Faculdade de Ciências Humanas, Biológicas e da Saúde de Primavera do Leste/MT
Enfermeiro. Mestre em Saúde Coletiva. Especialista em Enfermagem do Trabalho. Especialista em Gestão em Saúde. Especialista em Saúde Pública. Pós Graduando em Urgência e Emergência. Pós Graduando em Unidade de Terapia Intensiva. Pós Graduando em Dermatologia com Ênfase em Feridas. Docente do Curso de Enfermagem e Ciências Biológicas da Faculdade de Ciências Humanas, Biológicas e da Saúde de Primavera do Leste/MT.
Monia Maia Lima, Faculdade de Ciências Humanas, Biológicas e da Saúde de Primavera do Leste/MT
Enfermeira. Mestre em Saúde coletiva. Especialista em Saúde Pública. Especialista em Gestão em Saúde. Docente do Curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências Humanas, Biológicas e da Saúde de Primavera do Leste/MT.

Referências

Brandão SL, Lima CS. Diagnóstico Ambiental das Áreas de Preservação Permanente (APP), Margem Esquerda do Rio Uberabinha, em Uberlândia (MG). Caminhos de Geografia. Rev On Line 2002;3(7).

Secretaria de Estado do Meio Ambiente. Departamento de proteção da biodiversidade. Cadernos da Mata Ciliar. n.1. São Paulo, 2009. Disponível em: http://ambiente.sp.gov.br/mataciliar.

Tundisi JG. Recursos hídricos no futuro: problemas e soluções. Estudos Avançados 2008;22(63).

Biella CA, Costa RA. Análise da qualidade ambiental das nascentes urbanas de Caldas Novas-GO. In: Simpósio Nacional de Geomorfologia, 6,. Anais...Goiânia, GO, 2006.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Cidades@. Mato Grosso- Primavera do Leste. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=510704&search=mato-grosso|primavera-do-leste.

Koppen W. Climatologia. México: Fondo de Cultura Econômica; 1948.

Ferreira JCV. Mato Grosso e seus Municípios. Secretaria do Estado da Educação. Cuiabá: Buriti; 2001.

Environmental Protection Agency. Biological criteria for the protection of aquatic life. Division of Water Quality Monitoring Assessment. Columbus, Ohio, 1987;1:120.

HANNAFORD, M. J., BARBOUR, M. T. & Resh, V. H. Training reduces observer variability in visual-based assessments of stream habitat. J. North Am. Benthol. Soc., 16: 853-860. 1997.

Callisto M, Ferreira WR, Moreno P, Goulart M, Petrucio M. Aplicação de um protocolo de avaliação rápida da diversidade de habitats em atividades de ensino e pesquisa (MG-RG). Acta Limnol Bras 2002;14(1):91-98.

Primavera do Leste. Lei Ordinária de Primavera do Leste MT, n.1007 de 23 de agosto de 2007. Disponível em: http://www.leismunicipais.com.br/legislacao-de-primavera-do-leste/691805/lei-1007-2007-primavera-do-leste-mt.html.

Aguilar VLG, Cardoso L, Perazzo G. Remoção da Mata Ciliar. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão 2011; 3(1).

Vargas HL. Ocupação irregular de APP urbana: um estudo da percepção social acerca do conflito de interesses que se estabelece na lagoa do Prato Raso, em Feira de Santana, Bahia. Sitientibus 2008(39):7-36.

Goulart MD, Callisto M. Bioindicadores de qualidade de água como ferramenta em estudos de impacto ambiental. Rev FAPAM 2003;2(1).

Gomes PM, Melo C, Vale VS. Avaliação dos impactos ambientais em nascentes na cidade de Uberlândia-MG: Análise macroscópica. Sociedade e Natureza 2005;17(32):103-20.

Batista HU, Barbola IF, Kloth AEG, Milleo J. Estrutura e composição da fauna de macroinvertebrados como forma de avaliação da qualidade da água do rio Verde, em Ponta Grossa, Paraná, Brasil. Terr@ Plural 2010;4(2):241-56.

Matos FC, Targa MS, Batista GT, Dias NW. Análise temporal da expansão urbana no entorno do Igarapé Tucunduba, Belém, PA, Brasil Rev Biociências 2011;17(1).

Tundisi JG, Tundisi TM. Impactos potenciais das alterações do Código Florestal nos recursos hídricos. Biota Neotrop 2010;10(4).

Rodrigues-Filho JL, Abe DS, Gatti-Junior P, Medeiros GR, Degani RM, Blanco FP, et al. Spatial patterns of water quality in Xingu River Basin (Amazonia) prior to the Belo Monte dam impoundment. Braz J Biol 2015;75(3):34-46.

Andrade AR, Felchak IM. A poluição urbana e o impacto na qualidade da água do Rio Antas - Irati/PR. Geoambiente on line 2009;12.

Publicado
2017-01-16
Seção
Artigos