Avaliação da Conformidade de Rótulos de Pescado Comercializado em Caxias do Sul

Resumo

A rotulagem dos alimentos é importante, pois é a comunicação entre consumidor e produto. Quando envolvem alimentos de origem animal, principalmente, os altamente perecíveis como os pescados, tal rotulagem deve ser ainda mais criteriosa, garantindo as informações mínimas das condições sanitárias desses alimentos. O objetivo do trabalho foi avaliar a conformidade de rótulos de pescado comercializado na cidade de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul. Foi realizado um estudo descritivo, com rótulos de pescado selecionados aleatoriamente, a partir da aplicação de um checklist composto pelas seguintes variáveis: identificação do produto, segurança sanitária, informação nutricional, ingredientes; qualidade técnica do rótulo, qualidade de informação e de informação sobre atendimento ao consumidor. A coleta de dados foi realizada em uma rede de hipermercados. Os dados foram analisados de forma descritiva e os resultados apresentados na forma de frequências relativa e absoluta. Foram analisados 124 rótulos, sendo 74 de filés de peixe congelados e 50 de pescado congelados diversos. Referente à qualidade da rotulagem, as categorias que apresentaram inconformidade com a legislação foram armazenamento e conservação (2,72%), preparo e instrução de uso (2,72%) e ingredientes (2,72%). Referente à qualidade técnica do rótulo, estava em inconformidade a aderência (14%), a legibilidade (19,36%), a visibilidade (27,36%), a ligação gratuita (45,31%), a ligação paga (45,31%), a caixa postal (45,31%) e o e-mail (13,36%). A maioria dos rótulos de pescados está em conformidade com a legislação vigente, apresentando qualidade sanitária adequada. As categorias que apresentaram maior percentual de inconformidade são categorias técnicas e, portanto, não oferecem risco à saúde do consumidor.

Palavras-chave: Embalagem. Pescados. Rotulagem. Vigilância Sanitária.

 

Abstract

Food labeling is important because it is the communication between the consumer and the product. When animal origin foodstuffs  are involved, particularly highly perishable ones such as fish, such labeling should be even more careful, with minimum information on the health conditions of such foods. The objective was to evaluate the  fish labels sold conformity in the city of Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, Brazil. A descriptive study was carried out, with randomly selected fish labels, from the application of a checklist composed of the following variables: product identification, health safety, nutritional information; ingredients;  the label  technical quality, quality of information and information on customer service. Data collection was performed in a network of hypermarkets. The data were analyzed descriptively and the results presented in the form of relative and absolute frequencies. A total of 124 labels were analyzed, of which 74 were from frozen fish fillets and 50 frozen other types of fish. Regarding the labels quality, the categories that presented nonconformity with the legislation were storage and conservation (2.72%), preparation and instruction of use (2.72%) and ingredients (2.72%). Regarding the label technical quality, adhesion (14%), readability (19.36%), visibility (27.36%), free connection (45.31%), mailbox (45.31%) and e-mail (13.36%). Most fish labels are in compliance with the current legislation, presenting adequate sanitary quality. The categories that presented the highest percentage of nonconformity are technical categories and, therefore, do not pose risk to the consumer health.

Keywords: Fish. Labeling. Packaging. Sanitary Surveillance.

Biografia do Autor

Márcia Keller Alves, Universidade de Caxias do Sul

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biotecnologia

Referências

ALMEIDA, I.; ABIA. Associação brasileira das indústrias da alimentação, 2015. Disponível em <http://www.abia.org.br/vsn/tmp_2.aspx?id=6#sthash.22jL0V9S.dpbs> Acessado em: 18/08/2017 – 20:40.

BARROS, A.; ANDRADE, K. D.; RODRIGUES, A.S.; SANTOS, T. R.; VIANA, A. C. Análise de rotulagem de pescados comercializados em estabelecimentos do município de Petrolina-PE, Congresso Norte e Nordeste pesquisa inovação (VII CONNEPI), p. 01-03, 2012.

BASTOS, A.; BEELINELLO, M.H.; SARAIVA, T.C.; SOUTO, A.C. Avaliação da qualidade sanitária dos rótulos de alimentos embalados de origem animal. Revista Baiana de Saúde Pública; v.32, n°2, p.218- 231, maio/ago, 2008.

BETANCURT, L.F.; ESPINOSA, H.R.; VALÊNCIA-, Y D. Caracterización del consumo de pescado y mariscos en población universitária de la ciudad de Medellín-Colombia. Rev. Univ. Salud; v.18(2): p.257-265, 2016.

BRASIL. D.O. U. Ministério da agricultura, pecuária e abastecimento - Instrução normativa nº 22, de 24 de novembro de 2005.Regulamento técnico para rotulagem de produtos de origem animal embalado, p.01-09. Gabinete do Ministro, 2005.

BRASIL. Decreto nº 6.523, de 31 de julho de 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/decreto/d6523.htm> Acessado em: 27/04/2018 - 21:30.

BRASIL. Manual de boas práticas de manipulação de pescado – Estado do Ceará: Secretária da pesca e Aquicultura, Rev; Corec – SPA; p.01 – 22, agosto, 2012.

BRASIL. Ministério da agricultura, pecuária e abastecimento – Instrução normativa n° 21, de 31 de maio de 2017. Regulamento técnico que fixa a identidade e as características da qualidade que deve apresentar o peixe congelado, Coordenadoria de defesa agropecuária, p. 01-04, 2017. Disponível em:< https://www.defesa.agricultura.sp.gov.br/legislacoes/instrucao-normativa-n-33-de-8-de-setembro-de-2017,1101.html >Acessado em: 19/05/2018 – 21:37.

BRASIL. Portaria MAPA 185, de 13/05/1997. Regulamento técnico de identidade e qualidade de peixe fresco. Secretária da Agricultura e abastecimento, Coordenadoria de defesa agropecuária, p.01-06,1997. Disponível em: <https://www.defesa.agricultura.sp.gov.br/legislacoes/portaria-mapa-185-de-13-05-1997,670.html> Acessado em: 04/ 08/2017 – 17:35.

BRASIL. Regulamenta a Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990, para fixar normas gerais sobre o Serviço de Atendimento ao Consumidor – SAC. Presidência da República, casa civil, subchefia para assuntos jurídicos, 1990.

BRASIL. Resolução - rdc nº 259, de 20 de setembro de 2002. Regulamento técnico de alimentos embalados. Agência nacional de vigilância sanitária (ANVISA), p.01-11,2002.

BRASIL. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC N° 26, DE 2 DE JULHO DE 2015. Rotulagem obrigatória dos principais alimentos que causam alergias alimentares. Agência nacional de vigilância sanitária, 2015.

BRASIL. Serviço de inspeção Federal – Ministério da Agricultura, pecuária e abastecimento - Disponível em http://www.agricultura.gov.br/assuntos/inspecao/produtos-animal/sif/servico-de-inspecao-federal-sif. 2017. Acessado em: 28/08/2017 – 09:10.

FAO. Food and Agriculture Organization of the United Nations. The State of World Fisheries and Aquaculture. - I N BRIE < http://www.worldfishing.net/news101/Comment/ben-yami/fao-fisheries-model-2015>. Acessado em 06/11/2017-09:25. v.1, p.01-24, 2015.

MARZAROTTO, B., ALVES, M.K. Leitura de rótulos de alimentos por frequentadores de um estabelecimento comercial. Revista eletrônica Ciência e Saúde,10(2), p.102-108,2016.

MINOZZO, G. Processamento e conservação do pescado. Instituto federal de educação, ciência e tecnologia – Paraná – Educação à distância – Rede e-Tec Brasil, p.13-125, 2011.

MONTEIRO, J.; PIRES, P.; BARROS, R. Avaliação do grau de conformidade da rotulagem de gêneros alimentícios de origem animal face à legislação nacional e comunitária em vigor. Revista Portuguesa de Ciências Veterinárias. 102 (563-564) 343-349, 2007.

PETTER, C.; WESCHENFELDER, S.; SCHWANTES, D.T.; NUNES, C.G. Importância da verificação e adequação da rotulagem nutricional para manutenção da saúde: análise do rótulo de diferentes marcas de salsicha. 5° Simpósio de Segurança alimentar – Alimentação e saúde, p.01-05, 2015.

SANTOS, C.A. Doenças transmitidas por pescado no Brasil. Rev. Bras. Med. Vet. 32 v. (4). p. 234-241, out/dez 2010.

SOARES, K.M.P.; GONÇALVES, A.A. Qualidade do pescado. Rev. Inst. Adolfo Lutz. 2012; 71 v. (1): p.1-10, 2011.

Publicado
2020-05-12
Seção
Artigos